Depois da Huawei, EUA pode alargar lista negra de empresas chinesas

Jim Lo Scalzo / EPA

Depois de os EUA terem colocado a gigante chinesa de telecomunicações Huawei na lista negra do país, Trump pondera agora incluir mais empresas chinesas.

A guerra comercial entre os Estados Unidos e a China agrava-se e prolonga-se. Depois de Trump ter cortado relações com a Huawei, o presidente americano pondera alargar a lista negra do país a mais empresas chinesas. A notícia foi avançada, esta quarta-feira, pela Bloomberg.

O foco de Trump está nas empresas chinesas de videovigilância, líderes mundiais de mercado, que ao integrarem a lista negra do país, ficarão impedidas de adquirir tecnologia produzida nos Estados Unidos. Em casos particulares, será necessária uma licença especial para as empresas americanas venderem-lhes produtos, explica o Jornal de Negócios.

Ao todo serão cerca de cinco empresas visadas, entre as quais a Hangzhou Hikvision Digital Technology e a Zheijang Dahua Technology. As outras três empresas não foram identificadas por nenhuma das fontes.

No entanto, esta medida não está a ser bem recebida pelos especialistas. “As relações duradouras entre as redes de fornecedores e os ecossistemas globais vão desmoronar”, disse Alex Capri, investigador da Escola de Negócios da Universidade Nacional da Singapura e ex-funcionário da alfândega dos EUA.

“Os mercados vão fragmentar-se e haverá uma dissociação da China e dos EUA em duas cadeias distintas de fornecimento de tecnologia”, acrescentou o especialista.

Para justificar a inclusão da Hangzhou Hikvision na lista negra norte-americana, Trump afastou-se das razões económicas e explicou que se prende com o papel da empresa chinesa na perseguição da minoria muçulmana Uighur na China.

Ainda no mês passado, um artigo do The Guardian, dava conta da utilização da tecnologia da empresa pelo Estado chinês. “A empresa Hikvision anunciou ferramentas que poderiam automatizar a identificação facial de Uighur baseadas em fenótipos fisiológicos”, pode ler-se no artigo.

A ameaça do uso desta tecnologia para espionagem é também uma das preocupações da administração de Donald Trump. Em resposta a estas medidas, Pequim está já a responder, obrigando empresas americanas com atividade na China a cortar planos de investimento ou a transferirem atividade para outros territórios.

ZAP //

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Os Estados Unidos sentem-se acossados pelo avanço da tecnologia chinesa e não olham a meios para travar a sua expansão no mercado global, quando na verdade estão a cortar nos próprios dedos. A postura do Trump não é mais que uma reacção de desespero, de quem há pouco tempo defendia um comércio sem interferências governamentais. Na eminência de perder o jogo, agarram-se a todo o tipo de batota, como esta: “Trump afastou-se das razões económicas e explicou que se prende com o papel da empresa chinesa na perseguição da minoria muçulmana Uighur na China”.
    Isto seria um fartote de rir…, se não fosse patético.

  2. Sobre este tema, vejam o documentário que deu na RTP1, “o mundo segundo Xi Ji Ping”.
    Depois pensem bem se querem abraçar a nova ordem mundial preconizada pelo presidente chinês.

Responder a rahul Cancelar resposta

O Ártico pode ficar sem gelo no verão de 2044

As mudanças climáticas provocadas pelo Homem estão muito perto de tornar o Ártico livre de gelo, já a partir do verão de 2044. Um artigo científico, publicado recentemente na Nature Climate Change por investigadores da Universidade …

Estamos sozinhos no Universo? Cientistas detalham que exoplanetas poderiam albergar vida

Através da modelagem climática, uma equipa de cientistas da Universidade de Northwestern, nos Estados Unidos, apontou que tipo de planetas têm maior probabilidade de serem habitáveis. A descoberta pode ajudar os astrónomos a selecionar áreas …

Viagens ao Espaço têm um novo perigo desconhecido para os astronautas

Há um perigo inerente às longas viagens espaciais dos astronautas desconhecido até aos dias de hoje. Um novo estudo aponta que os cosmonautas podem ver o seu fluxo sanguíneo revertido na parte superior do corpo. A …

Macrocilix maia, a misteriosa traça que tem moscas a comer fezes nas suas asas

Macrocilix maia é uma espécie de traça que se destaca pela forma como se camufla dos seus predadores. Nas suas asas vê-se duas moscas a comer excrementos de pássaro. A natureza nunca falha em surpreender-nos e …

Há provas que ligam misteriosa doença que paralisa crianças a vírus raro

Pela primeira vez, foram encontradas provas da associação do Enterovírus D68, um vírus raro até há algum tempo, à Mielite Flácida Aguda, uma doença semelhante à poliomielite que tem afectado centenas de crianças, provocando a …

Antigos egípcios podem ter encurralado milhões de pássaros só para os mumificar

Novas evidências de ADN sugerem que os antigos Egípcios capturavam pássaros selvagens para sacrifícios ritualísticos (e para os poderem mumificar depois). As catacumbas egípcias contêm milhares de pássaros mumificados, especificamente íbis-sagrados (Threskiornis aethiopicus), empilhados uns sobre …

Estudo mostra que sondagens tendenciosas enviesam eleições políticas

Através de experiências práticas, uma investigação recente sugere que as sondagens tendenciosas podem influenciar e enviesar as eleições políticas, até mesmo nas grandes democracias. Enquanto uma eleição se aproxima no Reino Unido e uma votação presidencial …

A Rússia criou a arma mais mortífera da história. Foi há 72 anos

Comummente conhecida por AK-47, a espingarda Kalashnikov foi responsável por milhões de mortes durante a nossa História, sendo uma das armas mais populares do mundo e a mais fabricada pela indústria de armamento. Segundo o The Conversation, …

Luxemburgo 0-2 Portugal | Campeão marca presença no Euro

Portugal venceu o Luxemburgo por 2-0 e apurou-se para a fase final do Euro2020 – a 11ª presença consecutiva da turma das “quinas” em fases finais de grandes competições. Num encontro mal jogado, em parte pelas …

Hologramas e outras tecnologias podem ajudar a combater incêndios florestais

Portugal continua a ser assombrado pela destruição sem precedentes dos incêndios florestais. Agora é a hora de aproveitar as nossas ferramentas tecnológicas e encontrar maneiras inovadoras de ajudar a aliviar o problema e também evitar …