Galáxias primordiais gigantes descobertas a “nadar” em vasto oceano de matéria escura

NRAO/AUI/NSF; D. Berry

Impressão de artista do par de galáxias observadas no Universo primordial.

Os astrónomos esperam que as primeiras galáxias, aquelas que se formaram apenas algumas centenas de milhões de anos após o Big Bang, partilhem muitas semelhanças com algumas das galáxias anãs que vemos no Universo próximo.

Esses primeiros aglomerados de alguns milhares de milhões de estrelas tornar-se-iam nos blocos de construção das galáxias maiores que passaram a dominar o Universo nos primeiros milhares de milhões de anos.

No entanto, observações em progresso com o ALMA, Atacama Large Millimeter / submillimeter Array, descobriram exemplos surpreendentes de galáxias massivas e repletas de estrelas vistas quando o Cosmos tinha menos de mil milhões de anos.

Isto sugere que os blocos de construção galáctica mais pequenos foram capazes de se aglomerar em galáxias maiores com bastante rapidez.

As observações ALMA mais recentes empurram esta época de formação de galáxias massivas para ainda mais cedo, identificando duas galáxias gigantes vistas quando o Universo tinha apenas 780 milhões de anos, ou cerca de 5% da sua idade atual.

O ALMA também revelou que estas galáxias invulgarmente grandes estão aninhadas dentro de uma estrutura cósmica ainda mais massiva, um halo de matéria escura com uma massa equivalente a vários biliões de sóis.

As duas galáxias estão tão próximas uma da outra – uma distância inferior à distância que separa a Terra do centro da nossa Galáxia – que em breve vão fundir-se para formar a maior galáxia já observada nesse período da história cósmica.

Esta descoberta, que foi publicada esta quarta-feira na revista Nature, fornece novos detalhes sobre a origem das galáxias grandes e o papel que a matéria escura desempenha na produção das maiores estruturas do Universo.

“Com estas incríveis observações do ALMA, os astrónomos estão a observar a galáxia mais massiva conhecida nos primeiros mil milhões de anos do Universo e no processo de formação,” afirma Dan Marrone, professor associado de astronomia na Universidade do Arizona em Tucson, EUA, autor principal do artigo científico.

Os astrónomos estão a observar estas galáxias durante um período da história cósmica conhecido como a Época da Reionização, quando a maior parte do espaço intergaláctico estava coberto por um nevoeiro obscuro de hidrogénio gasoso e frio. Desta época, também foi encontrado recentemente o quasar mais antigo e distante descoberto até agora.

À medida que mais estrelas e galáxias se formavam, a sua energia eventualmente ionizou o hidrogénio entre as galáxias, revelando o Universo com o vemos hoje.

“Nós costumamos vê-la como a época em que galáxias pequenas trabalharam arduamente para ‘mastigar’ o meio intergaláctico neutro,” comenta Marrone. “No entanto, a recolha de evidências observacionais com o ALMA ajudou a remodelar a história, e continua a empurrar o tempo em que as galáxias verdadeiramente grandes surgiram no Universo.”

As galáxias que Marrone e equipa estudaram, conhecidas coletivamente como SPT0311-58, foram originalmente identificadas como uma única fonte pelo Telescópio do Polo Sul do NSF (National Science Foundation).

Estas primeiras observações indicavam que o objeto estava muito distante e brilhava intensamente no infravermelho, o que significava que era extremamente poeirento e provavelmente passava por um surto de formação estelar. Observações subsequentes com o ALMA revelaram a distância e a natureza dupla do objeto, resolvendo claramente o par de galáxias em interação.

Para fazer esta observação, o ALMA teve a ajuda de uma lente gravitacional, que lhe forneceu um impulso de observação. As lentes gravitacionais formam-se quando um objeto massivo interveniente, como uma galáxia ou um enxame galáctico, curva a luz de galáxias ainda mais distantes.

No entanto, distorcem a aparência do objeto de estudo, exigindo modelos de computador sofisticados para reconstruir a imagem como pareceria no seu estado inalterado.

Este processo de “deconvolução” forneceu detalhes intrigantes sobre as galáxias, mostrando que a maior das duas está a formar estrelas a um ritmo de 2900 massas solares por ano. Também contém cerca de 270 mil milhões de vezes a massa do Sol em gás e quase 3 mil milhões de vezes a massa do Sol em poeira.

“É uma quantidade enorme de poeira, tendo em conta a idade jovem do sistema,” comenta Justin Spilker, formado recentemente na Universidade do Arizona e agora pós-doutorado na Universidade do Texas em Austin.

Os astrónomos determinaram que a rápida formação estelar desta galáxia foi provavelmente despoletada por um encontro próximo com a sua companheira ligeiramente mais pequena, que já contém aproximadamente 35 mil milhões de massas solares em conteúdo estelar e está aumentando a sua taxa de formação de estrelas a um ritmo vertiginoso de 540 massas solares por ano.

Os investigadores observam que as galáxias desta época são mais “desarrumadas” do que as que vemos no Universo próximo. As suas formas mais desorganizadas seriam devidas aos vastos reservatórios de gás que “chove” sobre elas e às interações e fusões contínuas com as vizinhas.

As novas observações também permitiram com que os investigadores inferissem a presença de um halo verdadeiramente massivo de matéria escura em redor de ambas as galáxias. A matéria escura fornece a atração gravitacional que faz com que o Universo colapse em estruturas (galáxias, grupos e enxames de galáxias, etc.).

“Se nós queremos ver se uma galáxia faz sentido na nossa compreensão atual da cosmologia, temos que estudar o halo de matéria escura – a estrutura de matéria escura colapsada – na qual reside,” acrescenta Chris Hayward, cientista associado ao Centro de Astrofísica Computacional do Instituto Flatiron em Nova Iorque.

“Felizmente, sabemos muito bem a relação entre a matéria escura e a matéria normal no Universo, de modo que podemos estimar a massa do halo de matéria escura.”

Através da comparação dos seus cálculos com as previsões cosmológicas atuais, os investigadores descobriram que esse halo é um dos maiores que deverá ter existido naquela altura.

“Existem mais galáxias descobertas com o Telescópio do Polo Sul que estamos a acompanhar, e existem muitos mais dados de levantamento que estamos apenas a começar a analisar”, realça Joaquin Vieira, da Universidade do Illinois em Urbana-Campaign.

“A nossa esperança é encontrar mais objetos como este, possivelmente ainda mais distantes, para melhor entender esta população de galáxias extremamente empoeiradas e, especialmente, a sua relação com a população em massa de galáxias nesta época”, acrescenta.

“Em todo o caso, a nossa próxima ronda de observações ALMA deverá ajudar-nos a entender quão rapidamente estas galáxias se juntaram e melhorar a nossa compreensão da formação de galáxias massivas durante a reionização,” conclui Marrone.

// CCVAlg

PARTILHAR

RESPONDER

"Lesmas-leopardo" acasalam da forma mais espantosamente bizarra (e ninguém sabe porquê)

As "lesmas-leopardo" têm talvez o acasalamento mais intrigante e espantoso de todo o reino animal. Os biólogos ainda não conseguiram decifrar porque razão estes moluscos acasalam desta forma. Na escuridão da noite, duas grandes "lesmas-leopardo" começam …

Naufrágio romano com 2.000 anos encontrado na Grécia. É um dos maiores do Mar Mediterrâneo

Uma equipa de cientistas da Universidade de Patras, na Grécia, descobriu os vestígios de um navio romano que naufragou há cerca de 2.000 anos perto da ilha grega de Kefalonia, avança o Greek City Times.  …

Qual é o verdadeiro significado da vida? Um novo estudo pode ajudar com a resposta

Um novo estudo aponta que encontrar significado na nossa vida é algo positivo para a nossa saúde e bem-estar mental, mas o processo de procura tem o efeito contrário. Encontrar significado na nossa vida é uma …

A crise climática vista do Espaço. Vídeo da NASA revela degelo dos glaciares no Alasca

https://vimeo.com/379314673 Um vídeo publicado recentemente pela NASA mostra o derretimento dos glaciares do Alasca visto do Espaço. Algumas imagens revelam mudanças de quase 50 anos. O nosso planeta está a caminhar a passos largos para uma situação …

Ciência explica porque é que alguns cheiros desencadeiam memórias fortes

O cheirinho de pão acabado de sair do forno pode, por exemplo, funcionar como um portal do tempo, levando-nos de volta àquele pequeno café em Paris que visitámos há alguns anos. Os cheiros têm a capacidade …

Quase 40% dos americanos com dificuldades financeiras. Doar sangue é a sua maior receita

A economia dos Estados Unidos (EUA), considerada uma das maiores do mundo, permitiu avanços sociais e tecnológicos inestimáveis. Contudo, atualmente, cerca de 40% dos norte-americanos afirmam ter dificuldade em pagar por comida, por habitação, por …

"Políticos devem ser colocados contra a parede". Greta pede desculpa

A ativista do clima Greta Thunberg pediu desculpa por ter dito que os políticos devem ser colocados “contra a parede”, após diversas pessoas terem considerado que a jovem estava a defender a violência. A sueca de …

Carnaval belga retirado da lista de Património Imaterial da UNESCO após queixas de antissemitismo

As festas da cidade de Aalst, na Bélgica, foram retirada da lista do Património Imaterial da Humanidade, depois de a UNESCO ter sancionado a presença de carros carnavalescos contendo imagens antissemitas. O presidente da Câmara …

Conselho de Ministros aprova proposta de OE2020 (e foram quase 10 horas de reunião)

O Conselho de Ministros aprovou hoje a proposta de Orçamento do Estado para 2020, dez horas depois de a reunião extraordinária ter começado, anunciou hoje o primeiro-ministro na sua página na rede social Twitter. "O Conselho …

Nova espécie de baleia mostra como este animal evoluiu para conseguir nadar

Cientistas descobriram uma nova espécie de baleia, que existiu há 35 milhões de anos, que pode dar novas pistas sobre como as baleias evoluíram para conseguir nadar. De acordo com a revista Newsweek, os investigadores analisaram …