/

Jardim Gonçalves vai continuar a receber pensão de 167 mil euros por mês

15

Inácio Rosa / Lusa

Jorge Jardim Gonçalves, fundador e antigo presidente do BCP.

O ex-administrador do BCP Jorge Jardim Gonçalves ganhou uma acção em tribunal contra o seu antigo banco, que lhe permite continuar a receber uma pensão de 167 mil euros por mês.

Jorge Jardim Gonçalves ganhou a acção em tribunal que o opunha ao Banco Comercial Português, do qual foi fundador e presidente até 2005, que lhe garante uma pensão mensal de 167 mil euros.

Além da pensão milionária, diz na sua edição deste sábado o semanário Expresso, a deliberação judicial, tomada pelo Tribunal de Sintra o mês passado, confirmou a Jardim o pagamento de várias despesas, como segurança, carro e motorista. De fora fica apenas o jacto privado, a que o ex-gestor deixa de ter direito.

“As regalias que tinha e a pensão que recebo foram aprovadas pelos órgãos competentes e diziam respeito a todos os ex-administradores do banco“, saleintou Jardim Gonçalves, citado pelo Expresso.

O gestor foi afastado no BCP em 2008 na sequência de um polémico conflito entre dois grupos de accionistas no seio do Conselho de Administração, que levou também à saída do seu sucessor à frente do banco, Paulo Teixeira Pinto.

Em 2010, foi-lhe aplicada uma multa de um milhão de euros pelo Banco de Portugal, devido a nove infracções com dolo à frente do BCP. Jardim Gonçalves ficou então inibido, durante 9 anos, do exercício de cargos em instituições de crédito.

Em maio de 2014, o fundador do Banco Comercial Português condenado a 2 anos de prisão por crime de manipulação de mercado. A pena ficou suspensa, mediante o pagamento de uma caução de 600 mil euros.

A acção judicial destinada a cortar a reforma de Jardim Gonçalves deu entrada no Tribunal de Sintra em 2010. Dois anos mais tarde, este tribunal considerou não ter competência para julgar o caso, posição confirmada pelo Tribunal da Relação de Lisboa em 2013.

Nos sete anos que decorreram desde que a acção deu entrada em Tribunal, Jardim Gonçalves manteve a sua pensão de 167 mil euros – da qual, salienta o Negócios, um terço é pago pelo fundo de pensões do banco. O restante corresponde a uma apólice de seguro, convertida num contrato de rendas vitalícias.

Jardim Gonçalves foi o único antigo administrador do BCP que, em 2010, recusou a proposta de Carlos Santos Ferreira, então presidente do banco, para ajustar as pensões aos limites previstos no Código das Sociedades Comerciais.

Os restantes ex-gestores, como Filipe Pinhal e Christopher de Beck, chegaram a um acordo com o banco para alinhar as suas reformas aos salários dos administradores em funções – que permitiu ao banco, em 2011, poupanças de 44,2 milhões de euros com reformas.

Em janeiro de 2017, o BCP pagou os 700 milhões de euros que faltavam do empréstimo concedido pelo estado em 2012 – os chamados “CoCos”. Os administradores do banco, que no período em que o banco beneficiou de ajuda estatal tiveram os seus vencimentos reduzidos entre os 3% e os 11%, voltaram a ter salário completo em julho do mesmo ano.

  ZAP //

15 Comments

  1. … alguém conhece melhor motivo para a banca estar de CU?
    … este descontou tem direito a receber.
    … temos é que nodar de governo pelo facto de serem una INCOMPETENTES principalmente as ditas Finanças e S. Social, são dois onanismos que podemos dar-nos ao luxo de os mantermos…puta de democracia.

    • Weblogs, A sua primeira frase faz todo o sentido. O resto do seu texto aponta para outro lado…, mas dá-nos a entender que o Weblogs não leu a notícia.
      Não confunda as coisas.

  2. 176mil euros? Ainda há quem ache que o capitalismo é que é bom. Como dizia o outro: ” Quantos pobres são preciso para fazer um rico?”

  3. Por estas e por outras é que eu fechei a minha conta no BCP, começaram a roubar-me uma verba mensal para manutenção da minha conta onde eu tinha movimentos mensais, tinha cartão multibanco e acções do Banco. São cães que não conhecem o dono. É para sustentar este guloso e cínico e com esta pensão ele sustenta a família, não precisam de trabalhar. Não digo mais nada.

  4. claro tirem as economias do BCP se sairem de lá todos ele chupa no dedo apesar nos outros lados tambem serem uma cambada de ladrões.

  5. “Pena suspensa, mediante pagamento de caução…” Quanto será a caução do Pedro Dias? Tribunais da treta…

  6. O melhor presidente dum banco! Merece o melhor ordenado do mundo! Desde que deixei o banco nunca fui mentado! Só no tempo dele!

  7. O que aqui se pode ler é que apesar de condenado por vários crimes, nunca foi preso, a lei pode-se desrespeitar dependendo do dinheiro que se tem, se roubas e és pobre és gatuno crapula bandalho, se pagares mais de 600.000 Euros és apenas um reformado milionário que foi multado! Não é nojento este critério!

  8. só judeus que foram massacrados, foram também socialistas, comunistas, opositores políticos, homossexuais e intelectuais. Se algum seu antepassado tivesse lá sido assassinado, não acharia e da piada da “conta do gás”; nada mais!…
    E, por acaso, eu tenho foi cremado, mas mais grave que isto, é continuarem com a teoria que o te pelo aspecto da pena que se lhe imputara aos erros clamorosos, mas também em função da Misericórdia Celeste em protegê-los da horda de milhões de almas vingativas que não o haviam perdoado os deslizes lamentáveis. Durante este período de 10 séculos em absoluta solidão ele seria chamado a meditar mais profundamente sobre os enganos cossem mortas, cidades, vilas, aldeias destruídas até ás suas fundações; um Planeta guiada e alavancada pela inovação tecnológica e cientifica e não pela espiritual. Os deuses, todos eles, recentes e antigos estão definitivamente relegados para o Panteão das curiosidades históricas e das efabulaç ta da espiritualidade, sabia? Daí, a eterna “luta” do bem e do mal, no final, tudo se resume a isto: ou você é de serviço ao “eu”, ou de serviço ao “próximo”, egoísta ou altruísta? O que faz de nós melhores pessoas morte)?” pergunta “o outro”. “Atiramo-lo ao mar”. “Ah….!” E a maior parte do Mundo acreditou que assim foi. Até pode ter sido mas que ficou muito mal contado, ficou…

  9. Há um facto que muitos escondem, que é o de ver os empregados bancários perderem nível de vida! Desde que, Jardim Gonçalves abandou este banco, os funcionários só têm perdido, mas o banco foi tomado de assalto pelo PS. Nunca um bancário ganhou tão pouco, discute-se um aumento de… 0,4% ao fim 8 de anos – o último tinha sido de 0,7%, os reformados há 10, sim 10 anos que não têm qualquer aumento, a não ser no custo de vida! Os bancos fazem dos clientes empregados e ainda cobram por isso, invertendo o discurso ao dizer que “disponibilizam” um serviço, só que esquecem ser esse serviço o núcleo e a razão de ser do seu negócio! E cada vez cobram mais por que os clientes calam e aceitam! Ainda nos dizem que não vivemos em austeridade. O problema é que ao contrário da maioria dos portugueses, sabemos fazer contas! Jardim Gonçalves pode ganhar muito, ganha, mas quem trabalh9ou come ele, sabe que os seus colaboradores eram muito bem pagos comparativamente com os outros, por vezes o dobro para a mesma função. Hoje, rezam para manter um posto de trabalho que era feito por uma pessoa com antiga 4ª classe exigindo ao funcionário no mínimo uma licenciatura para mudar o papel à impressora!

  10. Não há JUSTIÇA, pois essa está uma vergonha. As leis cada vez estão mais a favor do criminoso e contra a vítima. A abolição da pena de morte, por causa dos “direitos humanos” (escudo dos criminosos)… è que as vítimas não têm “direitos humanos”, se os tem onde estão? Se a chamada “justiça” obrigasse esses gatunos a devolver o dinheiro roubado às vítimas, a pagar juros com o dinheiro que sobra de anos de roubo, em vez de continuarem com “Direitos” a banca e as pessoas tinham confiança, assim não.

  11. Em Portugal quanto maior for o roubo maior é a compensacao!
    Raramente ha excepçoes…
    Quem la tem o dinheiro (MG, BCP, BES, BPN. BANIF, NB, etc. etc.) deveria ter vergonha e perde-lo todinho duma assentada.

  12. Ele trabalhou para merecer a sua reforma, coitado do homem!
    .
    Quando lhe pediram o grande favor de criar um banco, não lhe impuseram uma condição que eles pps não estavam a impor para si mesmos!

  13. E depois vem estes pulhiticos de subserviência, com embuste de que são as reformas de miséria que põe em causa a sustentabilidade da SS.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.