Sem feriado e sem diálogo. Greve continua com polícias a substituir motoristas

António Cotrim / Lusa

O motorista que se encontrava em casa e foi notificado pela GNR para se apresentar ao serviço, Anibal Cartaxo

Portugal continua em crise energética com a greve dos motoristas de matérias perigosas e de mercadorias a decorrer pelo quarto dia consecutivo. Neste dia feriado, chegou a haver a expectativa de uma reunião entre grevistas e patronato, mas o braço-de-ferro mantém-se sem diálogo à vista.

O porta-voz do Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP), Pedro Pardal Henriques, desafiou a Antram (Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias) para uma reunião às 15 horas desta quinta-feira, mas a associação que reúne as empresas de transportes recusou, alegando que não negoceia enquanto durar a greve.

“Não podemos, infelizmente, reunir com a espada na cabeça, negociamos de uma forma franca e presencial, mas não sob ameaça de greve”, afiança Pedro Polónio, um dos vice-presidentes da Antram. Estas declarações foram prestadas depois de a Antram ter acordado com a Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans), afecta à CGTP, um acordo relativo ao contracto colectivo de trabalho, com a mediação do Ministério das Infraestruturas e da Habitação.

O primeiro-ministro já saudou “vivamente o acordo alcançado entre a Fectrans e a Antram”, reforçando que imperou “o bom senso e o diálogo” e sublinhando que espera que “seja um exemplo seguido por outros”.

O ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, também disse que “o tempo da greve acabou” e que as partes se devem “sentar e negociar”, frisando o desejo do Governo de que a paralisação “termine o mais depressa possível”.

Acordo feito “à revelia” dos motoristas

Todavia, o regresso às negociações não parece estar para breve. Pardal Henriques já veio dizer que o acordo entre a Antram e a Fectrans foi “assinado à revelia de tudo aquilo que os motoristas pretendiam”.

“O país está em estado de crise energética porque os motoristas têm-se revoltado e têm reclamado condições que não são aquelas que estão no acordo, e a Antram e a Fectrans resolveram celebrar um acordo contra a vontade dos motoristas“, destacou o porta-voz do SNMMP.

Pardal Henriques também realçou que os motoristas vão reunir-se para “conversar e redefinir estratégias para os próximos passos nesta batalha que está ganha“.

“O país já percebeu que existem forças muito grandes a lutar contra estas pessoas que andam há 20 anos a lutar”, destacou ainda o advogado denunciando que houve motoristas detidos.

Houve pessoas detidas. Chegaram a casa, foram detidas, colocadas dentro do veículo das autoridades por instruções de alguém, para serem apresentadas nas instalações da empresa. A pessoa pediu para não fazer aquele serviço naquele dia, porque estava há 24 horas a trabalhar com o sistema nervoso alterado, e a resposta foi ‘ou vai trabalhar ou é detido e vai ser levado para a esquadra’”, relatou Pardal Henriques conforme cita a Renascença.

A GNR já veio desmentir estas alegações, garantindo que nenhum motorista em greve está detido e que quatro trabalhadores apresentaram-se “voluntariamente” para cumprir o serviço, depois de terem sido notificados de que, não comparecerem no local de trabalho, constituía crime de desobediência.

Esquadras encerradas com polícias como motoristas

Para fazer face à greve e assegurar o abastecimento de combustível, a GNR e a PSP estão a assegurar o transporte de camiões-cisterna no âmbito da crise energética declarada pelo Governo.

A continuidade da paralisação está a deixar as forças da ordem “numa situação de limite”, como lamenta o presidente da Associação Sindical dos Profissionais de Polícia (ASPP/PSP), Paulo Rodrigues, em declarações à TSF.

“Algumas esquadras, em alguns períodos do dia, encerram por falta de efectivos“, garante Paulo Rodrigues, frisando que isto “está a acontecer na zona Sul, mas também na zona Norte”. Como exemplos dá as esquadras de Ermesinde e de Alhandra.

“O efectivo está tão reduzido, tão limitado, que qualquer evento” para lá da rotina diária “obriga a um esforço considerável“, destaca o presidente da entidade sindical.

Paulo Rodrigues nota que os agentes também têm que escoltar os motoristas que cumprem os serviços mínimos e assegurar a segurança nas zonas dos piquetes de greve, concluindo que “os polícias estão exaustos”.

“Isto é sacrificante. Trabalhar 24 horas seguidas não é propriamente algo fácil, e ainda por cima estamos a trabalhar a custo zero“, acrescenta o líder sindical, realçando que “por fazerem, durante a semana, mais de 70 horas [de trabalho], os polícias vão receber como se estivessem a trabalhar 36 horas”.

“Começa a ser muito difícil e, neste ritmo, não sei até que ponto a polícia consegue manter os níveis de resposta em matéria de segurança”, conclui Paulo Rodrigues.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Operação Marquês. Ex-secretário de Estado de Passos Coelho chamado como testemunha

O juiz de instrução da Operação Marquês, Ivo Rosa, decidiu chamar o ex-secretário de Estado das Infraestruturas, Transportes e Comunicações Silva Monteiro como testemunha, avança a SIC Notícias. Segundo apurou a estação televisiva, o ex-governante …

Apple e Goldman Sachs acusados de terem criado cartão de crédito sexista

A Apple e o Goldman Sachs estão a ser acusados de terem lançado um cartão de crédito que discrimina os utilizadores em função do género. Um dos últimos a juntar ao rol de críticas ao Apple …

Grimaldo joga consecutivamente há 68 jornadas (só é ultrapassado por um guarda-redes)

Alejandro Grimaldo está há 68 jornadas a jogar consecutivamente a titular na lateral esquerda do Benfica - são dois anos sem descanso. Os números são avançados pelo desportivo A Bola, que dá conta que o lateral-esquerdo …

"Prática comercial enganosa". NOS obrigada a retirar campanha publicitária sobre 5G

A Associação da Auto Regulação Publicitária (ARP) deu razão a uma queixa da Meo e mandou a NOS retirar uma campanha de publicidade sobre um tarifário móvel 5G por considerar que constitui "uma prática comercial …

Eleição autárquica dos EUA pode ser desempatada com moeda ao ar

Um eleição autárquica numa pequena vila no Ohio, nos Estados Unidos, pode vir a ser decidida com o lançamento de uma moeda ao ar, o famoso jogo do "cara ou coroa". De acordo com o The …

Primeiro aniversário dos Coletes Amarelos. França receia novos tumultos

O clima de tensão regressa a França, com os coletes amarelos a anunciarem a preparação de novas ações para assinalar o primeiro aniversário do início do movimento. A 17 de novembro, o movimento Coletes Amarelos assinala …

Violência leva a mais violência, alerta chefe do Governo de Hong Kong

A chefe do Governo de Hong Kong condenou a “extensa violência” que marcou o dia de greve na cidade, realçando que esta “não resolverá nada” nem fará o Governo ceder aos “apelos políticos” dos manifestantes. Carrie …

Morreu Teresa Tarouca, fadista de "Saudade, silêncio e sombra"

A fadista Teresa Tarouca morreu na madrugada desta segunda-feira, no Hospital S. Francisco Xavier, em Lisboa, aos 77 anos, vítima de pneumonia dupla, disse à agência Lusa fonte próxima da família. O corpo de Teresa Tarouca …

Uma queda da varanda. Morreu fundador dos Capacetes Brancos que Rússia acusou de ser espião

O antigo oficial do exército britânico James Le Mesurier, um dos fundadores do movimento humanitário Capacetes Brancos que tem ajudado milhares de pessoas na Síria, foi encontrado morto perto de casa. Terá caído da varanda …

Nuno foi para a Noruega treinar uma equipa de futebol e acabou como vice-presidente da Câmara de Notodden

Nuno Marques emigrou para a Noruega há 15 anos para treinar uma equipa de futebol e acabou eleito vice-presidente da Câmara de Notodden (Leste), funções que jamais aceitaria em Portugal, onde “o principal problema da …