Funcionários promovidos desde 2018 não vão recuperar tempo de serviço

António Cotrim / Lusa

Os trabalhadores das carreiras especiais – nomeadamente militares e magistrados – que tenham tido uma promoção desde janeiro de 2018 não vão recuperar qualquer tempo de serviço, dita o diploma do Governo que foi promulgado pelo Presidente da República e que entra esta terça-feira em vigor.

Esta notícia é avançada esta terça-feira pelo Jornal de Negócios. “Aos trabalhadores que, após o dia 1 de janeiro de 2018, tenham alteração do seu escalão ou posicionamento remuneratório, em resultado de promoção, não é contabilizado o período de tempo de serviço previsto no artigo anterior”, lê-se no diploma.

Além disso, o decreto-lei também confirma que ninguém recupera mais de 50% dos últimos sete anos anos de congelamento.

A versão final do decreto-lei para a recuperação do tempo de serviço é mais drástica do que as versões preliminares que chegaram às mãos dos sindicatos, há dois meses. Nestas, estava previsto que qualquer promoção diminuísse o tempo a recuperar, uma vez que só seria considerado o tempo desde essa data.

Em declarações ao Jornal de Negócios, César Nogueira, da Associação dos Profissionais da Guarda (GNR), disse considerar que todo o diploma é negativo, mas que esta norma vai ajudar a evitar “sobreposições”.

Questionado pelo jornal, o Ministério das Finanças não esclareceu quantas pessoas tiveram promoções desde o início de 2018.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. A questão do descongelamento do tempo de serviço nas carreiras da função pública nunca foi de todo pacífica, tendo a dos professores a que mais tinta tem feito correr, como se sabe. O governo tratou do problema preferindo dar a ideia de que a equidade tinha de estar em linha de conta em relação a todo o funcionalismo e, sobretudo, tentar ficar bem visto ante uma opinião pública que, à margem do problema, acaba por lhe dar razão, apoiando-se em comparações, em comparações sem sentido por não poderem ser justificadas.
    Parece ter havido e continuar a haver falta de honestidade política em todo o processo, com habilidades nem sempre toleráveis para quem acabe por ver frustradas as expectativas de ter direito aos seus direitos.
    No caso dos professores, é de lembrar a treta dos 70% a que o governo se agarrou para levar a “sua” por diante, atirando areia para os olhos da opinião pública, e de também de perguntar o que é que esses 70%, arrancados a ferros ao módulo de progressão das carreiras gerais, têm que ver com o tempo descongelado dos professores? É que se o tempo a descongelar é de 9 anos, 4 meses e 2 dias, o tempo agora efectivamente descongelado de 2 anos, 9 meses e 18 dias corresponde apenas a pouco menos de 23% do total a descongelar.
    Que contas fez e faz o governo?
    Por fim, com o diploma cá fora, verifica-se mais uma rasteira em relação a todas as carreiras. Com que então, quem estava às portas de mudar de escalão ou tenha sido “promovido” (não estou a ver em que possam ter consistido essas promoções) perde o direito ao tão propalado descongelamento. A propósito de quê, é de perguntar.
    Fica-se com a impressão que tudo não tem passado de trafulhice. Enfim, é o que temos. Mas ninguém pense que há por aí melhor.

RESPONDER

A tecnologia usada na Bitcoin também está a ser usada para encontrar o amor

Várias dating apps (aplicações de encontros) estão a recorrer ao blockchain para que os seus utilizadores possam encontrar a cara-metade de uma forma mais segura e transparente. O Tinder é provavelmente a dating app mais usada …

Elon Musk quer enviar passageiros para o Espaço já no próximo ano

O bilionário Elon Musk, também fundador da fabricante de automóveis elétricos Tesla, fez um anúncio surpreendente: quer que pôr passageiros no Espaço já em 2020. “Isto pode soar totalmente louco, mas queremos tentar entrar em órbita …

Cientistas reverteram principal sintoma da esquizofrenia em camundongos

Um medicamento que está atualmente a ser desenvolvido para tratar a leucemia reverteu (em camundongos) um sintoma de esquizofrenia anteriormente intratável: o enfraquecimento da memória de trabalho. A memória de trabalho é um processo cerebral fundamental usado …

Para as criaturas marinhas, as doenças infecciosas são a sentinela da mudança

Uma recente investigação analisou as mudanças nas doenças relatadas em espécies submarinas num período de 44 anos. A conclusão não surpreende: a saúde dos oceanos está a piorar a passos largos. A compreensão das tendências oceânicas …

Solidariedade e ambiente. Nos EUA, já é possível doar as suas peças Lego

Nunca somos demasiado velhos para brincar com peças Lego. No entanto, se estiver a ficar sem espaço para as arrumar e estiver à procura de uma forma de garantir que os seus blocos acabam em …

Eis os primeiros smartphones pensados e fabricados em África

https://vimeo.com/365789486 No Ruanda nasceram os primeiros rebentos do grupo Mara, que anunciou o lançamento dos seus dois primeiros smartphones. São os primeiros a serem totalmente fabricados em África. Estes são os dois primeiros smartphones totalmente fabricados em …

Siza Vieira recebe Grande Prémio da Academia de Belas-Artes francesa

O arquitecto Álvaro Siza Vieira recebeu o Grande Prémio de Arquitetura da Académie des Beaux-Arts, pelo conjunto do seu percurso, no valor de 35 mil euros. “É uma grande honra, porque é um prémio importante. É …

Para os jovens refugiados, um telemóvel pode ser tão importante quanto comida ou água

Entre 2015 e 2018, mais de 200.000 jovens não acompanhados reivindicaram asilo na Europa. Muitos deles, agora na União Europeia, têm uma coisa em comum: os seus smartphones. Não são apenas ferramentas para entretenimento nem uma …

Cientistas observaram pela primeira vez porcos a usar ferramentas

Uma equipa de cientistas registou pela primeira vez uma família de javalis das Visayas, num jardim zoológico em Paris, a usar paus para cavar e construir ninhos. Os porcos não gostam só de chafurdar na lama …

Transição verde: o mundo tem muito a aprender com uma pequena cidade na Islândia

Uma pequena cidade no norte da Islândia tornou-se quase neutra em dióxido de carbono (CO2). Uma equipa de cientistas viajou até ao país insular nórdico para descobrir como podemos aprender com esta cidade. Atualmente, as cidades …