Erro ortográfico impede hacker de roubar quase mil milhões a um banco

Um erro de digitação de um hacker numa transferência online de fundos ajudou a impedir um roubo de quase mil milhões de dólares, envolvendo o banco central do Bangladesh e o Federal Reserve de Nova York.

Entre 4 e 5 fevereiro, os hackers fizeram-se passar pelo banco do Bangladesh e pediram a transferência de 870 milhões de dólares (cerca de 785 mil euros) do Federal Reserve Bank de Nova Iorque para “organizações não governamentais” das Filipinas e Sri Lanka.

No entanto, uma transferência de 20 milhões para uma organização sem fins lucrativos do Sri Lanka não foi aceite porque os hackers escreveram incorretamente o nome da ONG Shalika Foundation.

Uma fonte das autoridades afirmou que os hackers escreveram incorretamente a palavra “foundation”, digitando antes “fandation“.

De acordo com a Reuters, a palavra errada fez com que o Deutsche Bank, responsável pela transação, percebesse que alguma coisa estava errada e pedisse esclarecimentos ao Banco Central do Bangladesh, que interrompeu a transferência.

O Banco do Bangladesh tem milhares de milhões de dólares numa conta corrente no Fed, utilizada para acordos internacionais. As transações que foram interrompidas totalizavam entre 850 milhões de dólares e 870 milhões de dólares, de acordo com as autoridades.

Os hackers, que ainda não foram identificados, ainda conseguiram levar cerca de 80 milhões de dólares num dos maiores roubos a bancos já conhecidos na história.

Como aconteceu

A ação dos hackers teve início com a invasão dos sistemas do Banco Central do Bangladesh para roubar credenciais para transferências de pagamentos, afirmaram duas fontes da instituição monetária.

Posteriormente, os hackers bombardearam o Fed de Nova Iorque com dezenas de pedidos de transferência de dinheiro da conta do Banco do Bangladesh para outras entidades nas Filipinas e Sri Lanka.

O Banco do Bangladesh afirmou que recuperou parte do dinheiro roubado e que está a trabalhar com autoridades contra lavagem de dinheiro nas Filipinas para tentar recuperar o restante.

Mais de um mês depois do ataque, as autoridades do Bangladesh estão a ter dificuldades para rastrear o dinheiro, reforçar a segurança, além de identificar as fraquezas no sistema. As autoridades afirmaram que há poucas esperanças de descobrir quem são os hackers e que pode levar meses até que o dinheiro seja recuperado – se é que será.

O ataque aconteceu entre 4 e 5 fevereiro, quando os escritórios do banco central estavam fechados.

Inicialmente, o Banco Central não tinha certeza se o seu sistema tinha sido invadido, mas as autoridades afirmam que especialistas em cibersegurança que investigaram o caso encontraram “pegadas” dos hackers que sugerem que o sistema foi comprometido.

Os especialistas também determinaram que o ataque foi originado fora do Bangladesh e as autoridades do banco central afirmaram que a instituição está a tentar determinar como é que os hackers conseguiram entrar no sistema.

B!T

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. O Banco do Bangladesh tem milhares de milhões de dólares numa conta corrente no Fed, utilizada para acordos internacionais.
    Hum acho dinheiros duvidosos e para que servem realmente

Responder a joao Cancelar resposta

Benfica 2-0 Vitória SC | "Águia" vence e adia festa do Porto

Não foi esta terça-feira que o FC Porto festejou o 29º título de campeão nacional. Na recepção ao Vitória Sport Clube, o Benfica venceu por 2-0, num embate relativo à 32ª jornada da Liga NOS, …

Elon Musk lança concurso para ver quem consegue bater um caracol

O multimilionário, através da sua empresa especializada em construção de túneis, lançou um concurso mundial para ver quem é capaz de bater um caracol. De acordo com o jornal Daily Mail, Elon Musk lançou um concurso …

Covid-19. Tóquio quer pagar até quatro mil euros a bares que fiquem fechados

As autoridades de Tóquio, no Japão, estão a ponderar pagar um subsídio, que pode chegar aos quatro mil euros, aos bares que se mantenham fechados para conter a propagação da covid-19 na cidade. De acordo com …

Médicos franceses detetaram primeiro caso de bebé infetado no útero

Médicos em França pensam ter identificado aquele que será o primeiro caso confirmado de um bebé infetado com covid-19 no útero materno. De acordo com o site Business Insider, a equipa médica conta que a …

17 anos depois, Estados Unidos voltam a aplicar a pena capital a nível federal

Os Estados Unidos procederam, esta terça-feira, à primeira execução federal de um prisioneiro no "corredor da morte" em 17 anos, através de uma injeção letal. Daniel Lewis Lee, 47 anos, natural de Yukon (Oklahoma), foi executado …

Com o pretexto de paz, "senhor da guerra" vai ganhando poder na República Centro-Africana

O "senhor da guerra" Ali Darassa foi pago pelo presidente da República Centro-Africana e já influenciou a demissão de um ministro numa tentativa de manter a paz no país. A República Centro-Africana é um país atormentado …

Ministério Público acusa 25 arguidos pela queda do BES

O Ministério Público deduziu acusação, esta terça-feira, contra 25 arguidos, 18 pessoas singulares e sete pessoas coletivas, no âmbito do processo sobre a queda do Universo Espírito Santo. "O Ministério Público do Departamento Central de Investigação …

Agora, até o Toyota Corolla é um crossover

O Toyota Corolla Cross é o mais recente SUV da marca japonesa. Apesar de a marca estar a reforçar a sua gama de SUV, Portugal terá de esperar mais um pouco. Na semana passada, a Toyota …

Da Escócia à Grécia, Kleon pedalou durante 48 dias para regressar a casa

Um jovem grego, "preso" na Escócia devido ao cancelamento dos voos por causa da pandemia de covid-19, decidiu pedalar durante 48 dias consecutivos para conseguir regressar a casa. De acordo com a CNN, Kleon Papadimitriou, de …

Após fugirem da Venezuela, milhares foram obrigados a regressar por causa da pandemia (mas não é assim tão fácil)

Desde 2016, quase cinco milhões de venezuelanos deixaram o país, fugindo da pobreza e dos serviços sociais e de saúde em colapso. Agora, a pandemia de covid-19 forçou-os a regressar à Venezuela - se o …