Famílias perdem casa para pagar créditos ao consumo em esquema fraudulento

Roberto Moreno Kozlowski / Flickr

Rua de São Paulo em Lisboa

Há uma rede de empresas que actua em Portugal através de um “esquema fraudulento” que leva as famílias a perderem as suas casas para pagarem dívidas de créditos ao consumo.

A situação é denunciada pelo jornal Público, que na sua edição online revela esta segunda-feira a existência de uma “rede de empresas”, algumas das quais sem morada ou registo, que actuam essencialmente através da Internet ou com anúncios em jornais ou nas caixas do correio.

Estas empresas anunciam-se como “intermediários financeiros”, apresentando-se como uma espécie de “salvador” a famílias altamente endividadas e em estado de aflição.

Normalmente com necessidade de um crédito rápido, estas famílias não avaliam devidamente a situação e assinam contratos que pensam ser hipotecas mas que são, na verdade, contratos de compra e venda de imóveis. Acabam a perder as suas casas para pagar dívidas de crédito ao consumo.

O esquema assenta em contratos “aparentemente legais”, frisa o jornal, notando que os alvos são pessoas vulneráveis, “muitas delas reformadas e com reduzidos conhecimentos da terminologia financeira e jurídica”.

Tudo começa com a empresa a referir às famílias que tem um investidor privado que se dispõe a emprestar o dinheiro de que precisam. A título de garantia de pagamento, assinam um contrato de compra e venda do imóvel pelo valor das dívidas do crédito ao consumo e que as famílias entendem ser um contrato de hipoteca.

A seguir, efectua-se um segundo contrato de arrendamento ou comodato que dá à família o direito a permanecer na sua casa e a recomprá-la, após um determinado período, mas o valor mensal a pagar é fixado, deliberadamente, acima das posses dos endividados.

A pessoa compromete-se a permanecer na casa durante um ou dois anos e assume o compromisso de recomprá-la, num determinado prazo e por um valor muito mais alto (30% ou mais).

Fica ainda estipulado que após dois a três incumprimentos, a recompra da casa tem que ser imediata ou a família perde o direito ao imóvel.

Ora, o cenário de incumprimento de pessoas que estão já altamente endividadas é certo e, por isso, o desfecho mais recorrente é que sejam forçadas a deixar as suas casas. E as que não o fazem, acabam a ser ameaçadas ou cortam-lhes a luz e a água.

O Público menciona a Rede Reúne, que rejeita a prática fraudulenta, a Multibiz, que terá a mesma morada da empresa anterior, e a Credipoupa, localizada na mesma sala desta última, como empresas alegadamente envolvidas neste esquema.

O Banco de Portugal assume ao jornal conhecer este tipo de práticas e a Procuradoria-Geral da República (PGR) aconselha as vítimas a apresentarem queixa em qualquer departamento do Ministério Público ou nos seus serviços centrais, frisando que os queixosos não precisam de contratar um advogado.

O Público nota ter “conhecimento de pelo menos um processo em tribunal, apresentado por uma vítima deste tipo de “empréstimos”, que já está em fase de julgamento”, e refere também que há queixas e pedidos de esclarecimento enviados à DECO, a Associação de Defesa dos Consumidores. A Polícia Judiciária terá também recebido algumas denúncias, segundo o jornal.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Homicídio com 32 anos resolvido com a menor amostra de ADN de sempre

Um caso de homicídio ocorrido há 32 anos, que muitos consideraram impossível de ser resolvido, foi finalmente desvendado (e tudo graças à amostra de ADN mais pequena de sempre usada para decifrar um caso). De acordo …

Braços robóticos controlados remotamente podem vir a realizar cirurgias delicadas

Um equipa de investigadores está a trabalhar para eliminar movimentos rígidos nos braços robóticos, de modo a torná-los mais ágeis. O objetivo é que no futuro estes possam empilhar pratos ou até realizar cirurgias delicadas. Os …

Alemão foi forçado a remover estátua do pai por esta se parecer com Hitler

Um alemão foi obrigado a retirar uma figura de madeira de um cemitério, que seria para homenagear o seu falecido pai, por ter semelhanças com o antigo ditador nazi. As autoridades do município de Weil im …

Podcast evita morte de um condenado (seis vezes)

Curtis Flowers foi julgado seis vezes pelo mesmo promotor de justiça. Um programa de investigação mudou o seu destino. O promotor continua a acreditar que Curtis é culpado. A própria equipa responsável pelo 60 Minutes, programa …

EUA venderam álbum único dos Wu-Tang Clan (que pertencia a Martin Shkreli)

O álbum do grupo Wu-Tang Clan, confiscado em 2018 ao antigo gestor de fundos Martin Shkreli, também conhecido como "o empresário mais odiado do mundo", foi agora vendido pelo Governo norte-americano. Num comunicado divulgado esta terça-feira, …

Bezos ofereceu 1,7 mil milhões de euros à NASA para entrar na corrida da próxima viagem à Lua

O empresário norte-americano ofereceu 1,7 mil milhões de euros à NASA numa tentativa de reacender a batalha espacial entre a sua empresa, a Blue Origin, e a do "rival" Elon Musk, a SpaceX. De acordo com …

Clientes com certificado digital válido impedidos de entrar em restaurantes

Estão a ser reportados vários casos de clientes que, ao apresentarem o certificado digital para poderem entrar num restaurante, não conseguem fazê-lo porque o documento está a ser considerado inválido pelos dispositivos eletrónicos. Segundo a rádio …

Covid-19 trouxe "paranoia" ao mercado

Diretor do Norwich City, da Premier League, acha que os responsáveis por alguns clubes não sabem bem o que estão a fazer nos últimos tempos. O Norwich City iria jogar contra o Coventry City, num encontro …

Israel cria "task force" para reverter boicote da Ben & Jerry's na Cisjordânia

Israel criou uma task force para pressionar a empresa de gelados norte-americana Ben & Jerry's e a sua proprietária, Unilever, a reverterem a decisão de boicotar a ocupação israelita na Cisjordânia. "Precisamos de aproveitar os 18 …

Violência armada. 430 mortos na última semana nos EUA e 2021 pode ser dos piores anos de sempre

Só na semana passada registaram-se cerca de 430 mortos e mais de 1000 feridos associados a tiroteios, num ano que está a ser marcado pelo aumento da violência armada nos Estados Unidos. O ano passado foi …