Despesas, privacidade, acordos. As propostas dos partidos para o teletrabalho

A regulação do teletrabalho e os direitos dos trabalhadores neste regime vão esta quarta-feira a discussão no parlamento, com 10 projetos de lei dos partidos em debate na generalidade.

Entre as propostas, identificam-se convergências na necessidade de a opção pelo teletrabalho depender de acordo com o trabalhador, de acautelar as questões de privacidade, de prever que os acidentes que aconteçam em casa, quando em teletrabalho, possam ser considerados acidentes de trabalho e na garantia da igualdade de tratamento entre os trabalhadores “à distância” e aqueles que estão presencialmente.

Contudo, há ainda muitos pontos divergentes entre as propostas dos partidos.

Segundo o ECO, o pagamento de despesas é um dos pontos mais polémicos da questão do teletrabalho despertada pela pandemia. Por um lado, o PS, PSD e Bloco de Esquerda atiram a questão para a negociação entre empregador e trabalhador.

Por outro, o PCP e o PAN querem fixar, pelo menos, um valor mínimo a pagar ao trabalhador. Os comunistas entendem que o valor diário não poderá ser inferior ao correspondente a 2,5% do valor do Indexante dos Apoios Sociais (IAS) — 10,97 euros. O PAN concorda, entendendo que o abono deve cobrir os consumos de água, eletricidade, climatização, Internet e telefone.

Sobre o direito de desligar, todos os partidos defendem o descanso do trabalhador, mas diferem nas soluções propostas para este fim.

O PS estabelece que um dos deveres do empregador deverá ser abster-se de contactar o teletrabalhador no período de desligamento e definem que o acordo de teletrabalho deverá fixar o horário em que o trabalhador “tem o direito de desligar todos os sistemas de comunicação de serviço com o empregador, ou de não atender solicitações de contacto por parte deste, não podendo daí resultar qualquer desvantagem ou sanção”. O PAN concorda com esta abordagem.

O PSD defende que seja estabelecido que o empregador deve respeitar o horário de trabalho e os tempos de descanso e de repouso da família do trabalhador. Para o PCP, o horário de trabalho não se pode iniciar antes das 8h e terminar após as 19h.

Já o BE quer mudar a legislação laboral de modo a salientar que o “período de descanso deve corresponder a um tempo de desconexão profissional” e sugerem que a violação reiterada deste direito deverá considerada indício de assédio. Já o CDS entende que o empregador possa contactar o trabalho, em caso de força maior e de urgência, devidamente justificável.

Teletrabalho só por acordo

Em relação ao teletrabalho em condições normais – fora da situação pandémica -, os partidos concordam que o teletrabalho só deverá ser adotado sob acordo, ou seja, com o “sim” do trabalhador e do empregador.

Para o PS, se o teletrabalho for iniciativa do empregador e o trabalhador recusar, este não terá de fundamentar a sua decisão, não podendo isto ser causa de despedimento ou de qualquer outra sanção. Se for o trabalhador a propor e o empregador não quiser avançar nesse sentido, terá de fundamentar a recusa por escrito.

Os comunistas querem garantir que o trabalhador pode rejeitar a proposta de teletrabalho, quando considere que “não estão reunidas as condições para que preste a sua atividade com dignidade, privacidade e respeito pelas condições de segurança e saúde no trabalho”.

O Bloco quer garantir que os trabalhadores com filhos até 12 anos podem ir para teletrabalho sem o empregador se possa opor.

Em linha com os bloquistas, o PAN alargar o universo de trabalhadores que têm direito a teletrabalho, passando a estender esta possibilidade aos trabalhadores com filhos ou dependentes menores de 12 anos, menores de idade com doença oncológica ou com deficiência ou doença crónica; trabalhadores reconhecidos como cuidadores informais não principais; trabalhadores com doença crónica ou com grau de incapacidade igual ou superior a 60%; e aos trabalhadores-estudantes.

Em relação à duração dos acordos de teletrabalho, de acordo com o Jornal de Negócios, o PSD não altera as regras em vigor, que só preveem a possibilidade de regresso nos primeiros 30 dias ou no final do período.

Por seu lado, o PS vai ao encontro das propostas de BE, PCP e Verdes, que querem assegurar que o trabalhador possa voltar ao trabalho presencial a qualquer momento.

O projeto do PS propõe que estes acordos de teletrabalho possam ser “a prazo” com a duração máxima de seis meses ou que, quando forem por tempo indeterminado, “qualquer das partes possa fazê-lo cessar mediante comunicação à outra”, o que “produzirá efeitos no 60.º dia posterior”.

Privacidade do trabalhador

Relativamente à privacidade, os partidos concordam que deve ser vedada aos empregador a captura de imagem, de registo de som, de registo de escrita, de acesso ao histórico ou o recurso a outros meios de controlo que possam afetar o direito à privacidade do trabalhador.

Por outro lado, para o PS, o empregador pode exigir ao trabalhador relatórios diários ou semanais sobre os assuntos tratados na sua atividade e os respetivos resultados.

Sobre as visitas ao domicílio, para o PSD, só devem ser efetuadas na presença do trabalhador, durante o período normal de trabalho. Além disso, para os sociais-democratas, bloquistas e comunistas, só devem servir para a instalação, reparação e manutenção dos instrumentos de trabalho.

Quanto aos acidentes, PS, PSD, PAN e Bloco propõem que o regime legal de reparação dos acidentes de trabalho e das doenças profissionais seja também aplicado às situações de teletrabalho.

O PCP defende que o empregador deverá atualizar os seguros de acidentes de trabalho, passando a considerar o exercício da atividade laboral em regime de teletrabalho, seja qual for o local onde seja prestado.

Para o PS, BE e PAN, os teletrabalhadores devem manter os contactos presenciais com as suas equipas de trabalho e empregadores.

Os partidos consideram ainda que teletrabalhadores e trabalhadores presenciais devem gozar os mesmos direitos.

Maria Campos, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Travar margens nos combustíveis pode acabar por prejudicar os consumidores (e até fechar bombas)

A proposta de lei do Governo aprovada, na semana passada, para a limitação das margens das petrolíferas nos preços dos combustíveis pode acabar por travar a concorrência e até levar ao encerramento de bombas de …

"Nunca se pode tirar Messi" (mas há um gesto que pode explicar a sua substituição)

A substituição de Messi, e a forma como reagiu, no jogo entre o Paris Saint-Germain e o Lyon da Liga francesa, continua a dar que falar. E agora avança-se a possibilidade de o craque argentino …

Médicos querem que norma de isolamento tenha em conta a atual taxa de vacinação

Com o regresso às aulas, médicos de saúde pública defendem a revisão da norma referente ao isolamento de contactos de risco, para que esta tenha em consideração a elevada taxa de vacinação. O ano letivo arrancou …

Com Moedas como alvo e Temido como "guardiã", Medina prometeu um novo futuro para Lisboa

O candidato da coligação PS/Livre à presidência da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, acusou a direita de ambicionar nas autárquicas de domingo “a segunda volta do jogo que perdeu na disputa do poder legislativo”. Fernando Medina …

Descoberto sistema de esgotos intacto construído por romanos há 2.000 anos

Uma equipa de arqueólogos turcos encontrou um sistema de esgotos perfeitamente intacto na antiga cidade de Tripolo no Meandro. A infraestrutura foi construída por romanos. A antiga cidade de Tripoli no Meandro — também conhecida por …

De calculadora em riste, PSD faz contas para evitar um resultado "igual, pior ou muito pouquinho melhor" nas autárquicas

PSD tenta recuperar de duas eleições autárquicas menos conseguidas, agarrando-se aos municípios em que a obra feita pelos autarcas do PS não recebe nota positiva de forma unânime da população ou onde haverá uma transição …

Um Barcelona "de juniores" quebrou um recorde (mas quase perdia em casa)

Domingos Duarte marcou cedo e Granada esteve a ganhar em Camp Nou até perto dos 90 minutos. Equipa muito jovem do Barcelona mas mais uma exibição modesta. Quinta jornada da Liga espanhola de futebol, mais uma …

Galp recusou proposta para salvar empregos em Matosinhos (mas é Costa quem está "no olho do furacão")

O Governo tentou evitar o despedimento colectivo na refinaria da Galp em Matosinhos, desafiando a empresa a pagar uma formação feita "à medida" dos trabalhadores abrangidos. Mas a Galp recusou. Pelo meio, António Costa também …

Análise de ADN revela que japoneses modernos são descendentes de três povos diferentes

O território que hoje dá lugar ao Japão está ocupado desde o período do Paleolítico Superior. Até agora pensava-se que a ancestralidade genética japonesa era dupla, mas uma nova pesquisa vem trazer novos detalhes.  Um novo …

"Engodo dos eleitores". Jerónimo acusa PS de usar aparelho do Estado para conquistar votos

O secretário-geral do PCP acusou o PS de estar a utilizar o aparelho do Estado, nomeadamente a “bazuca europeia”, para conquistar votos nas eleições autárquicas, e exigiu que seja garantida a neutralidade dos órgãos de …