Ex-director do Fisco acusa Núncio no caso das transferências para offshores

José Sena Goulão / Lusa

O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Paulo Núncio

O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Paulo Núncio

O antigo director-geral da Autoridade Tributária (AT), José Azevedo Pereira, garante que pediu, por três vezes, em vão, autorização ao ex-secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Paulo Núncio, para publicar os dados sobre as transferências de dinheiro para offshores. E uma das respostas terá ficado mais de um ano na gaveta.

Azevedo Pereira veio a público desmentir Paulo Núncio, depois de o ex-secretário de Estado dos Assuntos Fiscais do governo PSD-CDS ter imputado responsabilidades à AT pela não divulgação dos dados relativos às transferências bancárias para offshores, durante os anos de 2011 a 2014.

O jornal Público revelou que entre 2011 e 2014, durante os anos de governação PSD-CDS, foram transferidos para offshores cerca de 10 mil milhões de euros sem terem passado pelo crivo do Fisco.

O ex-director-geral da AT entre 2007 e 2014 garante que foram enviados três pedidos para publicação destas estatísticas a Paulo Núncio, sem que se tenha obtido qualquer resposta positiva.

Num dos casos, a resposta do ex-secretário de Estado ao pedido que terá sido feito em Novembro de 2012, só chegou em meados de Junho de 2014, avança o Diário de Notícias, que realça que demorou “exactamente um ano, sete meses e seis dias”.

Além disso, esta resposta que ficou na gaveta, terá sido remetida apenas com a indicação de “visto”, “mas não autorizou a sua divulgação, tal como lhe foi solicitado”, conforme afiança Azevedo Pereira em comunicado.

O ex-director-geral da AT explica que o “visto” não significa autorização. “O despacho de “Visto”, sem qualquer decisão associada, em linguagem corrente da administração pública, quer dizer exactamente aquilo que literalmente afirma”.

Ou seja, a mensagem é, sumariamente, “vi e tomei conhecimento daquilo que propõe, mas uma vez que não lhe estou a responder afirmativamente, não o autorizo a proceder como sugere”, explica Azevedo Pereira.

“O despacho de visto não é uma oposição à respectiva divulgação, uma vez que a AT já estava obrigada a publicar a estatística com base no despacho do meu antecessor”, tinha dito Paulo Núncio ao DN.

Mesmo equacionando, “por redução ao absurdo”, esta possibilidade de o secretário de Estado ter pretendido a publicitação dos dados e o ocorrido ter-se ficado a dever a um “mal-entendido”, Azevedo Pereira nota que “estes erros de percepção podem demorar dias, ou, na pior das hipóteses, meses a sanar”.

“Contudo, nunca demoram quatro anos a resolver – ficando inclusivamente sem solução ao longo de todo o período em causa e transitando para o executivo seguinte”, sublinha.

“Ou seja, caso tivesse sido intenção do Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais da altura, disponibilizar publicamente a informação produzida, teria tido a possibilidade de, em qualquer momento, ao longo dos quatro anos seguintes anular o suposto “erro de percepção”, mediante a emissão de uma indicação, formal ou informal, de natureza contrária àquela que na altura foi transmitida à AT”, remata.

Dados desapareceram no Fisco

Entretanto, parte da informação que os bancos enviaram ao Fisco, com os dados das transferências para offshores, “desapareceu dentro da própria administração fiscal”, apurou o jornal Público.

“Quando foram enviados para os serviços de inspecção e de estatística, alguns ficheiros não terão chegado completos“, apurou o diário, com base em fontes que não quiseram identificar-se.

Em causa estarão 20 declarações “onde foram encontradas transferências não tratadas cujo valor ascende a 9800 milhões de euros, desvio que terá sido encontrado na confrontação com as declarações originais”, sublinha o Público, notando que 12 delas respeitam a 2014.

Passos admite comissão de inquérito

O presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, admite a criação de uma comissão de inquérito para “apurar toda a verdade” neste caso das offshores, mas sublinha que antes de se falar em responsabilidade política tem de se averiguar.

Não ponho o carro à frente dos bois e não tiro conclusões precipitadas“, salienta Passos Coelho, notando que está “tão à vontade nesta matéria” que incentiva “a procura da verdade”, nomeadamente através de uma comissão de inquérito “se for necessário”.

PSD, PS, Bloco de Esquerda e PCP já solicitaram a audição urgente de Paulo Núncio e do actual Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Fernando Rocha Andrade, no Parlamento.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. O país deve-lhe muito, ou ele é que deve ao país uns milhões que deixou que fossem para os offshores?
    Erros de ofício?… Ou país não lhe pagou o salário?

RESPONDER

Centro Europeu de Controlo de Doenças alerta: países que retirem medidas para o Natal terão aumento de internamentos

O Centro Europeu de Controlo de Doenças estima que se os países que em outubro e novembro tomaram novas medidas para controlar a pandemia as levantassem a 21 de dezembro, os internamentos hospitalares aumentariam na …

Pensilvânia certifica vitória de Joe Biden nas eleições presidenciais

As autoridades da Pensilvânia certificaram, esta terça-feira, a vitória do democrata naquele estado nas eleições presidenciais norte-americanas. Na sua conta do Twitter, o governador local, o democrata Tom Wolf, escreveu que o Departamento de Estado da Pensilvânia …

Nos Países Baixos, há drive-ins para as crianças poderem visitar o Pai Natal em tempo de pandemia

Muito se tem falado de como será o Natal neste ano atípico. Contudo, há países que já começam a arranjar alternativas para a época festiva. Nos Países Baixos, os drive-ins estão a ser usados para …

Vereador da Educação de Lisboa ameaça autarca com “um par de murros”

O vereador da Educação da Câmara de Lisboa afirmou, num comentário no Facebook, em resposta a uma publicação de um vogal da Junta de Freguesia do Areeiro, estar disponível para lhe dar "um par de …

Papa Francisco critica negacionistas da covid-19 e fala da morte de George Floyd

O papa Francisco, num livro esta segunda-feira publicado, criticou os opositores ao uso de máscaras ou outras restrições impostas para conter a pandemia de covid-19, sublinhando que nunca se manifestariam contra a morte do afro-americano …

Fenprof reconhece abertura da tutela do Ensino Superior para negociar apesar de divergências

A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) reconheceu esta segunda-feira a abertura do Governo para negociar algumas questões do Ensino Superior, depois de uma reunião em que a tutela e a organização sindical nem sempre estiveram …

Bombeiros vão receber verba adicional de três milhões de euros

As associações humanitárias de bombeiros vão receber uma verba adicional de três milhões de euros em 2021 para fazer face aos constrangimentos financeiros devido à pandemia de covid-19, segundo uma proposta do PS hoje aprovado. Este …

Media Capital desafia ERC e elege Mário Ferreira como presidente

Os acionistas da Media Capital elegeram, esta terça-feira, o empresário Mário Ferreira presidente da dona da TVI. A assembleia-geral esteve inicialmente convocada para 28 de outubro, tendo sido suspensa, retomando hoje os trabalhos e com uma …

Estado de emergência. Maioria dos portugueses concorda com novas medidas de restrição

Uma sondagem da Intercampus para o Correio da Manhã revela que a maioria dos portugueses concorda com o regresso ao estado de emergência e com as restrições impostas pelo Governo. De acordo com o Correio da …

Taarabt é o terceiro jogador do Benfica infetado com covid-19

O internacional marroquino também testou positivo à covid-19, dois dias antes de o Benfica, que já tinha previstas oito baixas no plantel, defrontar o Rangers para a Liga Europa.  Depois de Darwin Nuñez e Julian Weigl …