/

Dois milhões com primeira dose esta terça-feira. Centros de vacinação precisam de mais 1.700 profissionais

1

Rungroj Yongrit / EPA

Portugal deve atingir nesta terça-feira a marca dos dois milhões de pessoas vacinadas com a primeira dose de vacina contra a covid-19, adiantou esta segunda-feira a task force responsável pelo plano de vacinação.

“Estima-se que, até dia 20 de abril, se conseguirá atingir os dois milhões de pessoas vacinadas pelo menos com uma dose”, pode ler-se numa nota de imprensa enviada à Lusa pela task force liderada pelo vice-almirante Henrique Gouveia e Melo, na qual são também evidenciados as mais de 2,5 milhões de vacinas já administradas na população.

De acordo com os últimos números disponíveis, até às 23h59 de domingo tinham sido inoculadas com a primeira dose 1.933.854 pessoas, das quais 652.874 já tinham também recebido a segunda, perfazendo, assim, um total de 2.586.728 inoculações.

Segundo o ECO, Portugal administrou, em média, 25,66 doses por cada 100 habitantes com idade igual ou superior a 18 anos, o que coloca o país na 10.ª posição no ritmo de administração de vacinas ao nível da União Europeia (UE), de acordo com o site de motorização de dados Our World in Data.

Isto significa que há apenas nove países com um ritmo de administração de vacinas superior a Portugal: Malta, Hungria, Lituânia, Estónia, Áustria, Dinamarca, Espanha, Alemanha e Finlândia. No polo oposto, a Bulgária é o país da UE com um ritmo de administração de vacinas mais baixo: 9,19 doses por cada 100 habitantes.

Já sobre o processo de vacinação do pessoal docente e não docente das escolas do ensino público e privado, a task force realça as “mais de 184 mil pessoas” vacinadas no fim de semana, com o sábado a registar o recorde diário de inoculações, com cerca de 120 mil.

O comunicado adianta ainda que foram convocadas aproximadamente 189 mil pessoas através de SMS e contacto por telefone. Desta comunidade acabaram por ser excluídas as pessoas que já tinham sido vacinadas no seio de outros grupos, grávidas e anteriores infetados com covid-19.

Quanto aos docentes e auxiliares educativos que não tenham sido vacinados no fim de semana – e sejam posteriormente identificados – podem ser vacinados já a partir desta semana.

São precisos mais 1.700 profissionais

De acordo com o jornal Público, vai ser necessário contratar mais cerca de 1.700 profissionais para reforçar os centros de saúde que têm administrado vacinas contra a covid-19, para que a operação possa entrar em velocidade cruzeiro no início de maio, com a inoculação de pelo menos 100 mil pessoas por dia.

As últimas estimativas das administrações regionais de saúde (ARS) e dos agrupamentos de centros de saúde (ACES) indicam que vai ser preciso contratar mais cerca de mil enfermeiros, 140 médicos e 570 auxiliares para apoio geral nos centros de vacinação.

Para assegurar a campanha de vacinação rápida e em massa a nível nacional, será necessário um total de cerca de 500 médicos e 2.500 enfermeiros entre os que vêm dos centros de saúde e os que vão ser contratados.

Assim, é necessária mais uma centena de médicos do que se previa inicialmente e exatamente o número de enfermeiros contabilizado na primeira estimativa.

Por outro lado, as contas preliminares indicam que bastarão cerca de 850 auxiliares – menos do que se tinha calculado inicialmente (2.300).

Segundo o Ministério da Saúde, alguns dos profissionais que vão reforçar o efetivo dos centros de saúde virão do Serviço Nacional de Saúde (SNS), através de instrumentos de mobilidade ou do recurso a horas extraordinárias.

  ZAP // Lusa

1 Comment

  1. Sao precisos mais 1700 profissionais para incrementar a vacinação. Entao por isso é que ja vao despedir 60 enfermeiros do Hospital do Padre Americo… assim ja os podem contratar para os centros de saúde

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE