Emergência nacional. Trump aperta cerco à Huawei

Jim Lo Scalzo / EPA

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump

Donald Trump assinou esta quarta-feira um decreto que impede as empresas norte-americanas de utilizarem equipamentos de telecomunicações produzidos por empresas estrangeiras que coloquem em risco a segurança nacional, uma medida que parece visar a chinesa Huawei.

O Presidente norte-americano declarou “emergência nacional” para firmar o decreto que atinge em particular a gigante chinesa das telecomunicações Huawei. O documento decorre do Emergency Economic Powers Act, uma lei que confere a a Donald Trump autoridade para regular o comércio quando estão em causa ameaças à segurança nacional.

De acordo com a Casa Branca, esta decisão tem como objetivo proteger os Estados Unidos “dos adversários estrangeiros que exploram cada vez mais as vulnerabilidades da infraestrutura, dos serviços de tecnologia da informação e das comunicações” no país.

O decreto presidencial visa também responder a “atos criminosos favorecidos pela Internet, incluindo espionagem económica e industrial contra os Estados Unidos e a sua população”.

Apesar de o documento assinado não nomear especificamente nenhum país ou empresa, as autoridades norte-americanas têm-se referido à chinesa Huawei como uma “ameaça” e têm apelado ativamente aos aliados para que não usem o equipamento desta empresa.

Perante a possibilidade de um decreto neste sentido, as autoridades chinesas já tinham denunciado o abuso de poder por parte de Washington para eliminar as empresas chinesas da livre concorrência. “Há algum tempo os EUA abusam do seu poder para desacreditar deliberadamente as companhias chinesas e fazê-las retroceder a todo custo, o que não é justo ou respeitável”, disse Geng Shuang, um porta-voz da diplomacia chinesa.

O responsável acusou Washington de recorrer ao “pretexto da segurança nacional” para evitar que as companhias chinesas ganhem mercado nos Estados Unidos.

No início do ano, a Justiça norte-americana acusou formalmente a Huawei de 23 crimes, incluindo fraude bancária, obstrução à justiça, conspiração contra os Estados Unidos, violação das sanções contra o Irão e roubo de propriedade industrial.

A gigante chinesa tornou-se, nos últimos anos, líder na tecnologia de redes 5G e vários Governos, como o alemão, não seguiram as orientações norte-americanas e afirmam que não dispensarão os serviços e o know-how da empresa chinesa, adianta o Público.

Donald Trump tem criticado precisamente a Alemanha pela sua política comercial, quer em relação à China, na área tecnológica, quer relativamente à Rússia, no setor energético.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Democracia, lei, livre concorrência; o que é isso?!
    O Trump pensa que está em sua casa e faz o que lhe apetece… havia de ser bonito se fizessem o mesmo às empresas americanas pelo mundo fora!…

RESPONDER

Grande Crise do Ketchup. A pandemia atacou um mercado improvável (e já há um mercado negro para o molho)

Os problemas da cadeia de suprimentos estão a chegar a um canto distante do universo empresarial: os pacotes de ketchup. O ketchup é o molho de mesa mais consumido nos restaurantes dos Estados Unidos, com cerca …

Autoridades brasileiras ilibam João Loureiro

João Loureiro já não é suspeito no processo que envolve a apreensão de um avião com 500 quilos de cocaína, segundo as autoridades brasileiras. As autoridades brasileiras descartaram, este sábado, qualquer ligação do advogado português João …

No Canadá, há dois rios que se encontram (mas não se misturam)

Em Nunavut, no Canadá, há dois rios que se encontram, mas não perdem a sua aparência individual enquanto se movem sinuosamente pela tundra. O Back River flui para o norte em direção ao Oceano Ártico. Ao …

Russos acusados de explosão na República Checa são suspeitos de envenenar Skripal

Os dois suspeitos russos, envolvidos na explosão que matou duas pessoas em 2014 na República Checa, têm os mesmos passaportes que os dois homens acusados de envenenar, com o agente nervoso novichok, o espião Sergei …

Numa cidade na Nova Zelândia, a Páscoa resume-se a exterminar coelhos

Em Alexandra, na região de Otago, os coelhos são considerados pragas, uma espécie que ameaça a biodiversidade do país e a agricultura. Elle Hunt, correspondente do The Guardian em Auckland, na Nova Zelândia, escreveu um artigo …

Reavaliação de barragens da EDP ficou por fazer, depois de Governo ter recuado na decisão

No início do ano passado, o ministério do Ambiente considerou ser necessário reavaliar as barragens da EDP, mas a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) e a Parpública disseram não ter competências para fazer a avaliação …

Portugal bateu recorde de vacinação no sábado. Foram administradas 120 mil vacinas

Este sábado, Portugal registou um recorde diário de pessoas vacinadas contra a covid-19. No total, foram administradas 120 mil doses da vacina. De acordo com os números avançados pela task force responsável pelo plano de vacinação, …

Os milionários estão a fugir de Nova Iorque

A cidade de Nova Iorque está a preparar-se para enfrentar para um êxodo dos seus residentes mais ricos após as autoridades terem aprovado um orçamento que fará com que paguem a maior taxa de impostos …

Costa recusa responder a Sócrates. Carlos César reafirma "tristeza" e "raiva"

O primeiro-ministro António Costa recusou responder às críticas feitas por José Sócrates. Carlos César, presidente do PS, reafirma o que disse em 2018. Este sábado, António Costa recusou responder às críticas feitas por José Sócrates e …

Cientistas sugerem que os gorilas não batem no peito apenas para se exibir

Os cientistas sugerem que o ato de bater no peito permite aos gorilas machos sinalizar o seu tamanho e assim evitar brigas desnecessárias. De acordo com o jornal The Guardian, cientistas que estudam gorilas-das-montanhas (Gorilla beringei …