/

Há escolas sem intervalos ao ar livre devido à covid-19

1

Rodrigo Antunes / Lusa

Há escolas que estão a proibir os alunos de passarem os intervalos ao ar livre por receio de contágio do novo coronavírus. O pediatra Hugo Rodrigues considera que “é um perfeito disparate”.

Como tal, os estudantes são obrigados a ficar dentro das salas de aula ou nos corredores. Alguns chegam a estar mais de cinco horas sem sair do interior da escola, avança o Expresso.

“Estamos fechados entre as 8h15 e as 13h30. No máximo podemos estar à janela ou à porta durante os intervalos. Sentimos alguma falta de liberdade por não podermos sair, como acontece noutras escolas”, disse um aluno da Escola Secundária Padre António Vieira, em Lisboa.

Também os pais mostram o seu descontentamento com a situação: “Todos concordam com o uso da máscara na sala, mas preocupa o facto de não serem assegurados pequenos intervalos para os miúdos poderem irem ao ar livre respirar. Mais de cinco horas dentro de uma sala, sempre de máscara colocada, é stressante para eles. Estão cientes dos riscos, mas sentem necessidade de pequenas pausas”.

Enquanto isso, há vários ajuntamentos de alunos do lado de fora do portão da escola. “É como se a escola os quisesse proteger dentro das instalações, mas do portão para fora já não tem qualquer responsabilidade”, disse uma mãe ouvida pelo Expresso.

A diretora do Agrupamento de Escolas de Alvalade, Dulce Chagas, defende que o objetivo é proteger os alunos de possíveis contágios. “Não tenho queixas de alunos, nem tenho conhecimento de problemas disciplinares. Não os vejo tristes por causa disto. Lá dentro podem ter tempo para conversar com os colegas”, salientou.

Outras escolas tomaram medidas semelhantes por serem de pequena dimensão. “Nos intervalos, os estudantes não podem sequer sair do lugar por receio de contagiarem os colegas. E só podem tirar a máscara para comer”, conta o encarregado de educação de um aluno de uma escola minhota.

O pediatra Hugo Rodrigues considera que “é um perfeito disparate” os alunos não poderem sair da sala de aulas no intervalo. Aliás, lembra ainda que o risco de contágio dentro da sala é muito maior do que no recreio.

Filinto Lima, presidente da Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas, apenas prevê esta hipótese quando as próprias condições deste estabelecimentos de ensino não permitam outra alternativa.

  ZAP //

1 Comment

  1. Em qualquer prisão do país, os presos têm mais tempo de recreio do que os alunas das escolas. De facto,em 5 horas de aulas, os alunos têm apenas 15minutos de intervalo, em comparação com os presos que em 8h têm 1horas de recreio no páteo.
    Quem é afinal o preso?! E nas prisões também existe COVID19 e a probabilidade de apanhar é a mesma.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.