“Impostos verdes” renderam 5,3 mil milhões de euros aos cofres do Estado

Os impostos amigos do ambiente geraram, em 2018, cerca de 5,3 mil milhões de euros, de acordo com dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), o que corresponde a 7,4% do total das receitas de impostos e contribuições sociais (contra 7,6% em 2017).

Este valor traduz um aumento de 4,3% face a 2017, que, no entanto, se encontra abaixo do crescimento de 6,4% para o total da receita de obtida com a tributação em Portugal.

O INE indica ainda que, de acordo com a informação disponível para 2017, o peso destes impostos no total da receita fiscal incluindo contribuições sociais foi superior em Portugal (7,6%), comparativamente com a média da União Europeia (6,1%). Nesse mesmo ano, o peso dos impostos com relevância ambiental no Produto Interno Bruto em Portugal (2,6%) foi superior ao da média da União Europeia a 28 (2,4%).

Por outro lado, foi do bolso das famílias que saiu mais dinheiro por conta dos chamados “impostos verdes”, que penalizam as atividades prejudiciais ao meio ambiente, de acordo com o Expresso. “Avaliando a receita fiscal por tipo de contribuinte, verifica-se que, em 2017, 49,9% das receitas com estes impostos tiveram origem nas famílias”, refere o INE, enquanto as empresas desembolsaram 47,8%.

“Desagregando esta informação por categoria de impostos, as famílias contribuíram mais para a receita dos impostos sobre a poluição (70,2%), sobre os recursos (54,8%) e sobre os transportes (57,6%)”, esclarece a nota, acrescentando que “foram os ramos de atividade que mais contribuíram para a receita dos impostos sobre a energia (49,8%, que compara com 47% nas famílias)”.

O Imposto sobre os Produtos Petrolíferos e Energéticos (ISP) continua a ser o mais relevante em termos de receita, mas tem vindo a diminuir o protagonismo. “Entre 2017 e 2018, o ISP perdeu importância relativa nos impostos com relevância ambiental (passou de 69,2% para 67,3%). Em sentido oposto, ganharam importância o Imposto Único de Circulação (IUC), atingindo agora 12,3% do total, e os outros impostos sobre a energia, que incluem as licenças de emissão de gases com efeito de estufa, que aumentaram 111,2%”.

A receita com o conjunto de impostos sobre a aquisição e utilização de veículos automóveis (ISP, Imposto sobre Veículos e IUC) representou cerca de 90% do total dos impostos verdes (92% em 2017). “Esta redução é explicada pelo aumento das licenças de emissão, que ganharam peso relativo no total da receita”, segundo o INE.

A evolução dos impostos sobre a energia tem tido um paralelo com o comportamento das vendas de gasolinas e gasóleo, em volume, até 2014, segundo explica o Expresso. A partir de 2015, “regista-se um crescimento da receita de imposto mais significativa que a respetiva base, explicado por uma subida significativa das taxas de imposto, bem como pela introdução do adicional sobre as emissões de CO2”.

Em relação aos impostos sobre os transportes, verifica-se que as vendas de veículos automóveis e o imposto sobre veículos têm um comportamento semelhante. Por outro lado, o imposto único de circulação, que incide sobre o parque de veículos existente, tem tido um crescimento ao longo da série em análise, o que da reforma global da tributação automóvel (2007), que trouxe um agravamento da tributação ao longo do período de vida do veículo.

Em 2017, as taxas com relevância ambiental atingiram 1,484 mil milhões de euros (0,8% do PIB), crescendo 4,7% face a 2016. Este desempenho reflete o aumento da cobrança das taxas de salubridade e saneamento (5,3%), da taxa de gestão de resíduos (130,5%) e da taxa de gestão do sistema de reciclagem de embalagens de vidro, papel, plástico, metal e madeira (29,8%). As taxas de recolha e tratamento de resíduos sólidos e as de saneamento continuam a representar grande parte (90%) do total de receita arrecadada.

ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. E o que fazem com esses milhões, para nosso benefício e do ambiente?… Onde/como foi usado esse dinheiro?
    Os tontinhos que propagandeiam as alterações climáticas antropogénicas é que fizeram isto, só serve para sacar dinheiro, mais nada!
    Sim, temos que cuidar do nosso único planeta-casa, ser mais amigos do ambiente, mas as mentiras com que nos enchem todos os dias, sempre com o intuito de sacar dinheiro ao povo, são demais evidentes.
    Querem realmente cuidar do planeta? MAIS AÇÃO E MENOS PEDINCHAR DINHEIRO!

    • O business ambiental está em plena expansão !.ONG’s, Associações Activistas, Industria de bens ditos “verdes”, etc…., não actuam de borla !…a Arte de transformar ideologias em dinheiro !

RESPONDER

Cientistas nazis criaram um pesticida alternativo ao DDT (que até era melhor)

Cientistas nazis criaram uma alternativa ao inseticida DDT, que alegadamente seria menos tóxica para os mamíferos e de ação mais rápida. A sua produção viria a terminar abruptamente por intervenção das forças Aliadas. O DDT é …

Operação Rota do Cabo leva à detenção de 22 pessoas

A Procuradoria-geral Distrital de Lisboa (PGDL) anunciou hoje a detenção de 22 pessoas no âmbito a operação Rota do Cabo, efetuada para desmantelar uma alegada rede criminosa de auxílio à imigração ilegal. Em comunicado, a PGDL …

Garcia de Orta. Governo admite recorrer a pediatras do privado para assegurar urgência

O secretário de Estado Adjunto e da Saúde, Francisco Ramos, disse que a falta de médicos pediatras nas urgências do hospital Garcia de Orta “é uma situação que não é possível resolver de um …

Cientistas descobrem um novo benefício de tomar chá

https://vimeo.com/366605754 Se já se sabia que beber chá era bom para a nossa saúde, uma nova investigação vem confirmar ainda mais essa ideia. Cientistas encontraram no chá um novo benefício para o nosso cérebro. Várias investigações apontam …

Governo da Escócia quer novo referendo sobre independência em 2020

A ministra principal da Escócia e líder do Partido Nacionalista Escocês (SNP), Nicola Sturgeon, afirmou esta terça-feira que quer um novo referendo sobre a independência em 2020 e abrir negociações com Londres até ao fim …

As bactérias contradizem Darwin: a mais apta não sobrevive

Uma recente investigação levada a cabo pela Universidade de Copenhaga, na Dinamarca, revela que, no que diz respeito às bactérias, a "sobrevivência das mais cooperativas" excede a "sobrevivência das mais fortes". As bactérias são capazes de …

A Via Láctea roubou minúsculas galáxias à sua vizinha

Utilizando dados obtidos pelo Telescópio Gaia, os cientistas chegaram à conclusão que a Via Láctea "sequestrou" galáxias da Grande Nuvem de Magalhães, uma outra galáxia que a orbita. No nosso Universo, a regra é orbitar: a …

Pode ter sido encontrada (e ignorada) vida em Marte em 1976, defende antigo cientista da NASA

O antigo cientista da agência espacial norte-americana Gilbert V. Levin afirma que foram encontradas evidências de vida em Marte na década de 70. No entender do especialista, deviam ter sido levado a cabo mais investigações …

Era marketing. Fortnite voltou (e está diferente)

Depois de 10 temporadas, um buraco negro engoliu a ilha na qual diariamente milhões de jogadores tentavam sobreviver, matando-se uns aos outros. Durante um dia e meio, ninguém podia jogar. O susto acabou esta terça-feira, …

Cientistas determinam o que diminui a fertilidade das mulheres com o avanço da idade

Investigadores da Universidade de Copenhaga mapearam alguns dos mecanismos que podem afetar a fertilidade das mulheres desde a adolescência até a menopausa. A fertilidade natural das mulheres flutua entre altos e baixos na forma de uma …