Depois da Huawei, EUA pode alargar lista negra de empresas chinesas

Jim Lo Scalzo / EPA

Depois de os EUA terem colocado a gigante chinesa de telecomunicações Huawei na lista negra do país, Trump pondera agora incluir mais empresas chinesas.

A guerra comercial entre os Estados Unidos e a China agrava-se e prolonga-se. Depois de Trump ter cortado relações com a Huawei, o presidente americano pondera alargar a lista negra do país a mais empresas chinesas. A notícia foi avançada, esta quarta-feira, pela Bloomberg.

O foco de Trump está nas empresas chinesas de videovigilância, líderes mundiais de mercado, que ao integrarem a lista negra do país, ficarão impedidas de adquirir tecnologia produzida nos Estados Unidos. Em casos particulares, será necessária uma licença especial para as empresas americanas venderem-lhes produtos, explica o Jornal de Negócios.

Ao todo serão cerca de cinco empresas visadas, entre as quais a Hangzhou Hikvision Digital Technology e a Zheijang Dahua Technology. As outras três empresas não foram identificadas por nenhuma das fontes.

No entanto, esta medida não está a ser bem recebida pelos especialistas. “As relações duradouras entre as redes de fornecedores e os ecossistemas globais vão desmoronar”, disse Alex Capri, investigador da Escola de Negócios da Universidade Nacional da Singapura e ex-funcionário da alfândega dos EUA.

“Os mercados vão fragmentar-se e haverá uma dissociação da China e dos EUA em duas cadeias distintas de fornecimento de tecnologia”, acrescentou o especialista.

Para justificar a inclusão da Hangzhou Hikvision na lista negra norte-americana, Trump afastou-se das razões económicas e explicou que se prende com o papel da empresa chinesa na perseguição da minoria muçulmana Uighur na China.

Ainda no mês passado, um artigo do The Guardian, dava conta da utilização da tecnologia da empresa pelo Estado chinês. “A empresa Hikvision anunciou ferramentas que poderiam automatizar a identificação facial de Uighur baseadas em fenótipos fisiológicos”, pode ler-se no artigo.

A ameaça do uso desta tecnologia para espionagem é também uma das preocupações da administração de Donald Trump. Em resposta a estas medidas, Pequim está já a responder, obrigando empresas americanas com atividade na China a cortar planos de investimento ou a transferirem atividade para outros territórios.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Os Estados Unidos sentem-se acossados pelo avanço da tecnologia chinesa e não olham a meios para travar a sua expansão no mercado global, quando na verdade estão a cortar nos próprios dedos. A postura do Trump não é mais que uma reacção de desespero, de quem há pouco tempo defendia um comércio sem interferências governamentais. Na eminência de perder o jogo, agarram-se a todo o tipo de batota, como esta: “Trump afastou-se das razões económicas e explicou que se prende com o papel da empresa chinesa na perseguição da minoria muçulmana Uighur na China”.
    Isto seria um fartote de rir…, se não fosse patético.

  2. Sobre este tema, vejam o documentário que deu na RTP1, “o mundo segundo Xi Ji Ping”.
    Depois pensem bem se querem abraçar a nova ordem mundial preconizada pelo presidente chinês.

RESPONDER

Pintura de Van Gogh de Paris nunca antes vista exibida pela primeira vez

Uma pintura de Vincent Van Gogh de uma rua de Paris foi exposta pela primeira vez depois de passar mais de 100 anos "escondida" pelos seus proprietários. Uma cena de rua em Montmartre, em Paris, pertenceu …

Imagens mostram construção de instalação nuclear secreta em Israel

Está a ser construída uma instalação nuclear secreta em Israel, diz a Associated Press depois de analisar imagens de satélite. Os trabalhos estão a decorrer a poucos metros do antigo reator do Centro de Pesquisa …

Supremo confirma prisão efetiva de cinco anos e oito meses de João Rendeiro

O Supremo Tribunal de Justiça (STJ) rejeitou a nulidade do acórdão que proferiu em janeiro e confirmou, assim, a condenação do antigo presidente do BPP. Num acórdão datado da passada quarta-feira, e a que a agência …

Portugal regista mais 33 mortes e 1071 novos casos de covid-19

Portugal registou, este sábado, mais 33 mortes e 1071 novos casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o último boletim da DGS, dos 1071 novos …

Ana Gomes revela que Europol está pronta para investigar o Chega

A Europol está disponível para "ajudar as autoridades portuguesas" a investigar eventuais ligações do Chega de André Ventura a "actividades criminais internacionais". É Ana Gomes quem o revela depois de ter enviado uma participação ao …

João Almeida termina Volta aos Emirados no pódio, o seu primeiro numa prova do World Tour

O ciclista português, da equipa Deceuninck-QuickStep, assegurou, este sábado, o primeiro pódio numa prova do World Tour, ao ser terceiro na Volta aos Emirados Árabes Unidos, após a sétima e última etapa. João Almeida concluiu a prova …

Alemanha vai autorizar vacina da AstraZeneca a maiores de 65 anos

A Comissão Permanente para a Vacinação na Alemanha vai alterar a recomendação que limitava o uso da vacina da farmacêutica AstraZeneca para maiores de 65 anos. O anúncio foi feito, este sábado, por Thomas Mertens, chefe da …

Éter, Teia e Tutti-Frutti. PS e PSD decidem "os bons e os maus" entre uma centena de autarcas suspeitos

PS e PSD estão na recta final da escolha dos candidatos às próximas eleições autárquicas e os dois partidos coincidem na forma como estão a avaliar os potenciais candidatos que estão envolvidos em processos judiciais. …

"Lei Khashoggi". Estados Unidos restringem vistos a 76 cidadãos sauditas

Os Estados Unidos anunciaram a restrição à atribuição de vistos a 76 cidadãos da Arábia Saudita acusados de "ameaçar dissidentes no estrangeiro", nomeadamente o jornalista saudita assassinado, em outubro de 2018, na Turquia. Segundo o secretário …

OMS quer isenção de direitos de propriedade intelectual para vacinas

A Organização Mundial da Saúde (OMS) reclamou, esta sexta-feira, o uso de "todas as ferramentas" para aumentar a produção de vacinas contra a covid-19, incluindo a transferência de tecnologia e a isenção de direitos de …