FMI prevê défice de 7,1% e dívida pública de 135% em Portugal este ano

Rodrigo Gatinho / portugal.gov.pt

Vítor Gaspar, ex-ministro do Estado e das Finanças, é diretor do departamento dos Assuntos Orçamentais do FMI

O Fundo Monetário Internacional (FMI) prevê para Portugal uma dívida pública de 135% do Produto Interno Bruto (PIB) e um défice de 7,1% em 2020 devido à pandemia de covid-19.

Segundo o documento Fiscal Monitor, divulgado esta quarta-feira, a dívida pública passará dos 117,7% do PIB de 2019 para 135% em 2020 devido à pandemia de covid-19, e deverá descer para 128,5% em 2021.

Já o saldo orçamental passará de um excedente de 0,2% para um défice de 7,1% em 2020, descendo para 1,9% em 2021, acrescenta o documento produzido pelo Departamento de Assuntos Orçamentais, liderado pelo ex-ministro das Finanças Vítor Gaspar.

Para o total da zona euro, destaca o jornal Público, o FMI espera uma subida do défice público dos 0,7% do PIB registados em 2019 para 7,5% este ano.

Esta terça-feira, o FMI já tinha previsto uma recessão de 8% da economia portuguesa e uma taxa de desemprego de 13,9% em 2020, juntamente com uma deflação de 0,2% e um saldo da conta corrente positivo em 0,3% do PIB.

Para 2021 o cenário inverte-se, com a instituição liderada pela búlgara Kristalina Georgieva a apontar para uma recuperação de 5,0% do PIB, uma taxa de desemprego de 8,7%, uma inflação de 1,4% e um saldo da conta corrente a voltar para o negativo, nos 0,4% do PIB.

Numa entrevista concedida à TVI, na segunda-feira, Mário Centeno estimou um impacto nas contas públicas entre seis e sete mil milhões de euros.

No conjunto do ano, o ministro das Finanças considerou que não vamos chegar a uma queda de dois dígitos do PIB, mas, no segundo trimestre, a queda será quatro ou cinco vezes qualquer queda já vista num trimestre em Portugal.

FMI alerta para PME e dependência do turismo e serviços

“A dependência do turismo, a dependência do setor dos serviços, e pequenas e médias empresas (PME) que têm ‘almofadas’ financeiras limitadas e, por isso, podem ser mais fortemente afetadas no curto prazo”, foram os principais fatores elencados por Poul Thomsen como potencialmente problemáticos para Portugal, numa teleconferência de imprensa, em resposta a uma pergunta da Lusa.

O economista, que foi negociador do FMI no período da ‘Troika’ (Programa de Assistência Económica e Financeira do FMI, Comissão Europeia e Banco Central Europeu de 2011) em Portugal, disse que “ainda há algumas inflexibilidades no mercado de trabalho, comparando com outros países, que também podem entrar em jogo” na crise causada pela pandemia de covid-19.

“As implicações em Portugal serão, em larga medida, moldadas por alguns dos mesmos fatores que mencionei para Espanha e Itália”, referiu o economista dinamarquês, lembrando que a dependência do turismo também é um fator a ter em conta naqueles países.

Relativamente a Espanha, e tal como para Portugal, o diretor do FMI classificou de “especial vulnerabilidade” a dependência do turismo, tal como “um grande número de pequenas e médias empresas (…) que muitas vezes não têm os recursos para aguentar choques significativos”.

Na fase de recuperação, Poul Thomsen disse ser “difícil, nesta altura, dizer quem será mais impactado”, se os países do norte ou do sul da Europa. “Sabemos que algumas das economias do norte são muito dependentes de exportações, e as perspetivas vão depender muito da trajetória pós-recuperação”, referiu.

Questionado sobre se a emissão conjunta de dívida pelos países da zona euro, os chamados ‘coronabonds’ ou ‘eurobonds’, seriam a solução adequada para a crise, o responsável do FMI frisou que a instituição “não tomou uma posição sobre isso”.

“A questão tem de ser se todos os países, incluindo os com uma dívida relativamente elevada, conseguem tomar as ações necessárias sem agitar os mercados e aumentar os ‘spreads’ [margem de lucro dos investidores face às dívidas públicas dos países]”, referiu.

Nesse sentido, Poul Thomsen considerou que o pacote de 500 mil milhões de euros aprovado pelo Eurogrupo, o grupo de ministros das Finanças da zona euro, “é a resposta certa” ao problema.

“O pacote totaliza 500 mil milhões de euros, é um apoio muito forte, e os líderes [europeus] sublinharam que se a situação ficar mais difícil que o esperado (…) estão prontos para fazer mais”, referiu.

O economista disse que, tal como “no passado, os líderes europeus irão provar que farão tudo o que for necessário”.

Poul Thomsen vai retirar-se do FMI em julho deste ano.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Olha que ele é!…
    O Gaspazinho da carga brutal de impostos, o que ajudou a vender o país ao desbarato, o que não acertou uma, o que não viu nada no Banif, etc, etc e, por isso foi bem recompensando com o tacho no FMI!
    Agora manda “bitaites”, como a restante corja parasita do FMI..

RESPONDER

Consumo excessivo de álcool afeta o sistema nervoso (e aumenta a ansiedade)

Investigadores do Instituto de Investigação e Inovação em Saúde concluíram que o consumo repetitivo de álcool afeta diretamente células imunes do sistema nervoso central, que eliminam parte da comunicação entre os neurónios, e provoca o …

Afinal, os tubarões-baleia macho não são os maiores peixes dos oceanos

Um novo estudo revela que, afinal, os tubarões-baleia machos não são os maiores peixes do oceano. As fêmeas crescem continuamente muito depois de os machos pararem, atingindo tamanhos maiores - ainda que demorem mais tempo …

Exército norte-americano usou fundos de emergência covid-19 para comprar armas

O exército dos Estados Unidos utilizou fundos de emergência aprovados pelo Congresso especificamente para combater a covid-19 para comprar armas, denuncia esta semana o jornal norte-americano The Washington Post. O caso remonta a março passado, …

Carpinteiros usam técnica medieval na reconstrução de Notre Dame

A reconstrução de Notre Dame - que se prevê estar concluída no prazo de cinco anos - continua a avançar e os carpinteiros usaram técnicas medievais para erguer uma estrutura na fachada do monumento. A Catedral …

Durante um ano e meio, uma aldeia inteira perdeu a Internet todos os dias à mesma hora (e já se sabe porquê)

Durante 18 meses, os residentes de uma vila no País de Gales perderam a Internet todos os dias à mesma hora. Agora, engenheiros identificaram o motivo: uma televisão em segunda mão que emitia um sinal …

Gado na UE produz 704 milhões de toneladas de CO2 (mais do que todos os transportes juntos)

De acordo com uma nova análise da Greenpeace, animais de criação como vacas, porcos e outros, estão a emitir mais gases com efeito de estufa na Europa do que todos os transportes juntos. Na última década, …

É distraído e está sempre a perder a carteira? A Cashew Smart Wallet é para si

Uma simples carteira pode vir a melhorar os seus dias. A Cashew Smart Wallet é dotada de uma tecnologia de bluetooth que permite proteger os seus bens e ainda o ajuda caso a perca por …

Desportivo das Aves SAD desiste do Campeonato de Portugal

O Desportivo das Aves SAD vai abdicar da participação no Campeonato de Portugal (CdP), após ter falhado as negociações com o Perafita para utilizar as instalações do clube de Matosinhos. "As inscrições fechavam ontem [terça-feira] e …

Celebridades doam dinheiro para pagar dívidas a ex-presos impedidos de votar nos EUA

O bilionário Michael Bloomberg, o cantor John Legend e o basquetebolista LeBron James são algumas das celebridades que estão a doar dinheiro para pagar dívidas de ex-presidiários da Florida, impedidos de votar nas próximas eleições …

No debate sobre o Plano de Recuperação, evocou-se Sócrates e Passos

O líder do PSD questionou o primeiro-ministro se pretende "fomentar o desemprego" com o aumento do salário mínimo. O chefe do Governo manifestou-se "completamente perplexo". Na abertura do debate sobre o Plano de Recuperação e Resiliência, …