/

Na II Guerra Mundial, um erro “humilhante” destruiu dois imponentes navios de guerra da Marinha Real

1

Imperial War Museums. / Wikimedia

Navio HMS Prince of Wales

No dia 10 de dezembro de 1941, os japoneses afundaram os imponentes Prince of Wales e Repulse. A culpa foi do almirante Thomas Phillips que, na sequência de um “erro humilhante”, acabou também por falecer.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Winston Churchill, recebeu uma chamada, a 10 de dezembro de 1941, que viria a mudar o rumo da II Guerra Mundial. “Era o Almirante Dudley Pound. A sua voz soava estranha. Tossiu e engoliu saliva. No início, não consegui ouvir claramente o que ele me dizia, mas depois ele levantou a voz”, escreveu nas suas memórias.

“Tenho de vos informar que o Prince of Wales e o Repulse foram afundados pelos japoneses”, disse Pound. Quase como se tivesse sido baleado por estas palavras, o primeiro-ministro desligou abruptamente. “Fiquei grato por estar sozinho; em toda a guerra nunca tinha recebido notícias tão dolorosas.”

O Japão era agora o proprietário do Oceano Índico e do Pacífico. “Estávamos nus“, escreveu Churchill, citado pelo espanhol ABC.

A perda destes dois navios de guerra foi lancinante. Cinco ataques aéreos foram suficientes para afundar o Prince of Wales, uma unidade muito moderna de 35.000 toneladas, e o Repulse, de 32.000, mais antigo.

Na altura, pouco mais de meia centena de aviões destruiu a chamada “Z-Force”, a marinha do sudeste asiático britânico. O comandante, o Almirante Thomas Phillips, foi o culpado.

Segundo conta o diário espanhol, o almirante subestimou a importância dos aviões em batalhas navais e foi para o mar sem o apoio necessário para repelir o Mitsubishi japonês

“Este oficial cometeu um grave erro ao subestimar a ameaça do poder aéreo sobre os grandes navios de guerra. A perda confirmou-o, tal como serviu para realçar o papel dos porta-aviões na cobertura e no ataque às forças hostis a longa distância”, explicou o investigador Michael Coffey, em Days of Infamy.

O erro custou o desastre da Marinha Real, mas também a vida do comandante da Z-Force, que morreu durante o ataque.

A tragédia, que teve um pesado custo de 840 vidas, demonstrou o fracasso da ideia de que os navios podiam operar num ambiente hostil sem cobertura aérea. Além disso, mostrou também que o poder da aviação se tinha tornado decisivo na guerra no mar.

PUBLICIDADE

  ZAP //

1 Comment

  1. Por quê “Days of Infamy” ? Só porque foram derrotados e humilhados?
    Quando eles massacram os outros e até realizam enormes crimes contra a humanidade já não é “Infamy” ?

    Usem mas é: “Dias de aprendizagem dumas boas lições” !

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.