Google fez grandes donativos a dezenas de empresas que negam alterações climáticas

António Pedro Santos / Lusa

A empresa tecnológica Google realizou contribuições para algumas das mais notórias personalidades que negam as alterações climáticas, de Washington, apesar da empresa liderada por Sundar Pichai insistir que apoia as ações políticas contra a crise climática.

Na lista de doações divulgada pela própria Google, surgem nomes de organizações que realizaram campanhas contra a legislação climática e que questionaram publicamente a necessidade da criação da legislação ambiental e que procuraram reverter as proteções ambientais nos Estados Unidos que tinham sido criadas por Barack Obama, antigo presidente dos EUA.

Nessa lista aparece o Instituto de Empresas Competitivas, um dos grupos que convenceu Donald Trump a abandonar o Acordo de Paris, assinado pelo seu antecessor em 2015. A Google, apesar de admitir estar desapontada com a decisão do presidente norte-americano, continuou a apoiar financeiramente o grupo.

A empresa tecnológica defendeu-se e garantiu que a sua “colaboração” com organizações como este instituto “não significa que apoiamos toda a agenda das organizações” e que muitas vezes se opõem fortemente em relação a alguns assuntos. Um porta-voz da empresa assumiu que a posição da empresa é clara, uma vez que “desde 2007, operamos como uma companhia neutra em carbono e, pelo segundo ano consecutivo, atingimos 100% de energia renovável nas nossas operações globais”.

O jornal britânico The Guardian revela ainda que a Google apoia uma organização anti-ciência radical que criticou Greta Thunberg, que tem defendido o ambiente, afirmando que a adolescente apresentava “ilusões climáticas histéricas”.

Nos últimos anos, o Google tem desenvolvido várias iniciativas para tentar travar o impacto da crise climática global, recorda o jornal Público. Esta semana, a empresa disponibilizou uma ferramenta para as cidades europeias medirem níveis de poluição. Inclui dados sobre as emissões geradas pelos transportes públicos, edifícios e o potencial da energia solar. O objectivo é reunir dados para travar as mudanças meteorológicas.

Em agosto, a empresa também se comprometeu a usar material reciclável em todos os aparelhos com assinatura Google (“Made by Google”), como telemóveis, colunas inteligentes e acessórios.

Em setembro, centenas de membros do Google fizeram greve em protesto às alterações climáticas juntamente com milhares de outros trabalhadores de grandes empresas tecnológicas norte-americanas como a Amazon, a Microsoft e o Facebook. Na altura, o grupo de trabalhadores do Google queixou-se da política da empresa continuar a apoiar financeiramente membros do congresso norte-americano que votam contra legislação para travar o aceleramento do aquecimento global.

Não é a primeira vez que a tecnológica é alvo de atenção negativa devido ao tema. Em 2014, a empresa tinha sido criticada por apoios dados ao Conselho Legislativo de Intercâmbio Americano, uma organização que considera que o comportamento humano não tem influências no aquecimento global.

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Como não pagam os devidos impostos, claro que sobra muito dinheiro o para apoiar tudo e o seu contrário!.. o que interessa é manter certos poderes entretidos/distraidos!…

RESPONDER

Vieira ainda sonha com Jesus (e a Libertadores pode ajudar no regresso)

O presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, não desistiu de voltar a colocar Jorge Jesus no comando técnico da equipa da Luz e, caso a Taça dos Libertadores não seja realizada, o regresso do treinador …

Marta Temido garante que não há descontrolo em Lisboa (mas assume falhas)

Em entrevista à RTP, a ministra da Saúde garantiu que não há "descontrolo" na evolução da pandemia na região de Lisboa e Vale do Tejo, mas sublinhou que se trata de uma "situação de sobressalto, …

A genética ajuda a determinar o quão afetuosas são as mulheres (mas não os homens)

A genética desempenha um papel importante no nível de afetividade das mulheres, mas o mesmo não acontece entre os homens, concluiu uma nova investigação científica levada a cabo com gémeos. Na nova investigação, recentemente publicada …

Prémio para profissionais do SNS é "uma esmola". "Mais valia terem estado quietos"

Ana Rita Cavaco, bastonária da Ordem dos Enfermeiros, diz que a proposta que prevê prémios e mais férias para os profissionais de saúde é uma "afronta" para enfermeiros. Para a bastonária da Ordem dos Enfermeiros, a …

Tempo de espera para entrega de cartão de cidadão pode chegar a cinco meses

Para fazer o levantamento do cartão de cidadão é preciso fazer marcação e há balcões que só têm disponibilidade para entregar o documento no final do ano. De acordo com a edição desta quinta-feira do …

Físicos explicam por que as mudanças do campo magnético da Terra são mais fracas no Pacífico

Uma nova investigação levada a cabo por físicos da Universidade de Alberta, no Canadá, apresenta uma explicação para o facto de as mudanças no campo magnético da Terra serem mais fracas na região do Pacífico. …

Chovem diamantes no interior de Neptuno e Urano (e já se sabe porquê)

Podem estar a chover diamantes dentro dos corações de Neptuno e Urano. Agora, os cientistas descobriram novas evidências experimentais que mostram como é que isso poderia ser possível. Neptuno e Urano são os planetas mais mal …

Descobertas duas super-Terras na zona habitável de uma das estrelas mais próximas do Sistema Solar

Uma equipa internacional de cientistas encontrou duas super-Terras a orbitar uma das estrelas mais próximas do Sistema Solar. Conduzida pela Universidade de Göttingen, na Alemanha, a equipa de especialistas localizou um sistema formado por pelo …

Sporting 2-1 Gil Vicente | Leão de Plata só sabe vencer

O Sporting cumpriu na recepção ao Gil Vicente, no fecho da 29ª jornada da Liga NOS, e venceu por 2-1, num jogo que pareceu sempre controlado, mas que terminou com emoção. Os “leões” dominaram por completo …

Leões marinhos decapitados estão a dar à costa no Canadá (e ninguém sabe porquê)

Os corpos decapitados de pelo menos cinco leões-marinhos encontrados nas costas de Vancouver, no Canadá, nos últimos meses sugerem que pode haver um serial killer de mamíferos marinhos à solta. O LiveScience relata que pelo menos …