Fase do planalto continua. Portugal com mais 25 mortos e mais 183 infectados

Tiago Petinga / Lusa

Portugal regista 973 mortos por Covid-19, mais 25 do que na terça-feira, e 24.505 infetados, mais 183 do que nas últimas 24 horas, de acordo com o boletim diário da Direcção-Geral de saúde (DGS).

A taxa de letalidade por Covid-19 em Portugal é agora de 4%, subindo para os 14,1% na faixa etária acima dos 70 anos.

Os números reflectem a continuação da chamada fase de planalto, mantendo alguma estabilidade, subindo pouco.

Em termos de doentes recuperados, são agora 1470, mais 81 do que na terça-feira.

Há ainda 3825 pessoas que aguardam resultados laboratoriais e 29.568 pessoas em vigilância paras Autoridades de Saúde.

São 980 as pessoas internadas a receberem tratamento, das quais 169 estão em Cuidados Intensivos.

Na conferência de imprensa de análise dos números, o secretário de Estado da Saúde, António Sales, apontou ainda que desde 6 a 27 de Abril, foram acolhidas mais de 50 vítimas de violência doméstica nos abrigos destinados ao efeito.

Não se verificou um aumento de denúncias, até houve um decréscimo de 39% nas denúncias em relação ao mesmo mês do ano passado, segundo referiu a coordenadora do Programa Nacional de Prevenção da Violência no Ciclo de Vida, Daniela Machado. Esta responsável referiu, contudo, que as dificuldades económicas que algumas pessoas sentem, nesta altura, podem contribuir para um aumento da violência doméstica, bem como a obrigatoriedade de confinamento.

A directora-geral de Saúde, Graça Freitas, voltou a reforçar o apelo à vacinação das crianças, recomendando aos pais para estarem atentos a isso.

Graça Freitas também salientou que será preciso “monitorizar muito bem” os números após o abrandar das medidas restritivas, para averiguar se poderá ser preciso mudar, de novo, o sentido das coisas.

A directora-geral de Saúde acrescentou que as autoridades também estão atentas a uma possível segunda vaga, notando que estão a ser delineados calendários e planos de organização para preparar o Serviço Nacional de Saúde, nomeadamente para a reprogramação de cirurgias.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.