Oficial de Tancos diz que exoneração foi estratégia de comunicação

Paulo Cunha / Lusa

Guarita abandonada no complexo militar de Tancos

Esta quinta-feira, o coronel Ferreira Duarte revelou que o ex-chefe do Estado-Maior do Exército (CEME) lhe disse que a decisão de o exonerar, em julho de 2017, fazia parte de uma “estratégia de comunicação” para mostrar a transparência da instituição.

Numa “conversa privada” no dia 3 de julho de 2017, o general Rovisco Duarte, ex-CEME, “pediu desculpa pelo impacto que a decisão teve nas famílias” dos coronéis exonerados, explicou que foi uma “decisão dele que fez parte de uma estratégia de comunicação externa”, para garantir a transparência e o prestígio da instituição.

O coronel de Infantaria Ferreira Duarte respondia ao deputado do CDS-PP António Carlos Monteiro na comissão parlamentar de inquérito ao furto de Tancos, noticiado em 29 de junho.

O militar era à altura do furto o comandante do Regimento de Infantaria n.º 15, de Tomar, uma das unidades responsáveis por fornecer militares para a vigilância dos paióis nacionais de Tancos e foi, com outros quatro comandantes, exonerado pelo ex-CEME no dia 1 de julho e nomeado para as mesmas funções no dia 18 seguinte.

O coronel, atualmente a frequentar o curso de promoção a general, revelou o conteúdo da conversa mantida com Rovisco Duarte após o presidente da comissão de inquérito, o deputado Neto Brandão, ter explicado que devia responder à questão do deputado António Carlos Monteiro por se relacionar com matéria factual e não da reserva da vida privada.

Segundo o coronel Ferreira Duarte, o general Rovisco Duarte telefonou-lhe a comunicar a decisão antes de a anunciar na televisão, no dia 1 de julho e, no dia 3, tiveram uma conversa na qual o ex-CEME lhe explicou os motivos da decisão. “E eu compreendi”, disse, admitindo “impactos na vida familiar”, mas frisando acreditar que a decisão “foi tomada em consciência”.

O general CEME “pediu desculpa pelo impacto que a decisão teve nas famílias, o que teve… e que foi uma decisão dele que fez parte de uma estratégia de comunicação externa, que prestigiava a instituição”, referiu, para adiantar: “Por razões de clareza” e de garantias “de transparência” na “postura do Exército” enquanto decorressem os três inquéritos que mandou abrir internamente na sequência do furto.

Perante as declarações do coronel Ferreira Duarte, o deputado António Carlos Monteiro questionou se face ao furto o comando do Exército não estaria mais preocupado com a imagem do que com o furto. “Não acredito que a preocupação tenha sido a imagem. Eu entendi que a exoneração era para ajudar a mostrar que a investigação era completamente transparente”, acrescentou.

Mais à frente na audição, com várias perguntas sobre as exonerações, o coronel disse que a “exoneração não é uma punição”, sendo antes “uma figura que existe e é perfeitamente normal”.

E sobre a questão da imagem na gestão dos acontecimentos, o coronel disse que “não partilha da perceção” de que a condução do caso ao nível do comando do Exército tivesse sido feita a pensar “na imagem”.

“A imagem é importante, mas não conseguimos criar imagem se não formos credíveis, é muito importante que se acautele a credibilidade”, declarou, sublinhando acreditar que esta é também a visão dos oficiais com quem aprendeu.

Questionado sobre as demissões apresentadas por dois generais na sequência das exonerações dos cinco coronéis, o então comandante das Forças Terrestres, António Menezes, e o general Calçada, o coronel Ferreira Duarte afirmou que nunca lhes perguntou os motivos.

“São dois brilhantes generais que nós temos pena que se tenham ido embora, é a minha opinião pessoal, pela sua experiência e capacidade de comando. Mas não podemos fazer nada quanto a isso”, referiu.

Ainda na audição, o coronel Ferreira Duarte afirmou que soube do furto “pelas notícias”. O furto só foi divulgado à comunicação social um dia depois, em 29 de junho, o que levou o PS a manifestar estranheza.

O deputado socialista Diogo Leão observou que se o furto ocorreu no dia 28 seria de esperar que os comandantes das unidades responsáveis pela vigilância dos paióis fossem imediatamente avisados, no sentido de serem tomadas medidas.

O militar desvalorizou o facto de ter sabido apenas pelas notícias, manifestando-se convicto de que “quem tinha de saber, soube imediatamente”, acrescentando que a unidade de Engenharia 1 foi informada.

“Nessa altura não era eu que estava responsável pelos depósitos. A responsabilidade do regimento 15 era de março e abril e depois setembro e outubro. Tomámos conhecimento oficialmente e de seguida recebemos diretivas específicas para melhorar e aumentar o pessoal”, disse.

 

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Rover Mars 2020 vai procurar fósseis microscópicos

Cientistas do rover Mars 2020 da NASA descobriram o que poderá ser um dos melhores locais para procurar sinais de vida antiga na Cratera Jezero, onde o veículo vai pousar no dia 18 de fevereiro …

MP quer passar a ouvir todas as crianças expostas a violência doméstica

A procuradora-geral da República quer que os magistrados do Ministério Público peçam sempre ao juiz de instrução criminal que as crianças expostas a violência doméstica sejam ouvidas em tribunal para memória futura. A procuradora-geral da República, …

Greta Thunberg no Parlamento entre final do mês e início de dezembro

A ativista sueca aceitou participar numa sessão na Assembleia da República, em Lisboa, promovida pela comissão parlamentar de Ambiente, Energia e Ordenamento do Território, que se realizará entre o final deste mês e início de …

Phineas Fisher. O "hacker fantoche" que está a pagar para piratearem bancos e petrolíferas

Phineas Fisher é um hackers mais infames do mundo e procura agora renovar esse estatuto ao oferecer 100 mil dólares a quem piratear instituições capitalistas, como bancos e empresas petrolíferas. O hacker ficou conhecido após ter …

Conselho Superior da Magistratura arquiva processo disciplinar a Carlos Alexandre

O Conselho Superior da Magistratura decidiu arquivar o processo disciplinar relativo ao juiz do Tribunal de Instrução Criminal por declarações sobre o sorteio da fase de instrução do processo Operação Marquês. "O plenário de hoje do …

Jardins e complexo de estufas descobertos num dos bunker de Hitler

Um grupo de especialistas descobriu jardins e um complexo de estufas, que serviu para cultivar legumes e frutas, num dos maiores quartéis generais de Adolf Hitler durante a II Guerra Mundial, o bunker conhecido como …

Ataque a Alcochete. Advogados pedem impugnação do auto de notícia da GNR

Uma discrepância nas datas de elaboração e de assinatura do auto de notícia que relata a invasão à academia do Sporting motivou, esta terça-feira, a apresentação de um requerimento de impugnação subscrito por vários advogados. No …

Japão diz que é seguro libertar água radioativa de Fukushima no Pacífico

O Ministério da Economia, Comércio e Indústria do Japão afirmou esta segunda-feira que é seguro libertar água contaminada de Fukushima no Oceano Pacífico, de acordo com o jornal local Japan Today. A central nuclear, recorde-se, sofreu …

Dez autarcas e quatro clubes entre os 68 acusados na operação Ajuste Secreto

O Ministério Público da Feira deduziu acusação contra 68 arguidos, incluindo dez autarcas e ex-autarcas, quatro clubes desportivos e os seus respetivos presidentes, no âmbito da operação "Ajuste Secreto". Numa nota publicada no seu site oficial, …

Poluição do ar em Sydney entre as 20 piores do mundo devido aos incêndios

A poluição do ar em Sydney, a maior cidade da Austrália com mais de cinco milhões de habitantes, está hoje entre as 20 piores do mundo devido ao fumo dos incêndios no leste do país. "Sydney, …