O discurso de ódio já está em Portugal

O diretor da Amnistia Internacional Portugal, Pedro Neto, alertou, em entrevista à agência Lusa, para a presença do discurso de ódio em Portugal, apontando o combate à discriminação como o maior desafio atual dos direitos humanos.

“O discurso de ódio já está presente em Portugal, já há laivos de populismo, que está a ver se consegue ganhar tração e fazer caminho. Já está cá e é preciso que as pessoas estejam muito atentas para não se deixarem enganar”, disse Pedro Neto.

O diretor da Amnistia Internacional Portugal manifestou preocupação com “todo este discurso de ódio, de notícias falsas e da escalada da violência verbal nas redes sociais”.

“As pessoas já têm consciência de que os direitos humanos são assuntos de todos, todos os dias, mas há interesses que procuram manipular a opinião pública e conseguem fazê-lo muito rapidamente através das redes sociais. Isso é preocupante. Há interesses não condizentes com os direitos humanos a quem interessa demonizar os direitos humanos e quem os defende” para conseguir avançar as suas ideias, alertou.

Numa entrevista a propósito dos 70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos, que se assinalam a 10 de dezembro, Pedro Neto sustentou que existe entre os portugueses “muita consciência” da importância dos direitos humanos, mas ressalvou que, nos casos do discurso de ódio, de interferência em eleições e do populismo, as pessoas acham ainda que só acontece em países como os Estados Unidos, a Rússia ou o Brasil.

Nathan Congleton / Flickr

A eleição de Donald Trump marca o tempo do recurso à mentira e à manipulação da mentira, diz Pedro Neto

As Nações Unidas comemoram ao longo deste ano os 70 anos da proclamação da Declaração Universal dos Direitos Humanos (10 de dezembro de 1948).

A esta efeméride associam-se em Portugal as comemorações dos 40 anos da adesão à Convenção Europeia dos Direitos Humanos (09 de novembro de 1978) e da ratificação (15 junho de 1978) dos pactos internacionais de direitos civis e políticos e de direitos económicos, sociais e culturais, que lhe dão força jurídica.

Numa avaliação à situação mundial dos direitos humanos, Pedro Neto afirmou-se como um “otimista preocupado” e alertou para os retrocessos registados nos últimos anos.

“Há um momento definidor que é o aumento e o crescimento do discurso de ódio e até da mentira como forma de manipulação mediática”, disse, apontando a eleição de Donald Trump como um marco desse retrocesso.

Reconhecendo que “à escala temporal” de 70 anos a “evolução foi imensa” em matéria de direitos humanos e que “o mundo está muito melhor”, Pedro Neto lamenta que “nos últimos poucos anos” se tenha “andado para trás”.

A eleição de Donald Trump marca o tempo a seguir no ataque às pessoas, na discriminação generalizada a grupos mais vulneráveis e no recurso à mentira e à manipulação da mentira”, sustentou.

A sua forma de estar, a retórica de ódio, de conflito, de ir muito à simplificação dos assuntos e dos problemas, um discurso que demoniza as outras pessoas. É uma forma muito concreta de dar azo à discriminação”, reforçou.

O diretor da AI destacou a importância da Declaração Universal dos Direitos Humanos das Nações Unidas, que considerou “lindíssima”, mas assinalou que os pactos que lhe dão força jurídica não são subscritos por vários países.

“Isso desresponsabiliza esses países de, através da força jurídica e da lei, protegerem os direitos humanos. Por isso, é preciso que os parceiros diplomáticos e as ONG sejam uma voz forte de advocacia social e política para que estes países subscrevam e se submetam à força jurídica dessas convenções”, defendeu.

“Estamos no século XXI e há coisas nestas convenções que nem se discutem de tão magnânimas e aceites que são. Portanto, é a hora da coragem, de meter na força de lei os direitos humanos”, acrescentou.

“Numa altura em que o mundo poder ser próspero e em que é matematicamente possível que não morra ninguém de fome, que toda a gente tenha um tecto para viver e onde dormir, que toda a gente tenha acesso a cuidados básicos de saúde, a questão da pobreza extrema e da pobreza em geral é o outro grande mal”, concluiu o diretor da Amnistia Internacional Portugal.

// Lusa

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Discurso de ódio = liberdade de expressão. Se não for para proteger discurso que os outros não gostam, não é preciso protecção da liberdade de expressão. Sigam o dinheiro de quem patrocina as organizações desta gente que vem atacar a liberdade de expressão

  2. Estão a usar a liberdade para tudo e mais alguma coisa. Caso simples, se eu chamar filho pa Put@ a um branco é má educação, mas se for a um preto já é racismo (e ai sou o pior criminoso e xenófobo que existe).

  3. Resta saber quem mente. Com esta teoria do discurso de ódio o que pretendem fazer é calar todos aqueles que discordam daquilo que bem tentam estabelecer. É, antes de mais, calar quem não está a favor do que querem impingir em prol de uns quantos, os tais que os ditos direitos humanos sempre defendem. Direitos humanos sim, mas para todos e sem excepção mas não é isso o que está a acontecer.

RESPONDER

Procurador do MP investigado por ajudar traficante a fugir da prisão

Carlos Figueira, procurador do Ministério Público de Lisboa, está a ser investigado pela Polícia Judiciária por corrupção. O magistrado é suspeito de ter ajudado um traficante a fugir da prisão. Um procurador do Tribunal de Execução …

Refugiados em greve de fome por falta de condições em campo bósnio

Centenas de refugiados de um campo improvisado em Vucjak, na Bósnia, estão em greve de fome pelo segundo dia consecutivo para protestar contra a situação degradante em que se encontram. Os refugiados no campo improvisado …

Ex-aliada de Bolsonaro denuncia grupo difusor de notícias falsas ligado ao Presidente

A deputada brasileira Joice Hasselmann, ex-líder do Governo de Jair Bolsonaro no congresso, denunciou na quarta-feira a atuação de um grupo difusor de "fake news" (notícias falsas) ligado ao atual Presidente, Jair Bolsonaro, e que …

Banco BiG: EUA e China vão chegar a acordo, mas não será duradouro

No "Outlook" para 2020, os analistas do banco BiG defendem que será improvável que Estados Unidos e China cheguem a um consenso suficiente para reverter as taxas aduaneiras impostas. De acordo com os analistas do banco …

Alemanha expulsa dois diplomatas russos. Rússia vai tomar medidas

Dois diplomatas russos, acusados pelo Ministério Público alemão de falta de cooperação na investigação de um homicídio, foram expulsos da Alemanha. A Rússia já reagiu e avisou que tomará medidas. Esta quarta-feira, a Alemanha expulsou "com …

Segurança Social demora quase cinco meses a pagar pensões

Em 2018, os beneficiários da Segurança Social tiveram de esperar, em média, 147 dias - cerca de cinco meses -, entre o dia que se aposentaram e o momento que começaram a receber a pensão …

Empresas fechadas e 28 mil despedimentos. Setor têxtil pode atravessar crise

Até 2025, a indústria têxtil em Portugal pode ver um terço das empresas a fecharem e 28 mil trabalhadores a serem despedidos. Este é o pior cenário equacionado no setor nos próximos anos. O setor da …

Ministério Público arquiva queixa de Aguiar-Branco contra Ana Gomes por difamação

Aguiar Branco tinha levantado um processo de difamação a Ana Gomes por declarações sobre alegadas ligações entre o seu escritório de advogados e o grupo Martifer. O Ministério Público (MP) arquivou a queixa apresentada pelo ex-ministro …

66 louvores a funcionários. Centeno é o ministro mais "agradecido" de todo o Governo

Mário Centeno e os seus secretários de Estado publicaram em Diário da República 66 louvores. O seu gabinete garante que não há qualquer significado político associado - nem mesmo uma despedida anunciada. O louvor é dado …

Os glaciares da Nova Zelândia estão a mudar de cor

À medida que o Hemisfério Sul entra no verão, acontece uma temporada catastrófica de incêndios florestais na costa leste da Austrália. Há casas destruídas, coalas a morrer e um fumo espesso que cobre o estado …