Presidente da Altice: Estado comprou o SIRESP para que este não entrasse em colapso

André Kosters / Lusa

Alexandre Fonseca, CEO da Altice Portugal

O presidente da Altice Portugal, Alexandre Fonseca, afirmou na terça-feira que o SIRESP – Sistema Integrado de Redes de Emergência e Segurança de Portugal “sempre cumpriu com todos os níveis de serviços contratados”.

Num encontro com jornalistas, Alexandre Fonseca, presidente da Altice Portugal, afirmou, citado pelo Expresso, que “a compra dos SIRESP foi o mecanismo que o Governo encontrou para garantir que este não entraria em default (colapso). E foi a forma de pagar a redundância da rede”.

Depois dos incêndios de 2017, o SIRESP investiu cerca de 12 milhões de euros em antenas satélite, que passariam a funcionar como uma rede redundante e, para Alexandre Fonseca, foi de certa forma para pagar este investimento adicional que o negócio se fez.

Em junho, o Conselho de Ministros aprovou a compra das participações da Altice e da Motorola no SIRESP por sete milhões de euros, um negócio que tem gerado muita controvérsia e que foi questionado pelos partidos da oposição.

O presidente da Altice Portugal assegura, porém, que o SIRESP “cumpriu sempre com todos os níveis de serviços contratados” com o Estado português em 2006. O gestor garantiu ainda que a rede não teve uma única falha face ao contratado durante os trágicos incêndios de 2017.

“Desde 2006 até hoje, o SIRESP SA honrou sempre os seus compromissos“, disse, explicando que o problema foi terem sido retirados ao longo do tempo serviços que era suposto existirem, e que não havia redundância de rede, ou seja, se as plataformas de telecomunicações fossem consumidas pelos incêndios, não haveria uma rede alternativa para a substituir. Nas entrelinhas, admitiu que estas decisões partiram do Ministério da Administração Interna (MAI).

Segundo o responsável, a Altice já tinha avisado sobre a necessidade de haver redundância da rede, desde que comprou a antiga PT, em junho de 2015. “Já se sabia que a rede não estava à altura, porque foram sendo retirados serviços previstos inicialmente no contrato, como por exemplo a redundância.”

Alexandre Fonseca contou ainda que o Conselho Geral de Utilizadores do SIRESP – onde estão instituições como a Autoridade Nacional da Proteção Civil, os bombeiros ou a GNR – reuniu-se pela primeira vez em 2017, depois do incêndio de Pedrogão, quando o previsto no contrato é que o fizesse regularmente.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. A ser verdade… mas de que está à espera a Altice de “limpar o seu nome”? Venha à tv publica e diga tudo o que tem a dizer, fazendo-se acompanhar de provas! Eu desconfio que os dois (estado/Meo e/ou Altice) terão ambos “telhados de vidro” nesta questão…

RESPONDER

Covid-19. Portugal "tem de preparar-se para o pior" e ter plano de contingência

Ricardo Mexia, presidente da Associação Nacional de Médicos de Saúde Pública, defende que Portugal tem de se preparar para o pior e, por esta altura, já devia ser conhecido o plano de contingência em ação. "Convém …

Misteriosa mensagem esculpida numa rocha em França foi finalmente decifrada

A inscrição, gravada há 250 anos numa rocha na região francesa da Bretanha, foi finalmente decifrada graças a um concurso lançado pelo município. O mistério, que há muitos anos intrigava a comunidade científica e curiosos de …

Transferência de Bruno Fernandes rendeu 16 milhões ao BCP e ao Novo Banco

A transferência de Bruno Fernandes do Sporting para o Manchester United foi rentável não apenas para o clube de Alvalade, mas também para os Bancos que são os principais financiadores do emblema. Millennium BCP e …

Braga 0-1 Rangers | "Guerreiros" eliminados por pé Kent

O Sporting de Braga caiu nos 16 avos-de-final da Liga Europa. Após a derrota por 3-2 na visita ao Rangers na semana passada, após estar a vencer por 2-0, os “arsenalistas” foram donos e senhores …

Violada, drogada e raptada. Cantora Duffy explica o seu desaparecimento da cena musical

A cantora galesa Duffy que fez sucesso, em 2008, com a música "Mercy", esteve vários anos afastada dos holofotes do mundo da música e explica, agora, que isso se deveu ao facto de ter sido …

Neeleman continua na TAP, mesmo com a entrada da Lufthansa

David Neeleman vai manter-se como acionista da companhia aérea portuguesa, mesmo que a Lufthansa venha a entrar no capital da TAP. Sabe-se que a Lufthansa está a estudar, juntamente com a United Airlines, a aquisição dos …

Escócia aprova plano para dar tampões e pensos grátis a todas as mulheres

O Parlamento escocês aprovou, esta terça-feira, um projeto de lei para disponibilizar gratuitamente produtos de higiene feminina a todas as mulheres. A Escócia será o primeiro país a avançar com uma medida deste tipo. O plano …

Bruxelas regista lentidão no desenvolvimento da ferrovia e dos portos portugueses

A Comissão Europeia fez hoje várias observações sobre a lentidão do desenvolvimento de projetos na ferrovia e nos portos portugueses, num relatório elaborado no âmbito do pacote de inverno do semestre europeu. Abordando os setores ferroviário …

Há dois anos, o Governo deu luz verde a doutoramentos nos politécnicos (mas ainda não mudou a lei)

O Governo deu luz verde aos doutoramentos nos politécnicos e, por isso, criou em 2018 uma lei para mudar o panorama. Contudo, esta só funciona se a Lei de Bases mudar. Em 2018, o Conselho de …

Neymar recusa treinar depois de não ser convocado

O futebolista brasileiro Neymar, que joga atualmente no PSG, recusou-se a treinar no dia seguinte a não ter sido convocado para o jogo frente ao Dijon, para a Taça de França, revelou esta quarta-feira o …