/

Indígenas mexicanos barricam vilas e cultivam os próprios alimentos para sobreviver à pandemia

Jeffrey H. Cohen

Enquanto o coronavírus faz mossa no México, algumas comunidades indígenas em Oaxaca, no sul do México, estão a encontrar maneiras criativas de lidar com a situação.

Oaxaca, um dos Estados mais pobres e com maior diversidade étnica do México, é o lar de várias comunidades indígenas, incluindo o povo zapoteca.

Jeffrey H. Cohen, professor de antropologia da Universidade Estatal de Ohio, nos Estados Unidos, esteve a aprender como é que os zapotecas estão a enfrentar o novo coronavírus devido a fatores complicadores como pobreza crónica, assistência médica inadequada, Internet limitada, barreiras linguísticas e falta de água.

Cohen descobriu que os zapotecas estão a sobreviver à pandemia fazendo o que sempre fizeram quando o Governo mexicano não pode ou não quer ajudá-los: baseando-se nas tradições indígenas locais de cooperação, autossuficiência e isolamento.

Até agora, está a funcionar. Enquanto o número de casos e as mortes aumentam implacavelmente em todo o México, muitas comunidades indígenas em Oaxaca permanecem isoladas do coronavírus. A aldeia indígena de Santos Reyes Yucuná relatou a sua primeira infeção a 17 de julho, por exemplo – quatro meses após a covid-19 chegar ao México.

Estratégias de sobrevivência indígenas

A cooperação é a pedra angular da vida zapoteca em Oaxaca. Uma história de exclusão social pelo Governo federal lembra os zapotecas de que não podem depender de políticos para salvá-los.

As pessoas trabalham juntas desde tenra idade, juntando-se em “tequio”, ou brigadas de trabalho comunais, para concluir projetos que vão desde pintar uma escola até consertar a rede elétrica. Indivíduos, as suas famílias e os seus amigos rotineiramente trabalham juntos para fazer com que os pequenos trabalhos sejam mais rápidos e os grandes trabalhos pareçam menos desgastantes.

Os zapotecas também mantêm um relativo isolamento da sociedade mexicana mais ampla. Eles cultivam alimentos nas suas “milpas”, ou canteiros, para complementar a comida comprada em lojas e policiam as suas próprias comunidades com voluntários chamados “topiles”.

Com altos níveis de confiança na comunidade e uma história de autogoverno anterior à conquista espanhola, os zapotecas que continuam a viver na zona rural de Oaxaca não precisam nem permitem muito acesso externo às suas aldeias.

Estes três aspetos da cultura zapoteca tradicional – cooperação, isolamento e autossuficiência – são úteis numa pandemia.

De acordo com o investigadora Nydia Sanchez, da Universidade Tecnológica de Oaxaca, famílias zapotecas estão a compartilhar recursos escassos como comida, informação, água e máscaras.

E num momento em que a cadeia de abastecimento de alimentos do México está sob stress, os moradores estão a garantir que ninguém passe fome aumentando a sua colheita de “maiz”, o milho usado para fazer tortilhas.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Os “chapulines” – gafanhotos colhidos nos campos e rapidamente torrados no fogo – estão a voltar à mesa como uma alternativa rica em proteínas para carnes caras e compradas em lojas que não estão mais disponíveis localmente.

A natureza unida das comunidades zapotecas pode, no entanto, também complicar outras medidas críticas para limitar a exposição dos residentes à infeção.

Estas são pequenas aldeias com não mais do que alguns milhares de almas. Todos se conhecem e é típico dos zapotecas passarem grande parte do dia com a família e amigos. Isto pode dificultar a manutenção do distanciamento social recomendado pelas autoridades nacionais de saúde.

Em vez de fechar as portas para familiares e amigos, os zapotecas pretendem impedir que a covid-19 entre.

Em grande parte de Oaxaca, os moradores estão a construir barricadas para bloquear fisicamente o acesso de e para as suas comunidades, que normalmente são servidas por apenas uma estrada. Muitas aldeias estão efetivamente em quarentena da sociedade.

Futuro incerto

É improvável que as comunidades indígenas mexicanas escapem ilesas da pandemia. Até agora, o México está a perder a sua batalha com os efeitos económicos do coronavírus: empregos estão a desaparecer e os economistas preveem que a economia nacional possa cair 8% este ano. O turismo, a força vital da economia do México, parou.

Isto significa fome e uma longa recessão que, dizem os especialistas, terá um impacto desproporcional na população rural pobre. A agência de desenvolvimento social do México estima que até 10 milhões de pessoas possam cair na pobreza extrema, encerrando o período de quase uma década de redução de pobreza do país.

E se o coronavírus entrar nas comunidades zapotecas, provavelmente atingirá fortemente os residentes. As suas aldeias carecem de água corrente, distanciamento social, fornecimento de máscaras e cuidados de saúde necessários para retardar a propagação da doença.

A falta de água potável aumenta adicionalmente o risco de que problemas intestinais como a cólera, entre outras condições de saúde comuns nas populações indígenas rurais, agravem os efeitos da covid-19.

  ZAP // The Conversation

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.