Há novas regras para subir ao Everest. E é preciso apresentar currículo

Nimsdai / Twitter

O Nepal acaba de anunciar novas regras para escalar o Evereste. Com 8848 metros de altitude, é a montanha mais alta do mundo e verdadeira obsessão para alguns alpinistas, colecionadores de cumes, e cujo número parece estar a crescer.

Terá sido uma fotografia que correu mundo de um engarrafamento, com mais de 200 pessoas em fila a escalar o Evereste, a par da morte e desaparecimento de pelo menos onze alpinistas, em maio, que levou o governo nepalês a agir para prevenir mais situações do género.

Uma das medidas criadas é a obrigação de quem queira escalar a montanha já ter feito, pelo menos, uma subida até aos 6500 metros de altitude. A apresentação de um relatório médico atestando condições físicas para a escalada e contratação de um guia local são outras das imposições, escreve o Diário de Notícias.

Para o alpinista português João Garcia, que em 1999 chegou ao teto do mundo, sem recurso a oxigénio artificial, e lá colocou a bandeira portuguesa, num feito que custaria a vida do seu amigo, o belga Pascal Debrouwer, e a ele deixaria marcas para sempre – as queimaduras por congelamento das extremidades obrigaram à amputação de alguns dedos das mãos e dos pés e a um implante de nariz – estas são “regras para inglês ver”.

Crítico da forma como as autoridades tibetanas e as empresas locais gerem a exploração da montanha mais alta do mundo, o alpinista português, que já fez as 14 montanhas com mais de oito mil metros de altitude, considera estas medidas são manifestamente insuficientes para prevenir mortes, acidentes e tragédias e promover uma exploração mais responsável da montanha.

“Do ponto de vista físico e fisiológico, já para não falar do resto, estar a uma altitude de 6500 metros é muito diferente de estar a 8850, com ou sem oxigénio. No mínimo, para estas medidas terem significado, o alpinista teria de apresentar um currículo com experiência e teria de já ter feito montanhas a 7000 ou mesmo 8000 metros de altitude”, disse João Garcia.

O alpinista referiu ainda que, naquele contexto, estas regras são facilmente contornadas. “Estes certificados pode ser facilmente forjados”, afirmou.

Para João Garcia, muito mais importante seria garantir que “cada grupo tivesse experiência, condições e sobretudo uma equipa de socorro mil metros abaixo, mas isso custa dinheiro. Mais uma vez, é o negócio que norteia as decisões do governo do Nepal”, acrescenta o alpinista.

Mais de 300 montanhistas morreram no Evereste desde que alguém conseguiu alcançar o seu cume pela primeira vez, em 1953. Não é possível precisar quantos desses corpos ainda estão na montanha pois não existem dados. Centenas de alpinistas e os seus guias passam semanas no Evereste durante a primavera, que é considerada a melhor altura para subir a montanha.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

"Burrolandia". Parque temático de burros no México está a tentar salvar estes animais

Um parque temático de burros no México serve de santuário a estes animais que estão aos poucos a desaparecer no país. "O burro ajudou o homem por muito tempo. É hora de retribuirmos o favor", …

Uma mão robótica que joga Super Mario Bros na Nintendo? Sim, existe

Uma equipa de investigadores da Universidade de Maryland, nos Estados Unidos, imprimiu em 3D peças para criar uma mão robótica capaz de jogar Super Mario Bros na Nintendo.  A mão robótica é totalmente montada com circuitos …

"Narco Drones" apanhados a entregar drogas numa prisão chilena

Reclusos e cúmplices no exterior estão a usar drones para contrabandear droga para a prisão mais antiga do Chile. As autoridades chilenas descobriram que o esquema de contrabando tinha como objetivo transportar drogas para a Ex …

Erupção do vulcão Etna causa problemas económicos na Sicília

Nos últimos meses, o vulcão Etna tem estado em constante erupção e o custo de limpeza das cinzas está a deixar muitas cidades da Sicília à beira da falência. O vulcão Etna – um dos mais …

Argentina cria documento de identidade para pessoas não binárias

O Presidente da Argentina anunciou, esta semana, que o país tem um novo documento de identidade para incluir pessoas não binárias. É o primeiro país da América Latina a fazê-lo. De acordo com o chefe de …

Costa diz que Portugal vai ter "o dobro" de fundos comunitários para investir

O primeiro-ministro afirmou, este sábado, que Portugal vai contar, nos próximos sete anos, com "o dobro" de fundos comunitários para investimento, considerando que esta "é uma oportunidade única" que não pode ser desperdiçada. "Vamos ter a …

Chinesa morre após salvar a filha de deslizamento de terra. Bebé esteve 24 horas nos escombros

Uma mulher morreu após salvar o seu bebé quando um deslizamento de terra e uma forte inundação atingiram a sua casa na China, revelam as equipas de resgate. Como noticia a BBC, a bebé foi resgatada …

Caso Ihor. IGAI pede expulsão do ex-diretor de fronteiras do SEF

A Inspeção-Geral da Administração Interna (IGAI) já entregou ao ministro Eduardo Cabrita o relatório final do processo disciplinar contra o inspetor coordenador do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) António Sérgio Henriques, que propõe a …

Chuvas torrenciais fazem mais de uma centena de mortos na Índia

Pelo menos 136 pessoas morreram na Índia, em consequência de chuvas torrenciais que assolaram o país e causaram fortes enchentes e deslizamentos de terra, enterrando casas e submergindo ruas. Numa altura em que as alterações climáticas …

China inaugurou o comboio mais rápido do mundo

O comboio-bala maglev, que pode atingir uma velocidade de 600 quilómetros por hora, fez a sua estreia em Qingdao, na China, esta semana. Tal como conta a cadeia televisiva CNN, este comboio-bala maglev foi desenvolvido pela …