Erro ortográfico impede hacker de roubar quase mil milhões a um banco

Um erro de digitação de um hacker numa transferência online de fundos ajudou a impedir um roubo de quase mil milhões de dólares, envolvendo o banco central do Bangladesh e o Federal Reserve de Nova York.

Entre 4 e 5 fevereiro, os hackers fizeram-se passar pelo banco do Bangladesh e pediram a transferência de 870 milhões de dólares (cerca de 785 mil euros) do Federal Reserve Bank de Nova Iorque para “organizações não governamentais” das Filipinas e Sri Lanka.

No entanto, uma transferência de 20 milhões para uma organização sem fins lucrativos do Sri Lanka não foi aceite porque os hackers escreveram incorretamente o nome da ONG Shalika Foundation.

Uma fonte das autoridades afirmou que os hackers escreveram incorretamente a palavra “foundation”, digitando antes “fandation“.

De acordo com a Reuters, a palavra errada fez com que o Deutsche Bank, responsável pela transação, percebesse que alguma coisa estava errada e pedisse esclarecimentos ao Banco Central do Bangladesh, que interrompeu a transferência.

O Banco do Bangladesh tem milhares de milhões de dólares numa conta corrente no Fed, utilizada para acordos internacionais. As transações que foram interrompidas totalizavam entre 850 milhões de dólares e 870 milhões de dólares, de acordo com as autoridades.

Os hackers, que ainda não foram identificados, ainda conseguiram levar cerca de 80 milhões de dólares num dos maiores roubos a bancos já conhecidos na história.

Como aconteceu

A ação dos hackers teve início com a invasão dos sistemas do Banco Central do Bangladesh para roubar credenciais para transferências de pagamentos, afirmaram duas fontes da instituição monetária.

Posteriormente, os hackers bombardearam o Fed de Nova Iorque com dezenas de pedidos de transferência de dinheiro da conta do Banco do Bangladesh para outras entidades nas Filipinas e Sri Lanka.

O Banco do Bangladesh afirmou que recuperou parte do dinheiro roubado e que está a trabalhar com autoridades contra lavagem de dinheiro nas Filipinas para tentar recuperar o restante.

Mais de um mês depois do ataque, as autoridades do Bangladesh estão a ter dificuldades para rastrear o dinheiro, reforçar a segurança, além de identificar as fraquezas no sistema. As autoridades afirmaram que há poucas esperanças de descobrir quem são os hackers e que pode levar meses até que o dinheiro seja recuperado – se é que será.

O ataque aconteceu entre 4 e 5 fevereiro, quando os escritórios do banco central estavam fechados.

Inicialmente, o Banco Central não tinha certeza se o seu sistema tinha sido invadido, mas as autoridades afirmam que especialistas em cibersegurança que investigaram o caso encontraram “pegadas” dos hackers que sugerem que o sistema foi comprometido.

Os especialistas também determinaram que o ataque foi originado fora do Bangladesh e as autoridades do banco central afirmaram que a instituição está a tentar determinar como é que os hackers conseguiram entrar no sistema.

B!T

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. O Banco do Bangladesh tem milhares de milhões de dólares numa conta corrente no Fed, utilizada para acordos internacionais.
    Hum acho dinheiros duvidosos e para que servem realmente

RESPONDER

"Evento raro". Nasceu uma baleia-branca no maior aquário do mundo (e o momento foi gravado)

Whisper, uma baleia-branca de 20 anos, deu à luz uma cria saudável em 17 de maio após uma gravidez de 15 meses, marcando a chegada do mais novo cetáceo do Georgia Aquarium, numa altura em …

Telemóveis são uma ferramenta poderosa contra a desigualdade de género em África

Ao dar às mulheres acesso a informação que, de outra forma, era quase impossível de obter, os telemóveis estão a salvar e a transformar vidas. De acordo com o site IFLScience, o estudo responsável por esta …

Desde março, morreram mais de 100 elefantes no Botsuana. Ninguém sabe porquê

As autoridades do Botsuana estão a investigar a morte de 110 elefantes na região do Delta do Okavango desde março, anunciou esta semana o Ministério do Meio Ambiente, Conservação de Recursos Naturais e Turismo daquele …

Um robô aprendeu a fazer uma omelete. E ficou melhor do que o esperado

Uma equipa de engenheiros da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, treinou um robô a preparar uma omelete. Para os investigadores, avaliar se um robô cozinhou uma refeição com sucesso é uma fonte interessante de …

Covid-19 já matou mais no Reino Unido do que os bombardeamentos alemães da II Guerra

A pandemia de covid-19 já matou mais pessoas no Reino Unido do que os bombardeamentos alemães durante a II Guerra Mundial. O novo coronavírus oriundo da China já matou cerca de 50.000 pessoas em território …

Estudo mostra que os cães querem mesmo resgatar os seus donos do perigo

Um novo estudo mostra que os nossos amigos de quatro patas querem realmente salvar-nos em momentos de aflição, mas desde que saibam como o fazer. De acordo com o site Science Alert, os investigadores reuniram 60 cães …

Derek Chauvin foi detido, mas os precedentes mostram que o polícia pode sair impune

Derek Chauvin, o polícia responsável pela morte de George Floyd, foi detido e aguarda a sua primeira audiência. No entanto, há precedentes que sugerem que o agente pode sair impune. Derek Chauvin tem a sua primeira …

Cientistas encontram dois fragmentos do meteorito de Barcelona

Cientistas espanhóis encontraram dois pequenos fragmentos do chamado meteorito de Barcelona, que caiu, há mais de 300 anos, no dia de Natal. No dia 25 de dezembro de 1704, um meteorito rasgou os céus e caiu …

"Pressionaram-me para o denunciar". Higuita recorda amizade com Escobar

A relação de amizade entre René Higuita e Pablo Escobar levou a que o ex-futebolista fosse seguido pelas autoridades. A polícia chegou a pressioná-lo para denunciar Escobar. O antigo internacional colombiano René Higuita é provavelmente uma …

George Floyd. Portugal junta-se às manifestações mundiais contra o racismo

Cinco cidades portuguesas juntam-se hoje à campanha de solidariedade mundial contra o racismo, associando-se à luta pela dignidade humana na sequência da morte, a 25 de maio, do afro-americano George Floyd, sob custódia da polícia …