Governo fecha acordo com técnicos de Bruxelas

O Governo obteve luz verde dos técnicos da Comissão Europeia para medidas em sete áreas, com um crescimento do PIB menor do que o previsto e um défice estrutural com menos 0,4 pontos percentuais, deixando de haver incumprimento grave.

TSF avança que nesta versão do Orçamento de Estado para 2016, que obteve o acordo técnico de Bruxelas, o Produto Interno Bruto (PIB) vai crescer apenas 1,9% em 2016, ao contrário da previsão anterior de 2,1%, devido às medidas recessivas acordadas.

O défice estrutural cai 0,4 pontos percentuais – cerca de 700 milhões de euros, o dobro do estimado pela equipa de Mário Centeno na primeira versão do esboço orçamental -, uma descida suficiente para que a Comissão Europeia deixe de falar em incumprimento grave das regras europeias.

Uma fonte próxima das negociações técnicas afirmou à TSF que foram acordadas medidas em sete áreas, incluindo um reforço nas quatro que já tinham sido anunciadas.

As negociações com Bruxelas passam agora para o plano político.

Governo carrega nos impostos sobre banca, automóveis e combustíveis

Concretamente, o Imposto sobre os Produtos Petrolíferos (ISP) deverá aumentar mais do que o previsto, o que na prática deverá implicar um aumento de 6 a 7 cêntimos por litro de combustível, anulando a baixa de preços que se tem vindo a verificar desde o início do ano.

De acordo com a TSF, no setor dos veículos e mobilidade, a equipa de Mário Centeno e os técnicos de Bruxelas acordaram ainda um aumento do imposto sobre os veículos, com um reforço da componente ambiental.

Também o imposto sobre o tabaco, cujo aumento já estava previsto no primeiro esboço do Orçamento do Estado, vai aumentar mais do que o inicialmente projetado.

Entre as alterações que afetam as famílias, haverá ainda um aumento do imposto de selo no crédito ao consumo.

No que toca à banca, esta vai ver agravada a contribuição especial sobre o setor, e as empresas vão deixar de ter isenção do IMI para os fundos imobiliários.

Há ainda um agravamento do imposto de selo sobre as transações financeiras, uma medida que afeta famílias e empresas.

Diário de Notícias nota que à esquerda não existem grandes objeções a estas mudanças, já que não se trata de medidas que incidem sobre os rendimentos do trabalho ou sobre bens essenciais.

ZAP

PARTILHAR

9 COMENTÁRIOS

  1. Pelos vistos, apesar da muita verborreia alarmista, é possível aos governos chegarem a acordos mais favoráveis com a comissão europeia desde que haja de facto vontade de negociar em interesse da nação e dos seus cidadão e que a postura dos países não seja só e apenas de subserviência canina como aconteceu nos últimos anos com Portugal, que se tornou um mero papagaio das politicas da senhora Merkel, do senhor Schauble e da troika.
    È bom ver o meu país a negociar novamente como nação independente, com politicas e ideias próprias sufragadas pela maioria dos portugueses.

  2. E a que propósito vou ter de pagar ainda mais aos que dependem do estado quando o estado me dá cada vez menos a mim? Este governo se quer dar, que dê o que tem, e que não vá aos bolsos de uns para dar a outros. A esquerda está contente, pois, mas o mesmo não se passa com muitos trabalhadores que o que mais querem do estado é que não estorve e não roube ainda mais… não vai ser desta…

  3. Mal começou o ano e o draf não está aprovado e já o crescimento desceu de 2,1 para 1,9. No final do ano conversamos sobre o crescimento pelo lado da despesa….

  4. Aumento de postos na gasolina automóveis e tabaco acho bem. Era bom que não fosse preciso mas estou disposto a pagar mais pelo combustível pra poder ser dado mais algum pra quem só possa andar de transportes públicos

    • Acha bem, então faça um donativo ao estado e não queira decidir sobre as poupanças dos outros. O que eu acho bem é que não se aumente os impostos do combustível, principalmente a pensar naqueles que só podem andar em viatura particular, muitas vezes em trabalho e, já agora, para evitar aumentos nos transportes públicos, porque ao que consta muitos deles também andam a gasolina.

  5. Terminadas as negociações com a Comissão Europeia, sobre o orçamento para 2016, orçamento este que devia ter sido apresentado pelos anteriores ocupantes do poder, até 4 de Outubro de 2015 e não pelo atual governo conclui-se que, devido à “incapacidade” dos negociadores portugueses, as medidas acordadas vão prejudicar “os mais desfavorecidos…” não obstante a bondade dos burocratas de Bruxelas.

  6. Tivemos, num passado recente, alguns estafetas a distribuir desgraças pelos portugueses da classe média baixa, reformados e classes mais pobres (afetadas indiretamente pelo facto de os seus familiares terem sido punidos pela canalha). essas desgraças emanadas dos agiotas, levaram nos últimos quatro anos, grande parte da população a subsistir num País a resvalar para a miséria, com os novos governantes, embora não perfeitos e nos primeiros meses de responsabilidades governativas, a contas com a negociação de um orçamento que devia ter sido elaborado pelos anteriores ocupantes do poder, os novos responsáveis governativos, não obstante os seus detratores, conseguiram à mesa das negociações com a Comissão Europeia e dada a tremenda “pressão” não só interna como externa chegar a um entendimento que acaba por não penalizar os mais vulneráveis mas tão só, compensar despesas necessárias com recolha de receita em áreas não de primeira necessidade: banca, tabaco, álcool, combustíveis, veículos automóveis, IMI sobre fundos imobiliários, etc. Só faltava mesmo o confisco de tudo o que foi roubado por determinados agentes políticos e responsáveis bancários. É evidente que os exploradores/corruptos/parasitas e seus clones não gostam mas vão ter que engolir. O presságio sobre as negociações, na boca desses bandalos, era muito negro agora vão ruminar, pressagiando o que há-de vir, as pessoas começam a perceber o que, efetivamentem está em causa.

RESPONDER

Subida do Salário Mínimo Nacional vai aumentar as propinas

A subida do Salário Mínimo Nacional para os 635 euros em 2020, vai ter influência em valores a pagar ou a receber, nomeadamente nas propinas mínimas do Ensino Superior público e nos tectos do Fundo …

É essencial um acordo internacional para taxar “gigantes” tecnológicos, defende Costa

O secretário-geral do PS, António Costa, considerou esta sexta-feira insustentável do ponto de vista social a situação em que classes médias e pequenas empresas suportam a maior parte do esforço fiscal e defendeu um acordo …

Lisboa entre as cidades com trânsito mais caótico do mundo

Um estudo da Mister Auto - marca líder de mercado na venda de peças para automóveis - agora divulgado revelou que Lisboa está na 74.ª posição no 'ranking' das cidades mais circuláveis. Ou seja, muito …

Parlamento rejeita reforçar subsídio de doença para doentes crónicos e oncológicos

A Assembleia da República rejeitou esta sexta-feira, na generalidade, reforçar o subsídio de doença para doentes crónicos, oncológicos ou graves. Em causa estavam dois projetos de lei de Bloco de Esquerda e PCP e um projeto …

Vacas levadas pelo furacão Dorian aparecem dois meses depois

Três vacas desapareceram de uma ilha na Carolina do Norte, em setembro, na sequência do furacão Dorian. Nas últimas semanas, foram encontradas a oito quilómetros de distância. As três vacas desaparecidas de uma ilha na Carolina …

Criptomoedas são "péssima ideia" e interferem com a política monetária

O Nobel da Economia de 2007, Eric Maskin, afirmou, em entrevista à Lusa, que as criptomoedas são uma "péssima ideia", alertou que interferem com as medidas de política monetária e partilhou que tem esperança que …

PSD aponta Rio e Pinto Balsemão para Conselho de Estado. PS indica Louçã e Carlos César

PS e PS revelaram esta sexta-feira quais os nomes que vão indicar para o Conselho de Estado. O antigo governante Francisco Pinto Balsemão, o líder do PSD, Rui Rio, e o bloquista Francisco Louçã são …

Empresário de Schumacher diz que foi proibido de visitar o antigo piloto

O antigo empresário de Michael Schumacher, Willi Weber, disse não saber qual é o estado de saúde do antigo piloto, revelando ainda que a sua mulher, Corinna Schumacher, o proibiu de o visitar por temer …

Nevões em França causam um morto e deixam 300 mil famílias sem energia

Os fortes nevões que afetam França desde quinta-feira causaram a morte a uma pessoa e cortes de energia que estão a privar de eletricidade 300 mil famílias, sobretudo no sudeste do país. Um motorista de 63 …

Remoção de algumas placas com amianto "aumenta exponencialmente a perigosidade"

O ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, confirmou que ainda há estabelecimentos de ensino com estruturas de fibras de amianto incorporado, esclarecendo que a remoção de algumas aumenta a perigosidade. O Ministério da Educação removeu "muitos milhares …