/

Documentário sobre a família real britânica (“banido” durante décadas) foi divulgado no YouTube

O famigerado documentário de 1969 sobre a família real britânica, supostamente banido pela Rainha Isabel II durante décadas por dar ao público uma visão abertamente íntima da realeza, foi divulgado misteriosamente no YouTube.

De acordo com a CNN, o documentário oferecia um olhar sem precedentes sobre as famílias reais e foi assistido por milhões quando foi para o ar pela primeira vez na BBC. Porém, o  filme foi posteriormente armazenado nos arquivos da empresa, supostamente a pedido do Palácio de Buckingham, e não voltou a ir para o ar desde os anos 1970.

Agora, o documentário, intitulado “Família Real”, foi descoberto e publicado no Youtube – sem que se saiba quem o fez ou como.

O vídeo foi removido rapidamente da plataforma de partilha de vídeo depois de ter sido feita uma solicitação de direitos de autor.

No filme, a monarca compara alegadamente o embaixador dos Estados Unidos a um gorila. “Havia um gorila. Eu tive um problema terrível… ele tinha corpo curto, braços longos”, terá dito Isabel II à agência de notícias PA Media.

Outras cenas mais mundanas, que mostravam a família real a comer junta e a rainha a vasculhar a sua carteira para comprar doces do Príncipe Edward de seis anos numa loja, foram consideradas inovadoras por mostrar a famosa família sob uma nova luz.

“Essa porcaria nojenta pegajosa vai ficar no carro, não é?”, terá declarado a monarca, de acordo com PA.

O documentário foi feito depois de a família real ter concedido à emissora britânica BBC acesso exclusivo para filmar as suas vidas quotidianas. A família era cada vez mais vista como estando fora de contacto com a sociedade regular na década de 1960 e o programa era considerado uma tentativa de recuperar relevância.

A princesa Anne, filha da rainha Isabel II, falou mais tarde sobre a sua infelicidade com o programa. “Nunca gostei da ideia do filme da família real. Sempre achei que era uma ideia péssima”, disse, segundo a PA. “A atenção que recebia desde que se era criança, simplesmente não queria mais. A última coisa que precisava era de maior acesso”.

O filme de 110 minutos foi visto por 30 milhões de pessoas em 1969 e continua a ser uma das transmissões de televisão mais vistas do Reino Unido. A BBC estima que mais de 350 milhões tenham assistido ao filme em todo o mundo.

A produção do documentário foi retratada recentemente na série da Netflix “The Crown”, que retratou o descontentamento da realeza em ter câmaras de televisão dentro das suas instalações.

Um porta-voz da BBC recusou-se a comentar à CNN o reaparecimento repentino do vídeo, mas a empresa não desmentiu ter apresentado a reivindicação de direitos de autor que levou à sua remoção do YouTube.

“Quando uma reivindicação de direitos de autor é registada, removemos o conteúdo imediatamente, como é o caso deste upload“, disse o YouTube, em declarações à CNN.

Contactado pela emissora norte-americana, o Palácio de Buckingham não quis comentar.

  Maria Campos, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.