“Impostos verdes” renderam 5,3 mil milhões de euros aos cofres do Estado

Os impostos amigos do ambiente geraram, em 2018, cerca de 5,3 mil milhões de euros, de acordo com dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), o que corresponde a 7,4% do total das receitas de impostos e contribuições sociais (contra 7,6% em 2017).

Este valor traduz um aumento de 4,3% face a 2017, que, no entanto, se encontra abaixo do crescimento de 6,4% para o total da receita de obtida com a tributação em Portugal.

O INE indica ainda que, de acordo com a informação disponível para 2017, o peso destes impostos no total da receita fiscal incluindo contribuições sociais foi superior em Portugal (7,6%), comparativamente com a média da União Europeia (6,1%). Nesse mesmo ano, o peso dos impostos com relevância ambiental no Produto Interno Bruto em Portugal (2,6%) foi superior ao da média da União Europeia a 28 (2,4%).

Por outro lado, foi do bolso das famílias que saiu mais dinheiro por conta dos chamados “impostos verdes”, que penalizam as atividades prejudiciais ao meio ambiente, de acordo com o Expresso. “Avaliando a receita fiscal por tipo de contribuinte, verifica-se que, em 2017, 49,9% das receitas com estes impostos tiveram origem nas famílias”, refere o INE, enquanto as empresas desembolsaram 47,8%.

“Desagregando esta informação por categoria de impostos, as famílias contribuíram mais para a receita dos impostos sobre a poluição (70,2%), sobre os recursos (54,8%) e sobre os transportes (57,6%)”, esclarece a nota, acrescentando que “foram os ramos de atividade que mais contribuíram para a receita dos impostos sobre a energia (49,8%, que compara com 47% nas famílias)”.

O Imposto sobre os Produtos Petrolíferos e Energéticos (ISP) continua a ser o mais relevante em termos de receita, mas tem vindo a diminuir o protagonismo. “Entre 2017 e 2018, o ISP perdeu importância relativa nos impostos com relevância ambiental (passou de 69,2% para 67,3%). Em sentido oposto, ganharam importância o Imposto Único de Circulação (IUC), atingindo agora 12,3% do total, e os outros impostos sobre a energia, que incluem as licenças de emissão de gases com efeito de estufa, que aumentaram 111,2%”.

A receita com o conjunto de impostos sobre a aquisição e utilização de veículos automóveis (ISP, Imposto sobre Veículos e IUC) representou cerca de 90% do total dos impostos verdes (92% em 2017). “Esta redução é explicada pelo aumento das licenças de emissão, que ganharam peso relativo no total da receita”, segundo o INE.

A evolução dos impostos sobre a energia tem tido um paralelo com o comportamento das vendas de gasolinas e gasóleo, em volume, até 2014, segundo explica o Expresso. A partir de 2015, “regista-se um crescimento da receita de imposto mais significativa que a respetiva base, explicado por uma subida significativa das taxas de imposto, bem como pela introdução do adicional sobre as emissões de CO2”.

Em relação aos impostos sobre os transportes, verifica-se que as vendas de veículos automóveis e o imposto sobre veículos têm um comportamento semelhante. Por outro lado, o imposto único de circulação, que incide sobre o parque de veículos existente, tem tido um crescimento ao longo da série em análise, o que da reforma global da tributação automóvel (2007), que trouxe um agravamento da tributação ao longo do período de vida do veículo.

Em 2017, as taxas com relevância ambiental atingiram 1,484 mil milhões de euros (0,8% do PIB), crescendo 4,7% face a 2016. Este desempenho reflete o aumento da cobrança das taxas de salubridade e saneamento (5,3%), da taxa de gestão de resíduos (130,5%) e da taxa de gestão do sistema de reciclagem de embalagens de vidro, papel, plástico, metal e madeira (29,8%). As taxas de recolha e tratamento de resíduos sólidos e as de saneamento continuam a representar grande parte (90%) do total de receita arrecadada.

ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. E o que fazem com esses milhões, para nosso benefício e do ambiente?… Onde/como foi usado esse dinheiro?
    Os tontinhos que propagandeiam as alterações climáticas antropogénicas é que fizeram isto, só serve para sacar dinheiro, mais nada!
    Sim, temos que cuidar do nosso único planeta-casa, ser mais amigos do ambiente, mas as mentiras com que nos enchem todos os dias, sempre com o intuito de sacar dinheiro ao povo, são demais evidentes.
    Querem realmente cuidar do planeta? MAIS AÇÃO E MENOS PEDINCHAR DINHEIRO!

    • O business ambiental está em plena expansão !.ONG’s, Associações Activistas, Industria de bens ditos “verdes”, etc…., não actuam de borla !…a Arte de transformar ideologias em dinheiro !

RESPONDER

Governo vira-se para Rio para mudar a lei e garantir o novo aeroporto

O Governo está a preparar uma alteração à Lei para evitar que o projecto do novo aeroporto do Montijo seja chumbado. Uma medida que passará, necessariamente, pela necessidade de um entendimento entre PS e PSD …

"Entretenimento saudável". Santa Casa desvaloriza estudo sobre raspadinhas

O Departamento de Jogos da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa desvalorizou a investigação da Universidade do Minho que aponta para o vício das raspadinhas. Esta sexta-feira, um artigo científico publicado na The Lancet alertou para …

"Diga-lhe para ligar ao FBI". Autocarro com a cara do príncipe André circula em Londres

Um autocarro escolar, com a cara do príncipe André, andou a circular por Londres, esta sexta-feira, numa campanha da advogada Gloria Allred para pressionar o filho da Rainha a falar com o FBI. Esta sexta-feira, um autocarro …

Suspeito de terrorismo ouvido em tribunal (com o juiz a recusar ver os seus vídeos por não ter Internet)

O arguido Rómulo Costa, um dos oito portugueses acusados por financiamento ao terrorismo e recrutamento, adesão e apoio ao Estado Islâmico, foi interrogado, esta sexta-feira, na fase de instrução do processo que vai decorrer no …

FC Porto recorre do castigo de um jogo à porta fechada

O FC Porto vai recorrer do castigo de um jogo à porta fechada, aplicado pelo Conselho de Disciplina (CD) da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) por ofensa a um agente desportivo. "O FC Porto vai recorrer …

Moita Flores investigado por corrupção. Antigo PJ fala em "coincidência" com empréstimo aos filhos

Francisco Moita Flores, antigo inspector da Polícia Judiciária e ex-presidente da Câmara de Santarém, está a ser investigado por suspeitas de corrupção. Há transferências de dinheiro de uma construtora para empresas a que esteve ligado …

SOS Animal vai constituir-se assistente no processo contra João Moura

A SOS Animal anunciou, esta sexta-feira, que se vai constituir assistente no processo criminal contra o cavaleiro tauromáquico detido, na quarta-feira, por suspeitas de maus-tratos a cães em Monforte, no distrito de Portalegre. Em comunicado, a SOS …

SMS de Rangel revelam teia de corrupção na Relação de Lisboa. Juiz Vaz das Neves tem empresa contra a lei

O ex-presidente do Tribunal da Relação de Lisboa, Luís Vaz das Neves, que foi constituído arguido na Operação Lex, tem uma empresa que se dedica à arbitragem extrajudicial de conflitos, o que constitui uma violação …

Presidente da PwC esteve em Lisboa para controlar danos do Luanda Leaks

O presidente mundial da PricewaterhouseCoopers (PwC) esteve em Lisboa, há duas semanas, para controlar os danos provocados pelo caso Luanda Leaks. Bob Moritz, presidente mundial da PricewaterhouseCoopers (PwC), esteve em Lisboa, há duas semanas, para perceber até …

CM Lisboa vai negociar avenças em parques para moradores da envolvente da Baixa

O presidente da Câmara de Lisboa afirmou, esta sexta-feira, que a autarquia irá tentar acordar com os operadores dos parques de estacionamento da envolvente da Zona de Emissões Reduzidas da Baixa-Chiado a criação de "avenças …