/

Doentes não-covid vão ser encaminhados para setores privado e social

1

António Pedro Santos / Lusa

A ministra da Saúde, Marta Temido

Esta segunda-feira, a ministra da Saúde admitiu que a pressão no Serviço Nacional de Saúde vai aumentar e garantiu que os doentes não-covid-19 que vejam consultas, exames ou cirurgias serem desmarcados serão encaminhados para os setores privado e social.

Os doentes não-covid-19 que vejam consultas, exames ou cirurgias no Serviço Nacional de Saúde (SNS) serem desmarcados face ao agravamento da pandemia serão encaminhados para os setores privado e social, garantiu esta segunda-feira a ministra da Saúde, Marta Temido.

Numa conferência de imprensa no Ministério da Saúde, em Lisboa, a governante enfatizou que a recuperação da atividade assistencial a doentes com outras patologias tinha “apenas um diferencial de 600.000 consultas entre urgentes e não urgentes em cuidados de saúde primários até setembro face ao período homólogo, num volume de 31 milhões”, mas reconheceu que o aumento exponencial de casos pode condicionar a resposta do SNS.

“O esforço de recuperação foi significativo. Nos hospitais, o cenário também foi de melhoria, mas não tão vantajoso. E tínhamos programas de recuperação da atividade assistencial com incentivos diretos aos profissionais de saúde. Mas, se isso não chegar – e admitindo que não chegue, face à desprogramação de atividade que teremos de fazer – o encaminhamento para os outros setores convencionados ocorrerá de acordo com aquilo que forem as necessidades e o interesse dos doentes”, afirmou.

Temido assumiu que “o governo está a equacionar e a começar a implementar medidas em que a desprogramação da atividade assistencial possa levar a que os doentes sejam canalizados para outros setores” de atividade.

A ministra da Saúde admitiu também que o governo poderá avançar com um agravamento de medidas a nível local, à semelhança do que ocorreu para os concelhos de Paços de Ferreira, Felgueiras e Lousada.

“Aquilo que o governo decidiu foi adotar o estado de calamidade para poder ter o enquadramento suficiente para, em função da avaliação de risco de cada concelho ou região, poder agravar as medidas. Essa avaliação está feita e poderá haver medidas mais graves agora decretadas”, acrescentou.

  ZAP // Lusa

1 Comment

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.