Função pública sem tolerância de ponto no Ano Novo

Mário Cruz / Lusa

O primeiro-ministro afirmou, esta quarta-feira, que o Governo não vai dar tolerância de ponto no Ano Novo este ano por ser necessário “um período de contenção” para avaliar os efeitos que poderá ter tido o aligeirar das medidas no Natal.

Em declarações aos jornalistas no final da inauguração da nova Unidade de Cuidados Intensivos nível II do Hospital Professor Doutor Fernando Fonseca (HFF), na Amadora (Lisboa), António Costa adiantou ainda que, também por esse motivo, “será seguramente prorrogado o atual estado de emergência“.

“A administração central não terá este ano tolerância de ponto. Como sabem, optámos por medidas muito restritivas na passagem de ano, já que no período de Natal felizmente pudemos aligeirar e agora precisamos de um período de contenção para avaliar os resultados”, afirmou.

António Costa considerou que só na segunda semana de janeiro será possível “avaliar o impacto que o Natal teve” no número de casos de covid-19. “Esperamos que não tenha tido o efeito nefasto que teve noutros países, estou confiante que não”, disse.

Questionado sobre o aumento do número de casos registado hoje – 6049 novos casos, o mais alto desde 5 de dezembro -, o primeiro-ministro disse que “muito provavelmente” são a compensação do menor número de testes realizados durante o período natalício.

“Os efeitos verdadeiros do Natal ainda é cedo para os termos presentes, se eles existirem seguramente chegarão entre a próxima semana e a semana seguinte, é só fazer as contas”, disse.

Por essa razão, António Costa manifestou a convicção de que o atual estado de emergência, que termina a 7 de janeiro, “será seguramente automaticamente prorrogado” para que se possam avaliar esses efeitos.

Vamos voltar a ter 15 dias de grande contenção para que tudo possa correr bem”, disse.

A agência Lusa já tinha avançado, esta manhã, que tudo indicava que este ano não haveria tolerância de ponto, uma vez que os sindicatos não tinham recebido ainda qualquer informação nesse sentido.

Para o Ano Novo o Governo decidiu aplicar medidas restritivas a todos os concelhos de Portugal continental, mais apertadas do que no Natal.

Assim, a circulação entre concelhos está proibida a partir das 00h00 de 31 de dezembro e até às 05h00 de 4 de janeiro e o recolher obrigatório no último dia do ano é as 23h00. Além disso, nos dias 1, 2 e 3 de janeiro está proibida a circulação na via pública a partir das 13h00.

No dia 31 de dezembro os restaurantes podem funcionar até às 22h30 e nos dias 1, 2 e 3 de janeiro podem funcionar até as 13h00, exceto para entregas ao domicílio.

No Ano Novo, estão também proibidas as festas públicas ou abertas ao público, bem como os ajuntamentos na via pública com mais de seis pessoas.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Casos disparam: 1350 novas infeções e seis óbitos

Nas últimas 24 horas, houve 1.350 novos casos positivos de covid-19 e morreram seis pessoas, segundo os dados do boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS). Portugal registou 1.350 novos casos e seis óbitos por covid-19 …

Parlamento vai ouvir Medina e ministro dos Negócios Estrangeiros

Fernando Medina e Augusto Santos Silva vão ser ouvidos no Parlamento sobre o caso da partilha de dados pessoais de ativistas russos. O presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, e o ministro dos Negócios …

Mudanças na lei laboral podem prejudicar a retoma, avisa Centeno

É crucial para a retoma que haja "estabilidade e previsibilidade na legislação laboral", de forma a estimular o investimento empresarial e o crescimento económico, afirmou esta quarta-feira o governador do Banco de Portugal (BdP), Mário …

Costa, Von der Leyen na Cimeira Social no Porto

Von der Leyen dá luz verde ao Plano de Recuperação e Resiliência português. E "não é por acaso"

O primeiro-ministro, António Costa, e a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, anunciaram esta quarta-feira que o Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) foi aprovado por Bruxelas.  A presidente da Comissão Europeia, Ursula von …

Kim Jong-un reconhece que país enfrenta "situação de tensão alimentar"

O líder norte-coreano, Kim Jong-un, reconheceu que o país está a enfrentar uma "situação de tensão alimentar", informaram hoje os meios de comunicação oficiais. O país, cuja economia é alvo de múltiplas sanções internacionais impostas em …

Iniciativa Liberal apoia recandidatura de Rui Moreira à Câmara do Porto

A Iniciativa Liberal vai apoiar a recandidatura de Rui Moreira à Câmara do Porto nas próximas eleições autárquicas, considerando “inquestionável a mudança e o desenvolvimento” da cidade desde que o independente assumiu a presidência do …

Comissária europeia diz que variante Delta “diminui” proteção da vacina

A comissária europeia para a Saúde disse esta terça-feira que estão a surgir provas que demonstram que a variante Delta do coronavírus SARS-CoV-2 “diminui a força do escudo protetor” criado pelas vacinas, instando à aceleração …

DGS diz que demora de conclusões sobre eventos-piloto não é por erro técnico

A Direção-Geral da Saúde (DGS) rejeitou, esta terça-feira, que tenha havido erro técnico no tratamento de dados dos eventos-piloto da Cultura, ocorridos em abril e maio, mas admitiu que o processo está demorado. Numa declaração enviada …

Governo quer fazer alterações na duração de cargos de dirigentes

As mudanças que estão a ser preparadas passam por reduzir a duração dos cargos em substituição e, por outro lado, pelo ajustamento do período das comissões do serviço em função da avaliação. Segundo o Jornal de …

Responsável pelas manifestações em Lisboa é coordenador no Gabinete de Apoio à Presidência da CML

O responsável pelas manifestações na cidade de Lisboa é coordenador técnico no Gabinete de Apoio à Presidência da Câmara liderada por Fernando Medina. De acordo com o semanário Expresso, António Santos tem sido, nos últimos …