/

Fukushima está prestes a ficar sem espaço para armazenar a sua água radioativa

A limpeza da central nuclear de Fukushima está perante um grande obstáculo. Em apenas três anos, o projeto ficará sem espaço para conter as reservas cada vez maiores de água radioativa.

De acordo com o jornal japonês Asahi Shimbun, as autoridades agora estão a esforçar-se para saber o que fazer com a acumulação de água antes que seja tarde demais.

Depois de ser atingido por um terramoto e um tsunami de 15 metros em 2011, três reatores da central nuclear de Fukushima Daiichi, no nordeste do Japão, sofreram colapsos catastróficos, no que se tornou o segundo desastre nuclear mais grave desde o evento de Chernobyl.

Embora agora seja estimado que até 96% da central elétrica possa ser acedida em segurança sem roupas de proteção, espera-se que sejam necessários mais 30 a 40 anos para descontaminar as áreas afetadas.

Como parte dessa limpeza contínua, cerca de mil tanques especializados foram construídos para armazenar as quantidades colossais de água que inundaram a partir da onda do tsunami ou foram usadas para arrefecer os reatores fundidos. Parte da água foi tratada através da remoção de césio, embora a maior parte permaneça radioativa devido à presença de trítio, um isótopo relativamente inofensivo de hidrogénio que é difícil separar da água.

Atualmente há mais de 1,15 milhão de toneladas dessa água radioativa armazenada nas instalações em 960 tanques e continua a acumular-se a uma taxa de cerca de 150 toneladas por dia, o que significa que os tanques podem atingir a sua capacidade plena até ao verão de 2022.

Autoridades japonesas e a Tokyo Electric Power Co. (TEPCO), que administra a fábrica e lidera o processo de limpeza, reuniram-se na semana passada para discutir as poucas opções em cima da mesa. O painel apresentou uma pequena quantidade de estratégias, incluindo a evaporação da água, a injeção no subsolo ou a construção de mais tanques de armazenamento a longo prazo.

Também houve a ideia de bombear gradualmente a água tratada para o Oceano Pacífico. Esta é a opção preferida pela Agência Internacional de Energia Atómica e pela Autoridade de Regulamentação Nuclear do Japão. No entanto, esta é uma escolha altamente impopular entre os moradores locais, pescadores e ambientalistas.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.