“À Pfizer!” Em Israel, regressa-se ao normal e brinda-se à vacina

Israel está “de volta ao normal”. Restaurantes e bares enchem-se de pessoas que brindam “à Pfizer”, naquele que é interpretado como um exemplo de esperança para o resto do mundo.

À Pfizer!“. No Beer Bazaar, num histórico mercado de Tel Aviv, levantam-se os copos no ar e aplaude-se o salvador de Israel: a vacina contra a covid-19.

O Financial Times escreve que cerca de 4 milhões de adultos já receberam as duas doses da vacina, mais de metade dos 7 milhões de adultos que habitam no país. Nos bares e restaurantes comemora-se o regresso à vida praticamente normal e saúda-se a farmacêutica que produziu uma das vacinas contra a doença.

Israel é um dos países mais próximos de uma possível imunidade de grupo. Além dos 4 milhões que já receberam as duas doses, mais de um milhão de pessoas recebeu a primeira. O país levou a cabo uma mega-operação nacional de vacinação, o que permitiu eliminar grande parte das limitações à vida quotidiana na semana passada.

O jornal britânico escreve que as únicas máscaras que se veem são as dos funcionários dos bares e restaurantes, felizes por estarem de volta ao trabalho. Os clientes brindam “à Pfizer”, passeiam pelas ruas de Tel Aviv e regressam ao novo normal.

Há ainda algumas limitações, mas estas são menores quando se recorre ao chamado “passaporte verde“. No entanto, pouca gente parece estar a verificar se as pessoas têm, de facto, os certificados de vacinação – que podem ser facilmente falsificados.

Ainda assim, há israelitas relutantes e ansiosos neste regresso ao normal. Uma pesquisa do Channel 12 revelou que três quartos dos cidadãos do país ainda estavam receosos em declarar o fim da pandemia, apesar da festa estridente e da comemoração nas ruas.

Por outro lado, há jovens que pensam duas vezes antes de serem vacinados, quer por receios acerca da segurança da vacina ou porque se dizem convencidos de que a idade ou a saúde os irá proteger em caso de infeção. ”

“Sou jovem, sou forte, os meus avós estão vacinados e os meus pais também – acredito no vírus, mas não quero a vacina“, disse Yossi, de 28 anos, citado pelo FT. Se for obrigado a tomar a vacina por motivos profissionais ou se houver necessidade de fazer quarentena de vários dias após uma viagem, o jovem admite que pode mudar de ideias.

O Governo está a ponderar implementar uma quarentena à chegada para os não vacinados de modo a encorajá-los a aderir à imunização, numa altura em que já existe uma acumulação de vacinas em armazéns.

Apesar da euforia e do “renascimento” da vida em sociedade, a pandemia deixou marcas na economia e há várias lojas fechadas nas ruas israelitas.

Liliana Malainho, ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

O núcleo interno da Terra está a crescer mais de um lado do que do outro

O núcleo interno da Terra está a crescer mais de um lado do que do outro. No entanto, isto não quer dizer que o nosso planeta esteja a ficar inclinado. Mais de 5.000 quilómetros abaixo de …

Incêndios devastam sul da Europa e obrigam a retirar moradores e turistas

Dezenas de aldeias e hotéis foram este domingo evacuados nas zonas turísticas do sul da Turquia devido a incêndios que começaram há cinco dias e já mataram oito pessoas no país, devastando também regiões da …

Há uma empresa a transformar as cinzas de entes queridos em diamantes

Uma empresa norte-americana transforma cinzas de entes queridos — e animais de estimação — em diamantes, que podem ser colocados em anéis ou colares. Lidar com a morte de um ente querido é sempre uma altura …

Pianista de aeroporto ganhou 60 mil dólares em gorjetas

Tonee "Valentine" Carter, que toca piano num aeroporto norte-americano, ganhou 60 mil dólares (cerca de 50.800 mil euros) depois de um estranho partilhar um vídeo seu a tocar. Tonee "Valentine" Carter, de 66 anos, não é …

Youtubers denunciam campanha de fake news contra vacina da Pfizer

De acordo com a imprensa brasileira, uma agência de marketing terá tentado que influenciadores digitais de todo o mundo partilhassem desinformação sobre as vacinas contra a covid-19. A denúncia foi feita por alguns dos influenciadores …

Na Tailândia, a legalização do aborto enfrenta "resistência espiritual"

Desde fevereiro, qualquer pessoa que procure fazer um aborto na Tailândia consegue fazê-lo legalmente, pelo menos no primeiro trimestre. Ainda assim, muitos médicos e enfermeiros recusam-se a levar a cabo o procedimento. A advogada Supecha Baotip …

Haiti. Viúva do presidente assassinado implica seguranças no crime

Martine Moise, a viúva do presidente haitiano Jovenel Moise — assassinado na sua residência por um comando armado no início de julho — descreveu abertamente o ataque e partilhou as suas suspeitas sobre o crime …

Covid-19. Portugal regista 2.306 novos casos e aumento nos internados

Portugal registou este domingo 2.306 novos casos de infeção por covid-19 e mais oito mortes, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS).  Portugal regista este domingo oito mortes atribuídas à covid-19, 2.306 novos casos …

Birmânia. Líder da junta volta a prometer eleições até 2023, seis meses depois do golpe militar

O líder da junta militar birmanesa, no poder desde o golpe de 1 de fevereiro, comprometeu-se novamente a realizar eleições "até agosto de 2023". “Estamos a trabalhar para estabelecer um sistema multipartidário democrático”, disse, este domingo, …

Tóquio2020. Patrícia Mamona conquista medalha de prata no triplo salto (e melhora recorde nacional)

Patrícia Mamona conquistou este domingo a medalha de prata no triplo salto dos Jogos Olímpicos Tóquio2020, ao conseguir 15,01 metros, novo recorde nacional, arrebatando a segunda medalha por atletas portugueses depois do bronze do judoca …