“Estamos muito longe dos números” do tempo do estado de emergência

Mário Cruz / Lusa

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa

Marcelo Rebelo de Sousa disse, esta segunda-feira, que a sua posição, contrária a um regresso ao estado de emergência, “não se altera”.

O Presidente da República considerou, esta segunda-feira, que a situação da covid-19 em Portugal está “muito longe” dos números do tempo do estado de emergência e recusou comentar um eventual recuo no desconfinamento na região de Lisboa.

À saída de uma exposição no Museu Nacional de Arte Contemporânea, no Chiado, em Lisboa, questionado se, face à evolução da covid-19, sobretudo na região de Lisboa, equaciona um regresso ao estado de emergência, Marcelo Rebelo de Sousa referiu que “cabe ao Governo fazer a avaliação” da situação, mas defendeu que “não é essa a questão”, relativizando os números dos últimos dias.

O chefe de Estado disse que se verifica “um número elevado de casos” de infeção, “mais elevado nuns dias, acima de mil, mais acima ou menos acima, noutros dias abaixo de mil”, mas com “um número de mortes estável, baixo, sem comparação com o que se passava nem há meses nem há um ano”.

“Estamos a ter um número de cuidados intensivos que neste momento está estabilizado: estava em 97, portanto, bastante aquém daquele limite de que se falou na altura, e que apontava para 200 ou 245. Estamos a ter um número de internados que está nos 400 e tal: o número que se chama linha vermelha estava entre 1250 e 1500”, apontou.

Segundo o Presidente da República, “portanto, não é essa a questão – a questão é: o Governo em função dos critérios que são adotados virá dizer concelho a concelho aquilo que acontece”.

Marcelo Rebelo de Sousa acrescentou que a sua posição, contrária a um regresso ao estado de emergência, “não se altera” e que os números que apontou como balizas quando esse quadro legal estava em vigor “são os que valem hoje”.

Interrogado sobre o que fará se o Governo propuser que se recorra de novo ao estado de emergência, o chefe de Estado respondeu: “Eu tive ocasião de dizer que estamos quanto a estado de emergência muito longe dos números de que eu falava na altura em que renovei o estado de emergência”.

“Já tive ocasião de dizer qual era a minha posição sobre o estado de emergência“, frisou o Presidente da República, quando confrontado com a possibilidade de Portugal “voltar a confinar”.

O chefe de Estado argumentou que atualmente o número de novos casos de infeção com o novo coronavírus “não tem consequências na mortalidade, ao contrário do que se passava quando o número era não só mais elevado como tão elevado como agora” e também “não tem consequências no sentido de estrangulamento do Serviço Nacional de Saúde (SNS)”.

O estado de emergência vigorou entre março e maio do ano passado, para permitir medidas de contenção da covid-19 restritivas de direitos e liberdades fundamentais, e após um intervalo de seis meses foi decretado novamente em novembro, até ao fim de abril deste ano.

Marcelo colocou-se de fora do debate sobre a legalidade das medidas restritivas aplicadas sem este quadro legal, com a justificação de que “a questão está em tribunal e, portanto, são os tribunais que decidem“, e de que, por princípio, não se pronuncia sobre “processos pendentes em tribunais”.

Quanto às medidas a adotar na Área Metropolitana de Lisboa, remeteu essa matéria para o Governo e declarou que “vai ser decidida dentro de dias” e que “o senhor primeiro-ministro, como tem feito sempre, informa o Presidente da República antes de ser tomada a decisão”.

Questionado se não deviam já ter sido adotadas medidas adicionais nesta região, o chefe de Estado contrapôs que “o Governo tem acompanhado a situação e decidido em conformidade”.

O Presidente da República recusou comentar um eventual recuo no processo de desconfinamento na região de Lisboa, alegando não querer “estar a cenarizar o que vai acontecer, em que termos vai acontecer”.

Os regimes são definidos caso a caso para circunstâncias concretas. Portanto, olhando para os regimes, temos de esperar pela avaliação que quem pode fazer é o Governo, e a solução que encontrará”, acrescentou.

As declarações de Marcelo surgem no mesmo dia em que a ministra da Saúde, Marta Temido, admitiu novas medidas de contenção da pandemia e um eventual travão no processo de desconfinamento.

“Sempre dissemos que as linhas dos nossos mapas de referência são indicadores que nos levam a travar ou acelerar e a tomar medidas em função daquilo que é a situação. Sabemos que estamos com um risco efetivo de transmissão elevado (1,19) e com um número de novos casos por dia que é também elevado”, afirmou a governante.

// Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Fósseis misteriosos podem ser uma das provas mais antigas de vida animal na Terra

Elizabeth Turner, cientista numa universidade do Canadá, poderá ter encontrado a prova mais antiga de vida animal na Terra. Uma cientista encontrou possíveis sinais de vida animal multicelular em restos de recifes microbianos de há 890 …

E se o mundo entrasse em colapso? Cientistas descobrem qual o país onde há maior probabilidade de sobreviver

Caso a civilização entre em colapso - uma possível consequência das alterações climáticas - os cientistas já descobriram qual o lugar do mundo onde há maior probabilidade de sobreviver: é na Nova Zelândia. Numa pesquisa, dois …

"Dança quem está na roda", responde Marcelo sobre ausência de Bolsonaro

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse este sábado que "dança quem está na roda" quando questionado pelos jornalistas sobre a ausência do homólogo brasileiro, Jair Bolsonaro, da cerimónia de reinauguração do Museu …

Todos os anos, esta cidade italiana entrega sal ao Papa em mãos

O Sal de Cervia, também conhecido como "sal do Papa", é-lhe entregue todos os anos em mãos. A tradição sofreu algumas interrupções até ter sido recuperada pelo Bispo Mario Marini, que serviu no Pontificado de …

A colisão secreta entre navios soviéticos e britânicos podia ter tido um desfecho drástico

Colisão aconteceu durante um dos períodos mais quentes da Guerra Fria e foi camuflado pela marinha britânica, que tratou de fazer regressar a sua embarcação à base de Devonport durante a noite para evitar dar …

Esta garrafa de tequila demorou seis anos para ser desenvolvida (e contém ouro)

A Clase Azul Spirits é uma empresa que comercializa tequila e está a preparar uma edição limitada para homenagear o legado artesanal do México - de onde a bebida é originária. A 2 de agosto, a …

Covid-19. Milhares de franceses protestam contra passe sanitário

Milhares de pessoas concentraram-se este sábado em Paris para protestar contra o passe sanitário — certificado de vacinação contra a covid-19 que passa a ser obrigatório para entrar em vários locais —, tendo a polícia …

"Toque de Midas" científico. Químicos transformam água purificada em metal dourado

Esta nova descoberta ajuda a entender o estado de transição da água e pode vir a ser importante no estudo de planetas como Neptuno ou Urano. Numa experiência alucinante, cientistas conseguiram transformar água purificada num metal …

Dispositivo movido a energia solar vai transformar água salgada em potável no Quénia

Transformar água do mar em água potável é um processo muito caro e poluente, mas o Climate Fund Manager e a Solar Water Solutions querem mudar isso. A nova solução revolucionária tem uma pegada de …

EUA impõem sanções contra a Polícia cubana pela “repressão” dos protestos

Os Estados Unidos impuseram novas sanções à Polícia Nacional Revolucionária cubana e a dois altos funcionários da instituição, com o Presidente Joe Biden a admitir mais medidas caso não exista uma mudança “drástica” em Cuba. Questionado …