Mapa do Panama Papers tem 34 ligações a Portugal

icij.org

The Panama Papers: políticos, criminosos, e a indústria fora-da-lei que lhes esconde o dinheiro

Pode ascender a 34 o número de pessoas com morada fiscal em Portugal que estão envolvidas no escândalo “Panama Papers”.

De acordo com um mapa do Irish Times, associado do Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação (ICIJ), nos documentos do escritório de advogados panamenho Mossack Fonseca encontram-se 244 empresas fundadas para clientes com morada fiscal em Portugal.

Os dados do Irish Times descrevem que a Mossack Fonseca prestou serviços a 23 “clientes”, com 34 “beneficiários” últimos.

O jornal faz ainda referência a 255 “acionistas” das sociedades offshore ligados de alguma forma a Portugal.

Até agora, conhece-se a identidade de apenas um cidadão português envolvido: Idalécio Oliveira, empresário de 64 anos natural de Vouzela ligado aos setores do petróleo e do gás natural, que foi citado por estar envolvido no escândalo brasileiro de corrupção Lava Jato.

O Expresso explica que há mais do que 34 nomes portugueses nos Panama Papers, e avança que os primeiros resultados da investigação a “pessoas portuguesas envolvidas em casos suspeitos” será publicada na sua edição deste sábado.

O semanário descreve que grande parte dos nomes não são figuras públicas, mas que entre eles estão “vários empresários e gestores nacionais“.

Brian Kilmartin / CartoDB

Portugal no mapa dos Panama Papers

Esquemas suspeitos

Abrir empresas em paraísos fiscais não é uma operação ilegal. O recurso às offshores permite aos beneficiários mais sigilo sobre o seu património, evitar burocracia ou diminuir os riscos de litígio perante os credores.

No entanto, muitas vezes esses veículos são usados para evasão fiscal ou branqueamento de capitais, encobrindo crimes como fraude, corrupção, financiamento de terrorismo ou tráfico.

O trabalho jornalístico dos Panama Papers, com base nos dados da Mossack Fonseca, investigou as origens e destinos do dinheiro investido em offshores e vai revelar os esquemas suspeitos que foram identificados ao longo do último ano.

No caso de Portugal, o Expresso justifica a demora para divulgar a informação sobre os casos portugueses devido à necessidade de “confirmá-la, estudá-la, aprofundá-la, discernir entre o que é lícito e o que é duvidoso”.

A Procuradoria-Geral da República já informou que está a analisar as informações reveladas pela imprensa e acrescenta que abrirá um inquérito se encontrar indícios da prática de crimes.

“O Ministério Público está a acompanhar a situação, recolhendo elementos e procedendo à respectiva análise. Se desses elementos resultarem factos susceptíveis de integrarem a prática de crimes, o Ministério Público, como sempre, não deixará de agir em conformidade”, informou a PGR.

A investigação

Os Panama Papers mostram como sociedades de advogados, bancos e outros intermediários trabalham para esconder dinheiro e património em paraísos fiscais.

A investigação, realizada por 370 jornalistas de mais de 70 países sobre 11,5 milhões de documentos da empresa de advogados panamiana Mossack Fonseca, revelou bens em paraísos fiscais de 140 responsáveis políticos ou personalidades públicas, com mais de 214 mil offshores estão envolvidas em operações financeiras em mais de 200 países e territórios em todo o mundo.

O semanário Expresso e a TVI estão a participar nesta investigação em Portugal.

O diretor do Expresso, Pedro Santos Guerreiro, explica que a investigação acumula “meses de trabalho jornalístico, de cruzamento de informação, de confrontação de visados, de conjugação de fontes documentais e orais”.

“A complexidade da informação passa não apenas pela desmultiplicação de empresas através de offshores e de empresas-fantasma, mas também porque em muitos casos o nome dos envolvidos nunca aparece. Há muitas situações em que as pessoas que verdadeiramente querem esconder dinheiro, por exemplo por serem pessoas politicamente expostas, nunca dão o seu nome, usam testas-de-ferro. Muitas vezes, são amigos de confiança que surgem como beneficiários finais das offshores”, descreve o jornalista.

A base de dados completa será tornada pública apenas em maio, depois de divulgados os resultados das investigações aos casos críticos.

Altice é citada mas nega evasão fiscal

O grupo franco-israelita Altice, fundo que comprou a PT Portugal (dona da Meo) e a Cabovisão, recorreu aos serviços de uma sociedade offshore panamiana entre 2008 e 2014.

A referência à Altice, detida pelo empresário de origem franco-israelita Patrick Drahi, no âmbito desta investigação está a ser avançada por vários jornais internacionais e já levou a empresa a reagir oficialmente, negando a utilização da sociedade panamiana para fins de evasão fiscal.

A empresa esclarece que o recurso aos serviços de uma entidade financeira panamiana ocorreu na sequência de “operações acessórias por razões de estrita confidencialidade e em condições perfeitamente legais, sem qualquer incidência fiscal nem, de perto ou de longe, de evasão, dissimulação ou otimização fiscal”.

A Altice “recorreu a uma sociedade panamiana, entre novembro de 2008 e dezembro de 2010, na qual nem Patrick Drahi nem o grupo detiveram, direta ou indiretamente, qualquer participação”, sublinha no comunicado.

Patrick Drahi tem residência fiscal na Suíça.

AF, ZAP

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Mais uma palhaçada para desestabilizar o nosso grande continente. Nenhum jornalista, especialistas do copiar/colar, sequer reparou que por coincidência(?!) os EUA ficaram fora dessa lista… (mas não a Rússia, claro, por exemplo). Entenda quem conseguir.

    • Só há uma coisa mais patética do que os paranóico-conspirativos que vêm em tudo a culpa e o dedo dos porcos imperialistas americanos.
      São os pobres desgraçados que ainda acham que a Rússia de Putin é uma nobre e virtuosa nação comunista.
      Mas, dizem, deles será o reino dos céus (mesmo que nisso não acreditem)

  2. Vai-la vai até a BARRACA CUBATA ABANA,iiiii,na volta até o MARCELO REBELO ja esta na mesma onda que o CAVACO SILVA tambem inscrito na P.I:D:E: D.G.S. eheeehe nos PANAMA PAPERS, OFFSHORES ,Clubes de FUTEBOL, politicos etcetcetc e isto nunca mais para e vva a cORRUPÇÃO eeeeeee……

    A.G.P.

RESPONDER

"Tofu nunca causou uma pandemia", publica PETA em outdoors

A organização de direitos dos animais PETA está a incentivar os norte-americanos a experimentar tofu, através de anúncios em 'outdoors' nos Estados Unidos (EUA) onde defendem que o produto de soja "nunca causou uma pandemia". A …

Portugueses estão menos preocupados com a pandemia, mas apreensivos com a economia

O grau de preocupação com a pandemia diminuiu de 80,9% durante o estado de emergência para 76,2% no estado de calamidade, mas os portugueses estão mais alerta quanto ao impacto na economia, conclui um inquérito …

Nova morte, saqueamentos e protestos. Minneapolis vive caos após homicídio de George Floyd

Um homem foi encontrado morto a tiro, na madrugada de hoje, suspeito de ter sido vítima dos protestos, em Minneapolis, contra a morte de um homem negro sob custódia policial. Durante a noite de quarta-feira, milhares …

Filho de Deeney tem problemas respiratórios. Jogador foi alvo de abusos por recusar treinar

O futebolista Troy Deeney, capitão do Watford, revelou que tem sido alvo de abusos e comentários depreciativos, por ter recusado voltar aos treinos, face aos problemas respiratórios do seu filho. “Vi comentários em relação ao meu …

Parlamento aprova alargamento de apoios a todos os sócios-gerentes afetados pela pandemia

O parlamento aprovou hoje, em votação final global, um texto final que alarga os apoios no âmbito do `layoff´ aos sócios-gerentes das micro e pequenas empresas afetadas pela pandemia covid-19, independentemente do volume de faturação. Com …

Pandemia de covid-19 alimenta corrupção na América Latina

A propagação da Covid-19 na América Latina está a alimentar a corrupção nos vários países que a integram, que vai desde a inflação dos preços a situações de aproveitamento económico e de ligações entre políticos …

Mais de 500 católicos portugueses contra proibição de comunhão na boca

Mais de 500 católicos portugueses, entre leigos e sacerdotes, apelaram à Conferência Episcopal Portuguesa para revogar a proibição de os fiéis receberem a comunhão na boca, por causa da pandemia de covid-19, informou na quarta-feira …

Adeptos recusam devolução dos bilhetes. Bayern distribui dinheiro por clubes amadores

Os adeptos do Bayern renunciaram ao direito de serem reembolsados pelos bilhetes comprados para os jogos até ao final da temporada. O clube decidiu distribuir o dinheiro pelos emblemas amadores da região da Baviera. Tal como …

Trabalhadores acusam TAP de pagar abaixo do salário mínimo a tripulantes em lay-off

O Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC) acusou hoje a TAP de não estar a pagar o previsto na lei do ‘lay-off’, indicando vários casos em que a remuneração é inferior …

Tesla baixa preço de quase todos os modelos nos Estados Unidos

A empresa de carros elétricos Tesla baixou o preço dos Modelos 3, S e X no mercado norte-americano, visando estimular as vendas que estão em declínio durante a pandemia, avança a agência Reuters. O semanário …