Google fez grandes donativos a dezenas de empresas que negam alterações climáticas

António Pedro Santos / Lusa

A empresa tecnológica Google realizou contribuições para algumas das mais notórias personalidades que negam as alterações climáticas, de Washington, apesar da empresa liderada por Sundar Pichai insistir que apoia as ações políticas contra a crise climática.

Na lista de doações divulgada pela própria Google, surgem nomes de organizações que realizaram campanhas contra a legislação climática e que questionaram publicamente a necessidade da criação da legislação ambiental e que procuraram reverter as proteções ambientais nos Estados Unidos que tinham sido criadas por Barack Obama, antigo presidente dos EUA.

Nessa lista aparece o Instituto de Empresas Competitivas, um dos grupos que convenceu Donald Trump a abandonar o Acordo de Paris, assinado pelo seu antecessor em 2015. A Google, apesar de admitir estar desapontada com a decisão do presidente norte-americano, continuou a apoiar financeiramente o grupo.

A empresa tecnológica defendeu-se e garantiu que a sua “colaboração” com organizações como este instituto “não significa que apoiamos toda a agenda das organizações” e que muitas vezes se opõem fortemente em relação a alguns assuntos. Um porta-voz da empresa assumiu que a posição da empresa é clara, uma vez que “desde 2007, operamos como uma companhia neutra em carbono e, pelo segundo ano consecutivo, atingimos 100% de energia renovável nas nossas operações globais”.

O jornal britânico The Guardian revela ainda que a Google apoia uma organização anti-ciência radical que criticou Greta Thunberg, que tem defendido o ambiente, afirmando que a adolescente apresentava “ilusões climáticas histéricas”.

Nos últimos anos, o Google tem desenvolvido várias iniciativas para tentar travar o impacto da crise climática global, recorda o jornal Público. Esta semana, a empresa disponibilizou uma ferramenta para as cidades europeias medirem níveis de poluição. Inclui dados sobre as emissões geradas pelos transportes públicos, edifícios e o potencial da energia solar. O objectivo é reunir dados para travar as mudanças meteorológicas.

Em agosto, a empresa também se comprometeu a usar material reciclável em todos os aparelhos com assinatura Google (“Made by Google”), como telemóveis, colunas inteligentes e acessórios.

Em setembro, centenas de membros do Google fizeram greve em protesto às alterações climáticas juntamente com milhares de outros trabalhadores de grandes empresas tecnológicas norte-americanas como a Amazon, a Microsoft e o Facebook. Na altura, o grupo de trabalhadores do Google queixou-se da política da empresa continuar a apoiar financeiramente membros do congresso norte-americano que votam contra legislação para travar o aceleramento do aquecimento global.

Não é a primeira vez que a tecnológica é alvo de atenção negativa devido ao tema. Em 2014, a empresa tinha sido criticada por apoios dados ao Conselho Legislativo de Intercâmbio Americano, uma organização que considera que o comportamento humano não tem influências no aquecimento global.

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Como não pagam os devidos impostos, claro que sobra muito dinheiro o para apoiar tudo e o seu contrário!.. o que interessa é manter certos poderes entretidos/distraidos!…

RESPONDER

Encontradas fibras de poliéster em todo o Oceano Ártico

Investigadores encontraram fibras de poliéster em todo o Oceano Ártico. As evidências sugerem que lavar as nossas roupas está a contribuir para esta contaminação. Há muito tempo que o Ártico provou ser um barómetro da saúde …

Campus universitários nos Estados Unidos podem tornar-se super-propagadores da covid-19

Os campus universitários podem tornar-se super-propagadores do novo coronavírus, que causa a covid-19, para toda a sua área de abrangência, concluiu uma nova investigação levada a cabo nos Estados Unidos. Analisando os 30 campus universitários …

A "máscara mais inteligente do mundo" é recarregável, tem microfone e dá luz

A Razer afirma ter criado a máscara mais inteligente do mundo. O Projeto Hazel é um design com um revestimento externo feito de plástico reciclado à prova de água e é transparente para permitir a …

Novo tratamento permite que pessoas com lesões na espinal medula voltem a mexer mãos e braços

Uma equipa de investigadores da Universidade de Washington conseguiu ajudar seis participantes com lesões traumáticas da espinal medual a recuperar alguma mobilidade de mãos e braços. Muitas das pessoas que sofrem lesões traumáticas da espinal medula …

Ventiladores comprados à China custaram 1,3 milhões. Autarquias algarvias vão pedir devolução do dinheiro

Os 30 ventiladores comprados à China seriam usados nos hospitais do Algarve, mas os equipamentos não funcionam. Os autarcas vão agora exigir devolução do dinheiro. De acordo com a edição do jornal Público deste domingo, o …

EUA um passo atrás da China. Pequim leva avanço na Guerra Comercial (e as suas exportações estão em alta)

No ano em que a pandemia se expandiu em todo o mundo, muitos países viram-se em mãos com graves problemas financeiros e económicos. No caso da China, a situação foi mais positiva e o país …

Alexei Navalny detido no regresso à Rússia

O líder da oposição russa, Alexei Navalny, foi detido este domingo no aeroporto em Moscovo quando regressava à Rússia. Os serviços prisionais russos (FSIN) detiveram o opositor russo Alexei Navalny, este domingo, à chegada a Moscovo, acusando-o …

Prazo para trocas ou devoluções suspenso durante confinamento

O prazo para efetuar trocas ou devoluções de bens ficará suspenso durante o atual confinamento e as garantias que terminem neste período ou nos 10 dias seguintes serão prorrogadas por 30 dias, segundo diploma publicado …

Desde 2001 que polícias negros alertam para racismo de agentes do Capitólio

Com a invasão do Capitólio, investiga-se o alegado racismo existente na Polícia do Capitólio. Desde 2001 que agentes negros denunciam casos de discriminação racial no departamento. Desde 2001, centenas de agentes policiais negros processaram o departamento …

Um megatsunami devastou uma vila na Gronelândia. Três anos depois, há quem não possa voltar a casa

Em junho de 2017, Nuugaatsiaq, na Gronelândia, foi devastada por um megatsunami, cujas ondas foram desencadeadas por um enorme deslizamento de quase 30 quilómetros através do fiorde. Embora as ondas se tivessem dissipado quando chegaram a …