Funcionários judiciais querem paralisar tribunais. Inspetores da PJ fazem ultimato

Manuel de Sousa / Wikimedia

Palácio da Justiça / Tribunal da Relação do Porto

A paralisação de cinco dias alternados começa esta terça-feira e vai até 12 de julho. Os inspetoras da PJ dizem que também fazem greve se não obterem resposta da ministra até ao fim de semana.

Esta terça-feira, os oficiais de justiça iniciam uma greve de cinco dias alternados (a 25 e 28 de junho e a 2, 4 e 12 de julho), com o objetivo de “paralisar os tribunais a 100%”. Segundo António Marçal, secretário-geral do Sindicato dos Funcionários Judiciais (SFJ), é “inadmissível a falta de respeito do Governo para com os oficiais de Justiça”.

A palavra da senhora Ministra da Justiça não está a ser honrada“, disse o sindicalista ao jornal Público.

Segundo o responsável, Francisca Van Dunem, na discussão do Orçamento de Estado para 2019, referiu a integração no vencimento do suplemento de recuperação processual dos oficiais de Justiça – um suplemento de 10% do vencimento, concedido há mais de 20 anos, e já sujeito a tributação em sede de IRS e aos descontos para a CGA, mas não é isso que o Governo pretende fazer.

Querem fazer uma divisão por 14 meses do suplemento recebido nos 11 meses e isso significa uma redução efetiva do vencimento líquido dos oficiais de Justiça, numa altura em que, por exemplo, para os Juízes e Procuradores, o Governo não só passará a pagar 14 meses, como aumentará o valor do subsídio de forma a compensar a questão da tributação”, explicou António Marçal.

O argumento do SFJ é que “os oficiais de justiça estão sujeitos a deveres especiais e trabalham muitas horas para além do horário de trabalho, sem receberem qualquer compensação e, não obstante sustentarem nos seus ombros o Sistema de Justiça, têm vindo a ser sistematicamente tratados como o seu parente pobre”.

Além deste argumento, António Marçal acrescenta que “à conta do não preenchimento de lugares, o Governo está a poupar cerca de 14 milhões de euros por ano”. Assim, o SFJ aponta o dedo ao Governo, afirmando que o Executivo está a “privatizar a Justiça e quem vai pagar é o cidadão”.

“O Governo quer entregar a privados as Execuções em que foi concedido apoio judiciário ao cidadão, saindo estas da esfera pública. O que até agora não tinha qualquer custo para o Estado passará a ser pago pelo Orçamento de Estado aos Solicitadores de Execução”, disse o secretário-geral.

Além dos funcionários judiciais, a Justiça enfrenta também o descontentamento dos inspetores da Polícia Judiciária (PJ), que fizeram um ultimato à ministra: Francisca Van Dunem tem até ao fim da semana para responder ao projeto de revisão estatutária do sindicato.

Citado pelo mesmo jornal, Ricardo Valadas, presidente da Associação Sindical dos Funcionários de Investigação Criminal (ASFIC), disse que, caso não haja resposta da tutela, será iniciada uma greve ao trabalho extraordinário (entre as 17h00 e as 09h00). Em causa ficam as megaoperações.

Os inspectores exigem uma revisão das carreiras, algo que não acontece há 20 anos. Além disso, recusam a proposta do Governo para o novo estatuto da PJ, com cortes salariais que chegam aos 400 euros.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Mas alguém vai notar alguma diferença?
    Já não estão paralisados mesmo durante todo o ano?
    Só existem penas suspensas, o criminoso volta sempre para a rua e se for criminoso de milhões nem lhe tocam, aliás até o protegem portanto qual é a diferença mesmo?
    Só se não pagarem enquanto estiverem de greve a aí sim o estado ainda ganha uns milhares pois esta gente paga-se bem para nada fazer!!!

RESPONDER

A Realidade Virtual pode ser a próxima terapia para tratar pânico, fobias e distúrbios

A Oxford VR, empresa britânica de realidade virtual, acaba de acumular mais de 13 milhões de euros para investir na terapia com a tecnologia do futuro. A companhia surgiu a partir do departamento de psiquiatria da …

Apple não deixa que vilões de filmes usem iPhones

A Apple não deixa que os vilões dos filmes de Hollywood usem os telemóveis iPhone no grande ecrã. Esta é apenas uma das empresas que não permite este tipo de coisa. Os filmes podem ter uma …

O coronavírus pode ser a "doença X" temida pelos especialistas

O coronavírus, que já matou 2.700 pessoas e infetou mais de 80 mil desde dezembro, está a tornar-se "rapidamente" no primeiro grande desafio pandémico do mundo, enquadrando-se nos moldes da "doença X" temida por especialistas. O …

Media Capital passou de lucros a prejuízos de 54,7 milhões

A Media Capital registou prejuízos de 54,7 milhões de euros no ano passado, contra lucros de 21,6 milhões de euros um ano antes, anunciou hoje a dona da TVI, que está em processo de compra …

Camas na classe económica dos aviões podem vir a tornar-se uma realidade

A companhia aérea neozelandesa Air New Zealand está a pensar incluir camas na classe económica de alguns dos seus voos mais longos. A ideia deverá avançar dentro de um ano. A companhia aérea neozelandesa Air New …

Temperatura do planeta pode estabilizar nos valores de há três milhões de anos

A temperatura no planeta pode estabilizar nos valores de há três milhões a cinco milhões de anos, caso a humanidade consiga estancar as emissões de gases com efeito de estufa até 2030, diz a especialista …

Operação Lex. Juiz Vaz das Neves arguido por corrupção e abuso de poder

O ex-presidente do Tribunal da Relação de Lisboa Vaz das Neves é arguido na Operação Lex por suspeitas de corrupção e abuso de poder relacionadas com a distribuição eletrónica de processos, disse à Lusa fonte …

Governo quer licenças de trabalho parcial pagas para pais no primeiro ano dos filhos

O Governo quer implementar licenças de trabalho parcial remuneradas para pais e mães de crianças no seu primeiro ano de vida, no âmbito do programa para a conciliação entre vida profissional e vida familiar e …

Covid-19. Portugal "tem de preparar-se para o pior" e ter plano de contingência

Ricardo Mexia, presidente da Associação Nacional de Médicos de Saúde Pública, defende que Portugal tem de se preparar para o pior e, por esta altura, já devia ser conhecido o plano de contingência em ação. "Convém …

Misteriosa mensagem esculpida numa rocha em França foi finalmente decifrada

A inscrição, gravada há 250 anos numa rocha na região francesa da Bretanha, foi finalmente decifrada graças a um concurso lançado pelo município. O mistério, que há muitos anos intrigava a comunidade científica e curiosos de …