Enfermeiros ‘não-covid’ que também trabalharam no combate à pandemia estão a ser dispensados

Giuseppe Lami / EPA

O Sindicato Democrático dos Enfermeiros de Portugal (SINDEPOR) revelou esta quarta-feira que há profissionais com contratos não-covid, mas que trabalharam no combate à pandemia, que estão a ser dispensados no Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho.

Em comunicado, citado pela agência Lusa, o SINDEPOR sublinhou que, mesmo num cenário de abrandamento da pandemia, estes enfermeiros “continuam a ser necessários para responder aos tratamentos de outras doenças, que ficaram atrasados face à prioridade dada aos pacientes covid”.

“São enfermeiros contratados para substituir outros com ausências prolongadas, mas como foram sendo necessários e foram-lhes sendo renovados os contratos. Muitos deles trabalharam também diretamente na linha covid, outros não, de acordo com cada instituição, mas todos eles estão a satisfazer necessidades permanentes”, disse à Lusa o presidente do sindicato.

Segundo Carlos Ramalho, são sobretudo enfermeiros com contratos de substituição, mas que “mesmo quando os colegas regressarem ao trabalho serão necessários”, dando o exemplo dos meios que serão precisos para a vacinação em massa contra a covid-19, com o objetivo de vacinar 60 mil portugueses por dia.

“Não faria sentido nenhum despedi-los dos locais de trabalho onde estão para depois serem contratados por câmaras municipais, por períodos também exíguos de três ou quatro meses. Isso não dá estabilidade no trabalho, não dá garantias nenhumas aos enfermeiros para se fixarem nos seus locais e neste país”, defendeu.

“Todos são necessários porque é preciso que haja esse tal reforço no Serviço Nacional de Saúde”, acrescentou.

Em comunicado, o SINDEPOR disse que “não aceita a transformação de ‘heróis’ em meros dispositivos descartáveis” e aponta o caso de uma enfermeira que tinha um contrato de substituição desde maio de 2020 e que foi informada, por e-mail, que esse vínculo terminava no dia 23 deste mês.

“Caiu como uma bomba, porque tinham-nos garantido que os contratos de substituição iriam ficar no hospital”, afirmou a enfermeira em causa, citada em comunicado, que durante o período em que esteve ao serviço também trabalhou no combate à pandemia.

O SINDEPOR informou que esta situação é ainda mais incompreensível pois o Decreto 4/2021, de 13 de março, define que durante período de vigência do estado de emergência fica suspensa, “temporária e excecionalmente, e por necessidades imperiosas de serviço, a possibilidade de fazer cessar os contratos de trabalho de profissionais de saúde vinculados aos serviços e estabelecimentos integrados no Serviço Nacional de Saúde (SNS), independentemente da natureza jurídica do vínculo”.

Inicia subsídio de risco para profissionais do SNS

O subsídio extraordinário de risco para profissionais de saúde do setor público que trabalhem diretamente com pessoas infetadas com covid-19 vai começar a ser atribuído, de acordo com uma portaria publicada esta quarta-feria em Diário da República.

“A resposta adequada […] à evolução da doença covid-19 determinou que os profissionais” do SNS “fossem chamados à linha da frente no tratamento da doença, o que tem sido feito num contexto de especial exigência e responsabilidade”, lê-se no sumário do documento, que acrescenta: “O risco acrescido face às funções que desempenhariam fora do contexto pandémico justifica a atribuição de um subsídio específico extraordinário”.

A portaria prevê o pagamento de um subsídio durante este ano, “enquanto persistir” a pandemia “em período de emergência, calamidade ou contingência”. O montante corresponde “a 20% da remuneração base mensal”, “calculado proporcionalmente nos casos em que o período de exercício seja inferior a um mês” e pago de dois em dois meses. O montante está limitado a 50% do valor do Indexante dos Apoios Sociais (IAS).

Para terem direito ao subsídio, os profissionais têm de praticar “atos direta e maioritariamente relacionados com pessoas suspeitas e doentes infetados com a doença covid-19, de forma permanente, e em serviços ou áreas dedicadas”, “enquanto prestadores diretos de cuidados de saúde” ou “como prestadores de atividades de suporte”.

ZAP / Lusa //

PARTILHAR

RESPONDER

Pianista de aeroporto ganhou 60 mil dólares em gorjetas

Tonee "Valentine" Carter, que toca piano num aeroporto norte-americano, ganhou 60 mil dólares (cerca de 50.800 mil euros) depois de um estranho partilhar um vídeo seu a tocar. Tonee "Valentine" Carter, de 66 anos, não é …

Youtubers denunciam campanha de fake news contra vacina da Pfizer

De acordo com a imprensa brasileira, uma agência de marketing terá tentado que influenciadores digitais de todo o mundo partilhassem desinformação sobre as vacinas contra a covid-19. A denúncia foi feita por alguns dos influenciadores …

Na Tailândia, a legalização do aborto enfrenta "resistência espiritual"

Desde fevereiro, qualquer pessoa que procure fazer um aborto na Tailândia consegue fazê-lo legalmente, pelo menos no primeiro trimestre. Ainda assim, muitos médicos e enfermeiros recusam-se a levar a cabo o procedimento. A advogada Supecha Baotip …

Haiti. Viúva do presidente assassinado implica seguranças no crime

Martine Moise, a viúva do presidente haitiano Jovenel Moise — assassinado na sua residência por um comando armado no início de julho — descreveu abertamente o ataque e partilhou as suas suspeitas sobre o crime …

Covid-19. Portugal regista 2.306 novos casos e aumento nos internados

Portugal registou este domingo 2.306 novos casos de infeção por covid-19 e mais oito mortes, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS).  Portugal regista este domingo oito mortes atribuídas à covid-19, 2.306 novos casos …

Birmânia. Líder da junta volta a prometer eleições até 2023, seis meses depois do golpe militar

O líder da junta militar birmanesa, no poder desde o golpe de 1 de fevereiro, comprometeu-se novamente a realizar eleições "até agosto de 2023". “Estamos a trabalhar para estabelecer um sistema multipartidário democrático”, disse, este domingo, …

Tóquio2020. Patrícia Mamona conquista medalha de prata no triplo salto (e melhora recorde nacional)

Patrícia Mamona conquistou este domingo a medalha de prata no triplo salto dos Jogos Olímpicos Tóquio2020, ao conseguir 15,01 metros, novo recorde nacional, arrebatando a segunda medalha por atletas portugueses depois do bronze do judoca …

Trabalhadores da CP e IP iniciam hoje greve ao trabalho extraordinário e feriados

Os trabalhadores da CP - Comboios de Portugal e da Infraestruturas de Portugal (IP) entram este domingo em greve ao trabalho extraordinário e feriados, até 31 de agosto, por aumentos salariais. A greve, convocada pelo Sindicato …

Mesmo longe da Casa Branca, Trump foi o político republicano que mais arrecadou dinheiro em 2021

O ex-Presidente dos Estados Unidos Donald Trump é o político do Partido Republicano que mais arrecadou dinheiro este ano, apesar de ter deixado o cargo a 20 de janeiro, segundo a imprensa local. Os comités políticos …

Marcelo satisfeito com reabertura “sensata”. Alívio das restrições arranca hoje

O levantamento gradual das restrições em função da vacinação contra a covid-19 arranca este domingo com regras aplicáveis em todo o território continental, inclusive o limite de horário de encerramento até às 2h00 para restauração …