Governo vai propor 635 euros para salário mínimo em 2020. Proposta não agrada patrões

Manuel de Almeida / Lusa

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho

Ana Mendes Godinho, ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, vai apresentar esta quarta-feira na Concertação Social a proposta de aumento para o salário mínimo nacional para 2020, com uma atualização de 35 euros.

Esta quarta-feira, realiza-se a reunião de Concertação Social, na qual Ana Mendes Godinho, ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, irá apresentar a proposta de aumento para o salário mínimo nacional (SMN) para 2020.

Segundo o Jornal Económico, a ministra deverá levar aos parceiros sociais uma proposta de aumento do SMN para o próximo ano que prevê uma atualização em 35 euros para 635 euros. Está em causa mais de um quinto dos 150 euros de acréscimo salarial que o Governo pretende para o SMN nos próximos quatro anos, a fixar nos 750 euros em 2023.

De acordo com o diário económico, o aumento para 635 euros não contará com acordo dos patrões e será fixado unilateralmente.

Este valor não convence as associações patronais. Este é o valor mínimo admitido pela UGT, que propõe um aumento de 60 euros para o próximo ao, mas está disponível para um acordo e até para “recuar” na proposta da central sindical, “para um valor que seja legítimo”.

“625 euros nem pensar, mas 635 euros”, que é também o valor mínimo praticado na Função Pública, “é a nossa linha vermelha”, referiu ao Jornal de Negócios Carlos Silva. O secretário-geral da UGT sublinhou que a CIP, CCP e CAP apresentaram “expressamente” na última reunião de concertação social o valor de 625 euros como admissível.

As confederações patronais defendem que a atualização do salário mínimo deve ter em conta critérios objetivos e assentar em indicadores como a inflação, crescimento económico e produtividade, admitindo ainda um acréscimo pela componente social.

Vieira Lopes, presidente da Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP), afastou, pelo menos para já, a possibilidade de um entendimento por discordar de um aumento “por via administrativa”. ” Não vamos propor qualquer valor nem assinar acordo algum porque defendemos que o salário mínimo deve seguir uma metodologia com critérios objetivos e, se o Governo não quer ir por essa via, então que assuma as responsabilidades”, disse.

António Saraiva, presidente da CIP, disse que a evolução salarial deve ser feita com “base em critérios que têm de ser quantificados e monitorizáveis como o crescimento económico, produtividade e inflação”.

Do lado das centrais sindicais, a CGTP diz que vai esperar para saber qual a proposta para 2020 para depois se pronunciar, mas para já defende que a meta dos 750 euros “é insuficiente”, disse à Lusa o líder da intersindical, Arménio Carlos.

Questionado sobre a possibilidade de um acordo, Arménio Carlos considerou ser “prematuro” avançar com a posição da central sindical numa altura em que não se conhece o valor para 2020. “É evidente que com a meta de 750 euros o Governo foi um pouco mais à frente do que o habitual, mas consideramos que essa deve ser a base para a negociação.”

Para Arménio Carlos, “uma coisa é o objetivo do Governo, outra coisa é como se vai concretizar”. A CGTP reivindica que o salário mínimo, atualmente de 600 euros, atinja 850 euros no curto prazo e exige um aumento de 90 euros para todos os trabalhadores em 2020.

A ministra do Trabalho afirmou que, após a fixação do valor do salário mínimo nacional para 2020, os parceiros sociais vão discutir um acordo mais amplo de rendimentos e competitividade, que incluirá várias matérias.

Segundo o Negócios, as associações patronais têm a expectativa de poder negociar contrapartidas ao nível dos impostos e de concretizar a revisão do Fundo de Compensação do Trabalho.

Ana Mendes Godinho volta a sentar-se com os parceiros sociais esta quarta-feira, procurando consenso quanto à subida do salário mínimo nacional. Ainda assim, a última palavra cabe sempre ao Governo.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. 6350 euros como salário mínimo não está mal. Os governantes, politiqueiros e funcionarios publicos deviam todos ganhar o salário mínimo e nada mais que isso.

  2. Finalmente os privados vão deixar de ser portugueses de segunda, pelo menos no salário se este ficar equiparado ao da função pública, o que não me parece credível. Acho que vou continuar a ser português de segunda ou terceira categoria, tratamento igual é que não me parece vir a ter. É a vida, nasci para sofrer.

RESPONDER

A polícia holandesa achava que tinha em mãos o mafioso mais procurado da Europa. Afinal, era só um fã de F1

Um homem de Liverpool de 54 anos pensava que o grande evento da sua viagem aos Países Baixos seria assistir ao Grande Prémio de Fórmula 1, mas acabou detido numa prisão de alta segurança por …

Cobertura global de corais caiu para metade desde 1950, revela relatório

A cobertura global de recifes de coral caiu para metade desde 1950, cenário originado pelo aquecimento global, pesca excessiva, poluição e destruição de habitats naturais, revelou uma análise divulgada esta sexta-feira. Desde a Grande Barreira de …

O sonho de Christo concretizou-se, 60 anos depois. O Arco do Triunfo foi embrulhado como um presente

Já desde o início dos anos 60 que Christo imaginava como seria cobrir o Arco do Triunfo em tecido. A sua visão foi finalmente concretizada e pode ser visitada entre 18 de Setembro e 3 …

Holanda. Ministra da Defesa renuncia devido à crise de evacuação do Afeganistão

Após a ministra das Relações Externas holandesa, Sigrid Kaag, renunciar devido ao desastre da evacuação do Afeganistão, esta sexta-feira foi a vez da ministra da Defesa, Ank Bijleveld. Segundo relatou o Guardian, acredita-se que os ministros …

Tribunal da África do Sul recusa anular pena de prisão do ex-Presidente Jacob Zuma

O mais alto tribunal da África do Sul rejeitou o pedido do ex-Presidente Jacob Zuma para anular a sua sentença de 15 meses de prisão por não comparecer a uma sessão de inquérito por corrupção. Em …

EUA. Advogado planeou o próprio assassinato para o filho receber seguro. Foi detido por fraude

Um influente advogado norte-americano, cuja esposa e um dos filhos foram assassinados, foi acusado de fraude contra uma empresa de seguros e falso testemunho por organizar o seu próprio assassinato. Segundo avançou a agência France-Presse, …

Norberto Mourão conquista bronze nos Mundiais de canoagem adaptada

Norberto Mourão já tinha conquistado o bronze nos Jogos Paralímpicos de Tóquio e junta agora mais uma medalha à colecção, desta vez nos Mundiais de canoagem adaptada. O atleta de canoagem adaptada Norberto Mourão conquistou hoje …

Caso George Floyd. Polícia condenado a 22 anos de prisão pode ver a sentença revertida

A intervenção do Supremo Tribunal do Minnesota num outro caso de violência policial para reduzir a pena de um agente pode abrir um precedente para que haja alterações na sentença de Derek Chauvin. Segundo avança a …

Futebol português contra Campeonato do Mundo de dois em dois anos

O futebol português está contra a intenção da FIFA de aumentar a periodicidade do Campeonato do Mundo, passando de quatro para de dois em dois anos, refere um comunicado conjunto divulgado hoje. O documento, assinado pela …

Governo quer proibir empresas de recorrer ao 'outsourcing' após despedimento coletivo

O Governo quer proibir as empresas que façam despedimentos coletivos de recorrerem ao 'outsourcing' (contratação externa) durante os 12 meses seguintes, disse hoje a ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho. No final …