“Guerra aberta” por causa da violência doméstica. Juízes atribuem culpas a Costa

Tiago Petinga / Lusa

Os números trágicos da violência doméstica e as penas brandas que têm sido aplicadas a este tipo de crime na justiça estão a provocar uma guerra aberta entre os juizes e António Costa. Depois das críticas do primeiro-ministro, os magistrados lembram as culpas que também tem no cartório.

Não por acaso, foi no Dia Internacional da Mulher, no passado 8 de Março, e após uma vaga de mulheres assassinadas por companheiros ou ex-companheiros, que António Costa criticou o tratamento que a justiça dá aos crimes de violência doméstica.

“É revoltante verificar como, 19 anos depois de termos introduzido na legislação que o crime da violência doméstica passou a ser público, e dezenas de anos depois de as magistraturas terem sido abertas a uma forte participação feminina, continuemos a ter o tratamento judiciário que temos do crime de violência doméstica”, lamentou o primeiro-ministro num jantar com mulheres socialistas.

A declaração não caiu bem entre os magistrados que lembram as responsabilidades que António Costa teve na aprovação do Código Penal vigente, nomeadamente no capítulo do crime de violência doméstica, enquanto ministro da Administração Interna do Governo de Sócrates, entre 2005 e 2007.

Num artigo de opinião no Público, o presidente da Associação Sindical dos Juízes Portugueses, Manuel Soares, lembra essa reforma penal de 2007, notando que “o poder político decidiu alargar a possibilidade de suspensão da pena de prisão de 3 para 5 anos”.

“A partir de 2007 Portugal ficou com o regime de suspensão da pena mais permissivo da Europa”, constata Manuel Soares, frisando que “crimes graves” passaram então “a admitir pena suspensa”, nomeadamente “tentativa de homicídio, violência doméstica com morte da vítima, violação, tráfico de pessoas, escravidão, rapto com tortura, abuso sexual de criança com cópula, lenocínio com menores até 14 anos de idade”.

As alterações à lei levadas a cabo em 2007, no que ao crime de violência doméstica diz respeito, foram, na altura, consideradas positivas por alguns especialistas jurídicos, mas demasiado genéricas, o que era encarado como uma possível fórmula para criar “problemas”.

Entre os pontos críticos estavam uma alteração ao Artigo 30 do Código Penal que introduziu a figura do crime continuado nos crimes contra pessoas. Uma mudança que beneficia o arguido que cometa crimes de forma repetida sobre a mesma vítima, algo que é frequente na violência doméstica, segundo frisavam então juristas citados na imprensa.

Onde estão agora aqueles que em 2007 defenderam a mudança da lei? Porque estão todos calados?”, questiona Manuel Soares, num recado para Costa ouvir com atenção.

O jornal Sol fala mesmo de uma “guerra aberta” entre Costa e os magistrados, notando que estes “acusam o grupo de trabalho criado por António Costa quando era ministro da Administração Interna pelo quadro penal mais brando para os agressores”.

“É muito bonito fazer discursos”

Também as declarações da procuradora Maria José Morgado constituem um recado ao poder político. “É muito bonito fazer discursos sobre violência doméstica“, constatou a magistrada do Supremo Tribunal de Justiça em declarações divulgadas pelo Público.

Durante um seminário sobre violência doméstica organizado pelo Departamento de Investigação e Acção Penal de Lisboa, Maria José Morgado notou que faltam gabinetes de psicólogos previstos na lei para auxiliar os juízes neste tipo de casos, bem como equipamentos de vídeo e áudio para registar os depoimentos das vítimas.

Não há dinheiro para atribuir ao Ministério Público e aos tribunais”, queixou-se a magistrada.

Também a procuradora-geral da República Lucília Gago alinhou pelo mesmo discurso na intervenção que fez no dito seminário, recusando que sejam atribuídas “ao judiciário as únicas ou principais responsabilidades das falhas do sistema, quer na dimensão da pressão criminal, quer na protecção da vítima”.

“É irrazoável equacionar a erradicação do fenómeno da violência doméstica sem investir forte e incisivamente na sua prevenção”, acrescentou, notando que o sistema judiciário também “não pode deixar de promover uma melhor articulação, nem desprezar o conhecimento proporcionado pelas disciplinas da psicologia ou psiquiatria”.

Urge fazer mais e melhor, urge porventura fazer também diferente”, equacionou ainda Lucília Gago que chamou, em especial, a atenção para as crianças e os jovens, defendendo que são necessárias “medidas preventivas estruturadas e consistentes” e que “a escola deve estar atenta aos sinais de violência de que a criança possa ser vítima”.

Lucília Gago disse que haverá um “cenário desolador” se o número de mortes por violência doméstica mantiver o mesmo ritmo que teve até agora, contabilizando-se 14 pessoas em 2019, entre 11 mulheres, uma criança e dois homens.

Também presente no seminário, o director-nacional adjunto da Polícia Judiciária nomeou as 14 vítimas assassinadas este ano, apontando que não são números, mas pessoas com nomes.

Carlos Farinha destacou o papel “absolutamente essencial” da comunicação social para evitar efeitos miméticos negativos e sublinhou que é importante não confundir paixão com violência ou amor com violência doméstica.

“Quando temos uma vítima de violência doméstica, somos todos vítimas”, alertou.

SV, ZAP //

PARTILHAR

10 COMENTÁRIOS

  1. Já tinha dito que as afirmações de Costa eram de um grande cinismo, uma vez que controla o poder legislativo e executivo, para além da ministra da Justiça.
    Afinal o cenário ainda é mais grave !
    Foi o próprio Costa que na reforma penal de 2007, tornou as penas mais suaves aos criminosos.
    Ele é também um dos responsáveis pelo número de mortes na violência doméstica.
    Ele e o Neto fazem uma rica parelha !

  2. Isto é o pior que temos no nosso país. Alguns senhores juízes (já se viu que não é só o Neto de Moura) entendem fazer considerações absolutamente despudoradas sobre as vítimas, como é o caso daquele que considerou culpada uma criança de 7 anos, (sete anos!) por ter ido de boleia de bibcicleta com um jovem de 17 anos que a violou de forma brutal, e a culpa é daqueles que aprovaram as leis.Queiram desculpar-me mas estes comentários são de uma imbecilidade chocante, uma insensibildade mórbida, um fanatismo quase acéfalo.

  3. Isto é o pior que temos no nosso país. Alguns senhores juízes (já se viu que não é só o Neto de Moura) entendem fazer considerações absolutamente despudoradas sobre as vítimas, como é o caso daquele que considerou culpada uma criança de 7 anos, (sete anos!) por ter ido de boleia de bibcicleta com um jovem de 17 anos que a violou de forma brutal, e a culpa é daqueles que aprovaram as leis.Queiram desculpar-me mas estes comentários são de uma ignominia chocante, uma insensibildade mórbida, um fanatismo quase acéfalo.

  4. E aqueles casos em que arguidos exatamente na mesma situação têm sentenças diferentes, nomeadamente uns são condenados e outros absolvidos, simplesmente porque uns têm uns amigos e conhecidos e outros não? Isso também deveria ser investigado.

  5. Também é o primeiro ministro que aplica a lei, escreve os acórdãos, as sentenças…enfim…os senhores juízes a “sacudirem a água do capote”.

  6. Portanto citar a bíblia ou outro tipo de livros que nada abonam a justiça é culpa do PM?
    Soltar criminosos porque enfim o crime até não foi grande(mas foi crime) também é culpa do costa?
    Acho que se disser que uns dos mais criminosos do país neste momento são os juízes não estarei muito errado e que uma eta para fazer uma limpeza judicial faz muita falta também não estarei muito errado!

  7. CINISMO CORPORATIVO DOS JUÍZES. foi alterado a pena suspensa de 3 até 5 anos E BEM, mas o MMº.Juíz é que aplica a PENA e decide se é ou não suspensa. Por acaso a pena de 2 anos aplicada ao Isaltino foi suspensa? NÃO FOI.

  8. ainda bem que ha quem seja capaz de dizer que o rei vai nu….. se o codigo penal que o governo apresentou e os deputados dos amigos das vitimas votaram de olhos fechados… querem agora culpar os juizes que aplicam a lei que facilita todo o tipo de crime e abuso… so nao se pode dizer mal se suas excelencias absolutas primos amigos e familiares… .. estamos noma republica coroada onde a rainha da beijinhos e o primeiro ministro da “traques”!!!!

RESPONDER

Crise no setor de petróleo pode ser a pior dos últimos 100 anos

A crise no setor de petróleo pode ser a pior dos últimos 100 anos, antevê o presidente da Petrobras. O brasileiro calcula que o preço do barril de petróleo caia dos 40 para os 25 …

Ministro alemão encontrado morto "estava muito preocupado" com apoio à população

O ministro das Finanças do Estado alemão de Hesse, Thomas Schäfer, foi encontrado morto no sábado. O corpo do político estava nos carris de uma linha de comboios de alta velocidade, na cidade de Hochheim, …

Oposição denuncia sequestro de dois membros da equipa de Guaidó

Este domingo, a oposição venezuelana denunciou que alegados funcionários das forças de segurança sequestraram dois membros da equipa do líder da oposição, Juan Guaidó. Rafael Rico, do partido Vontade Popular, indicou que o sequestro teve lugar …

Há 853 profissionais de saúde infetados. Cerco sanitário no Porto em discussão

O secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales, revelou que existem 853 profissionais de saúde infetados com a covid-19 em Portugal. Em conferência de imprensa ao fim da manhã desta segunda-feira, depois de a …

Fazer despedimentos ou não renovar contratos são situações distintas, explica Siza Vieira

O ministro da Economia afirma que o acesso aos apoios financeiros do 'lay-off' simplificado está condicionado ao compromisso de não haver despedimentos, mas reconhece que despedimento e não renovação são situações distintas. O ministro da Economia …

Empresas denunciadas por abusos nos despedimentos e violações ao código de trabalho

A CGTP recebeu denúncias a 40 empresas em que são relatadas situações de abuso e aproveitamento laboral. Milhares de trabalhadores foram afetados em todo o país, garante a líder sindical. Isabel Camarinha, classificou como "muito negro" …

NOS Primavera Sound adiado para setembro

Devido ao estado de emergência em que o país se encontra, resultado do surto de COVID-19, a nona edição do NOS Primavera Sound foi adiada e vai acontecer de 3 a 5 setembro. “Perante este cenário …

Twitter apaga publicações de Bolsonaro que defendiam fim das medidas de contenção

O Twitter bloqueou dois vídeos publicados no perfil oficial de Jair Bolsonaro sobre a visita que fez no domingo a vários pontos de Brasília, contrariando as recomendações sanitárias da Organização Mundial de Saúde (OMS) para …

País vai entrar no "mês mais crítico" da pandemia (e medidas vão ser prolongadas)

O primeiro-ministro, António Costa, avisou esta segunda-feira que Portugal "vai entrar no mês mais crítico desta pandemia" da covid-19 e por isso é necessário que se prepare para esta fase. António Costa falava aos jornalistas na …

Bancos também dão moratória no crédito automóvel

Para além da moratória no crédito à habitação decretada pelo Governo, alguns bancos estão a alargar a moratória ao crédito de consumo, como por exemplo, à prestação do carro. Face à pandemia de covid-19, o Governo …