Ex-director do Fisco acusa Núncio no caso das transferências para offshores

José Sena Goulão / Lusa

O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Paulo Núncio

O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Paulo Núncio

O antigo director-geral da Autoridade Tributária (AT), José Azevedo Pereira, garante que pediu, por três vezes, em vão, autorização ao ex-secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Paulo Núncio, para publicar os dados sobre as transferências de dinheiro para offshores. E uma das respostas terá ficado mais de um ano na gaveta.

Azevedo Pereira veio a público desmentir Paulo Núncio, depois de o ex-secretário de Estado dos Assuntos Fiscais do governo PSD-CDS ter imputado responsabilidades à AT pela não divulgação dos dados relativos às transferências bancárias para offshores, durante os anos de 2011 a 2014.

O jornal Público revelou que entre 2011 e 2014, durante os anos de governação PSD-CDS, foram transferidos para offshores cerca de 10 mil milhões de euros sem terem passado pelo crivo do Fisco.

O ex-director-geral da AT entre 2007 e 2014 garante que foram enviados três pedidos para publicação destas estatísticas a Paulo Núncio, sem que se tenha obtido qualquer resposta positiva.

Num dos casos, a resposta do ex-secretário de Estado ao pedido que terá sido feito em Novembro de 2012, só chegou em meados de Junho de 2014, avança o Diário de Notícias, que realça que demorou “exactamente um ano, sete meses e seis dias”.

Além disso, esta resposta que ficou na gaveta, terá sido remetida apenas com a indicação de “visto”, “mas não autorizou a sua divulgação, tal como lhe foi solicitado”, conforme afiança Azevedo Pereira em comunicado.

O ex-director-geral da AT explica que o “visto” não significa autorização. “O despacho de “Visto”, sem qualquer decisão associada, em linguagem corrente da administração pública, quer dizer exactamente aquilo que literalmente afirma”.

Ou seja, a mensagem é, sumariamente, “vi e tomei conhecimento daquilo que propõe, mas uma vez que não lhe estou a responder afirmativamente, não o autorizo a proceder como sugere”, explica Azevedo Pereira.

“O despacho de visto não é uma oposição à respectiva divulgação, uma vez que a AT já estava obrigada a publicar a estatística com base no despacho do meu antecessor”, tinha dito Paulo Núncio ao DN.

Mesmo equacionando, “por redução ao absurdo”, esta possibilidade de o secretário de Estado ter pretendido a publicitação dos dados e o ocorrido ter-se ficado a dever a um “mal-entendido”, Azevedo Pereira nota que “estes erros de percepção podem demorar dias, ou, na pior das hipóteses, meses a sanar”.

“Contudo, nunca demoram quatro anos a resolver – ficando inclusivamente sem solução ao longo de todo o período em causa e transitando para o executivo seguinte”, sublinha.

“Ou seja, caso tivesse sido intenção do Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais da altura, disponibilizar publicamente a informação produzida, teria tido a possibilidade de, em qualquer momento, ao longo dos quatro anos seguintes anular o suposto “erro de percepção”, mediante a emissão de uma indicação, formal ou informal, de natureza contrária àquela que na altura foi transmitida à AT”, remata.

Dados desapareceram no Fisco

Entretanto, parte da informação que os bancos enviaram ao Fisco, com os dados das transferências para offshores, “desapareceu dentro da própria administração fiscal”, apurou o jornal Público.

“Quando foram enviados para os serviços de inspecção e de estatística, alguns ficheiros não terão chegado completos“, apurou o diário, com base em fontes que não quiseram identificar-se.

Em causa estarão 20 declarações “onde foram encontradas transferências não tratadas cujo valor ascende a 9800 milhões de euros, desvio que terá sido encontrado na confrontação com as declarações originais”, sublinha o Público, notando que 12 delas respeitam a 2014.

Passos admite comissão de inquérito

O presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, admite a criação de uma comissão de inquérito para “apurar toda a verdade” neste caso das offshores, mas sublinha que antes de se falar em responsabilidade política tem de se averiguar.

Não ponho o carro à frente dos bois e não tiro conclusões precipitadas“, salienta Passos Coelho, notando que está “tão à vontade nesta matéria” que incentiva “a procura da verdade”, nomeadamente através de uma comissão de inquérito “se for necessário”.

PSD, PS, Bloco de Esquerda e PCP já solicitaram a audição urgente de Paulo Núncio e do actual Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Fernando Rocha Andrade, no Parlamento.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. O país deve-lhe muito, ou ele é que deve ao país uns milhões que deixou que fossem para os offshores?
    Erros de ofício?… Ou país não lhe pagou o salário?

RESPONDER

Nova Iorque quer oferecer vacina aos turistas. Miami vai começar a vacinar no aeroporto

Em Nova Iorque os turistas irão receber a vacina da Johnson & Johnson e em Miami a vacina da Pfizer. Com o objetivo de reativar o turismo na cidade, as autoridades de Nova Iorque querem oferecer …

Carta misteriosa escrita por passageira do Titanic está a intrigar os peritos

Uma equipa de investigadores está a tentar desvendar um mistério que envolve uma carta que terá sido escrita por uma jovem a bordo do Titanic na véspera do naufrágio. Uma família encontrou a carta numa garrafa …

Violência na Colômbia preocupa comunidade internacional

Várias cidades colombianas continuam a ser palco de violentas manifestações contra o Governo do país, mas são reprimidas com força pela polícia e por militares. As manifestações começaram em forma de protesto contra uma reforma tributária …

Veterana de Bletchley Park tem um novo código da 2.ª Guerra para decifrar (mas precisa de ajuda)

Um casal que encontrou mensagens codificadas da II Guerra Mundial sob o assoalho está tentar decifrá-las com a ajuda do seu vizinho, um decifrador de códigos de Bletchley Park. John e Val Campbell encontraram um esconderijo …

"Caixas mistério" com animais de estimação geram indignação na China

Uma nova moda conhecida como "caixa mistério" ganhou popularidade na China. O método consiste em fazer uma encomenda através da internet e é enviada, pelo correio, uma caixa com um animal de estimação. Estas encomendas estão …

Arquivos da polícia do Estado Islâmico revelam como era a vida sob o califado

Arquivos da polícia do Estado Islâmico, conhecida como shurta, revelam como era a vida sob o califado. Os polícias eram tão bem pagos que não podiam ser subornados. Não é sempre que os regimes mirram …

Barco português detido por ancorar ilegalmente em águas da Malásia

Um navio mercante registado em Portugal está retido na Malásia por ter alegadamente ancorado em águas territoriais do país sem autorização, avançou esta sexta-feira a Guarda Costeira malaia. Num comunicado, Nurul Hizam Zakaria, diretor da agência …

”Eficácia e qualidade”. OMS aprova vacina chinesa da Sinopharm

A Organização Mundial da Saúde (OMS) aprovou, esta sexta-feira, o uso de emergência da vacina chinesa contra a covid-19 da Sinopharm. Trata-se da primeira vacina desenvolvida pela China a ser aprovada pela organização, lembra a agência …

Sem estado de emergência não pode haver confinamento de pessoas saudáveis

O constitucionalista Jorge Reis Novais defendeu hoje que sem estado de emergência que suspenda a garantia do artigo 27.º da Constituição não pode haver confinamento de pessoas saudáveis, até uma eventual revisão constitucional. Por outro lado, …

"Neuro-direitos". O Chile quer proteger os seus cidadãos do controlo da mente

O Chile quer tornar-se o primeiro país a proteger as pessoas do controlo da mente, à medida que a capacidade de mexer com cérebros se aproxima cada vez mais da realidade. O senador Guido Girardi está …