Falta de plano e reservas face à viabilidade. Banco de Fomento chumba empréstimo à Groundforce

(dr) Groundforce

O Banco Português de Fomento (BPF) não aprovou o empréstimo de 30 milhões de euros pedido pelo Conselho de Administração da Groundforce, por não haver um plano de reestruturação da empresa e por falta de “disponibilidade financeira robusta dos acionistas”.

De acordo com um documento a que a Lusa teve acesso, o BPF informou o presidente do Conselho de Administração da SPdH/Groundforce, Alfredo Casimiro, de que o pedido de financiamento de 30 milhões de euros, pelo prazo de seis anos e carência de 18 meses “não mereceu aprovação”.

“Depois de efetuado um levantamento de esclarecimentos adicionais que entendemos necessários, nas diversas reuniões técnicas conjuntas entre a equipa do BPF, da CGD [Caixa Geral de Depósitos] e Administração da Groundforce, consideramos, conforme transmitido, existirem reservas quanto à viabilidade económica e financeira da empresa, bem como à sua capacidade de reembolsar a linha de crédito solicitada”, informou a entidade.

Para a recusa do empréstimo, o BPF argumentou com a “ausência da aprovação e implementação efetiva por parte da administração da Groundforce, de um plano de reestruturação profundo, que adeque a estrutura de custos à nova realidade de receitas, e à recuperação lenta esperada para o setor da aviação comercial”.

Adicionalmente, foi também apontada a falta de garantia da “disponibilidade financeira robusta dos acionistas para cobrirem os mais de 40M [milhões] de prejuízos previstos para 2020-2021, e desta forma estabilizarem a recapitalização do balanço da empresa em todo o horizonte temporal da operação”.

Por fim, o BPF refere ainda que as licenças emitidas pela Autoridade Nacional da Aviação Civil (ANAC) para Groundforce, operar nos aeroportos nacionais, cessam a sua validade entre 2023 e 2025, sendo que “neste último ano, 70% do financiamento ainda estará por liquidar, podendo a empresa deixar de ter condições para operar”.

Decorre deste enquadramento que a operação em epígrafe, não mereceu aprovação, no entanto, continuamos a estar totalmente ao dispor para continuar a trabalhar numa solução se enquadre no pretendido por todos os intervenientes no processo”, acrescentou o BPF, no documento que foi enviado com cópia para o ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, o ministro de Estado e das Finanças, João Leão, o secretário de Estado das Finanças, João Nuno Mendes, e o secretário de Estado do Tesouro, Miguel Cruz.

O pedido de financiamento ao BPF tem data de 20 janeiro de 2021 e a decisão agora tomada decorreu de “um levantamento de esclarecimentos adicionais” que o BPF entendeu necessários, “nas diversas reuniões técnicas conjuntas entre a equipa do BPF, da CGD e administração da Groundforce”.

A Groundforce encontra-se em situação financeira difícil, na sequência da quebra de operação nos aeroportos, face às medidas adotadas para conter a pandemia de covid-19.

A empresa de handling (assistência em aeroportos) chegou a ter os salários dos seus 2.400 em atraso, o que motivou a organização de várias manifestações em diferentes pontos do país onde a empresa opera.

Em 19 de março, depois de diversas negociações, a Groundforce e a TAP chegaram a um acordo, em que a companhia aérea adquiriu por cerca de sete milhões de euros equipamentos da empresa de handling, que passa a pagar à TAP pelo aluguer deste material.

Este acordo permitiu desbloquear provisoriamente o impasse na empresa e pagar os salários em atraso aos 2.400 trabalhadores, bem como fazer face às despesas mais prementes.

O presidente do Conselho de Administração da Groundforce, Alfredo Casimiro, ouvido em março no parlamento, disse que esta solução era um “balão de oxigénio” de dois meses, mas, se não fossem disponibilizados mais fundos, a empresa iria “definitivamente para a falência”.

A Groundforce é detida em 50,1% pela Pasogal e em 49,9% pelo grupo TAP, que, em 2020, passou a ser detido em 72,5% pelo Estado português e que é acionista minoritário e principal cliente da empresa que presta assistência nos aeroportos de Lisboa, Porto, Faro, Funchal e Porto Santo.

Lusa // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Se está a viver de empréstimos e só consegue viver de empréstimos é fechar mesmo. O pessoal que procure novos empregos que é o que todos temos que fazer quando não temos os contribuintes a pagar por nós.

RESPONDER

Violência na Colômbia preocupa comunidade internacional

Várias cidades colombianas continuam a ser palco de violentas manifestações contra o Governo do país, mas são reprimidas com força pela polícia e por militares. As manifestações começaram em forma de protesto contra uma reforma tributária …

Veterana de Bletchley Park tem um novo código da 2.ª Guerra para decifrar (mas precisa de ajuda)

Um casal que encontrou mensagens codificadas da II Guerra Mundial sob o assoalho está tentar decifrá-las com a ajuda do seu vizinho, um decifrador de códigos de Bletchley Park. John e Val Campbell encontraram um esconderijo …

"Caixas mistério" com animais de estimação geram indignação na China

Uma nova moda conhecida como "caixa mistério" ganhou popularidade na China. O método consiste em fazer uma encomenda através da internet e é enviada, pelo correio, uma caixa com um animal de estimação. Estas encomendas estão …

Arquivos da polícia do Estado Islâmico revelam como era a vida sob o califado

Arquivos da polícia do Estado Islâmico, conhecida como shurta, revelam como era a vida sob o califado. Os polícias eram tão bem pagos que não podiam ser subornados. Não é sempre que os regimes mirram …

Barco português detido por ancorar ilegalmente em águas da Malásia

Um navio mercante registado em Portugal está retido na Malásia por ter alegadamente ancorado em águas territoriais do país sem autorização, avançou esta sexta-feira a Guarda Costeira malaia. Num comunicado, Nurul Hizam Zakaria, diretor da agência …

”Eficácia e qualidade”. OMS aprova vacina chinesa da Sinopharm

A Organização Mundial da Saúde (OMS) aprovou, esta sexta-feira, o uso de emergência da vacina chinesa contra a covid-19 da Sinopharm. Trata-se da primeira vacina desenvolvida pela China a ser aprovada pela organização, lembra a agência …

Sem estado de emergência não pode haver confinamento de pessoas saudáveis

O constitucionalista Jorge Reis Novais defendeu hoje que sem estado de emergência que suspenda a garantia do artigo 27.º da Constituição não pode haver confinamento de pessoas saudáveis, até uma eventual revisão constitucional. Por outro lado, …

"Neuro-direitos". O Chile quer proteger os seus cidadãos do controlo da mente

O Chile quer tornar-se o primeiro país a proteger as pessoas do controlo da mente, à medida que a capacidade de mexer com cérebros se aproxima cada vez mais da realidade. O senador Guido Girardi está …

Emprego, formação e pobreza. Cimeira Social marca "o mais ambicioso compromisso" da UE

A Cimeira Social arrancou, nesta sexta-feira, no Porto, com a presença de 24 dos 27 chefes de Estado e de Governo da UE, num evento que pretende definir a agenda social da Europa para a …

"Uma cena da Idade Média". Refugiado encontrado morto e cercado de ratos em acampamento grego

O jovem, proveniente da Somália, foi encontrado morto dentro de uma tenda no início desta semana. No momento em que as autoridades chegaram ao local, cerca de 12 horas após a morte do rapaz, o …