Despenalização da eutanásia vai ser discutida no Parlamento

Mais de cinco mil pessoas assinaram, nos últimos sete dias, uma petição a favor da despenalização e regulamentação da morte assistida, lançada pelo movimento cívico “Direito a morrer com dignidade”, o que obriga à sua discussão em plenário do Parlamento.

A petição, dirigida à Assembleia da República, está disponível online. O texto que a acompanha é o mesmo do manifesto assinado por 112 figuras públicas, como Alexandre Quintanilha, José Pacheco Pereira, António Sampaio da Nóvoa ou Olga Roriz.

Francisco Louçã, João Goulão, o oncologista Jorge Espírito Santo, o capitão de Abril Vasco Lourenço, o sociólogo Boaventura Sousa Santos e o ex-diretor geral da Saúde Constantino Sakellarides assinaram igualmente este manifesto.

Tendo atingido as quatro mil assinaturas, a proposta já poderá ser discutida em plenário pelos deputados.

Na petição – que às 16h10 contava com 5.475 assinaturas -, o movimento apresenta-se como um conjunto de “cidadãs e cidadãos de Portugal, unidos na valorização privilegiada do direito à Liberdade”.

Os proponentes defendem “a despenalização e regulamentação da Morte Assistida como uma expressão concreta dos direitos individuais à autonomia, à liberdade religiosa e à liberdade de convicção e consciência, direitos inscritos na Constituição”.

“A morte assistida é um direito do doente que sofre e a quem não resta outra alternativa, por ele tida como aceitável ou digna, para pôr termo ao seu sofrimento. É um último recurso, uma última liberdade, um último pedido que não se pode recusar a quem se sabe estar condenado. Nestas circunstâncias, a Morte Assistida é um ato compassivo e de beneficência”, lê-se no texto proposto por António Pedro Vasconcelos, Isabel Ruivo, João Ribeiro Santos, João Semedo, Laura Ferreira dos Santos, Lucília Galha e Tatiana Marques.

Os signatários dirigem-se à Assembleia da República, órgão legislativo por excelência, ao abrigo da Constituição e da legislação aplicável, exortando os deputados e os grupos parlamentares a “discutir e a promover as iniciativas legislativas necessárias” à despenalização da morte assistida.

Laura Ferreira dos Santos, uma das promotoras da petição a favor da despenalização da morte assistida, afirma que o elevado número de assinaturas reunidas em apenas uma semana mostra que este é um tema a que os portugueses não estão alheios.

A professora universitária e autora de vários livros sobre a eutanásia considera que “os portugueses não estão tão a leste da temática como muitos davam a entender”.

Laura Ferreira dos Santos considera, no entanto, que a pressa não é bem-vinda, não sendo este um processo que se conclua de um dia para o outro. “Não se pode legislar com pressa. É preciso um amplo debate e tornar conhecidos os relatórios credíveis nesta área”, sublinha.

ZAP

RESPONDER

Morrem por dia 15 mil crianças com menos de 5 anos

Um novo relatório revela que 15 mil crianças morreram por dia em 2016 antes de completarem o quinto aniversário. Pelo menos 46% delas, ou 7 mil, não sobreviveram aos primeiros 28 dias após o nascimento. Quando …

Presidente da Proteção Civil demite-se

O presidente da Autoridade Nacional da Proteção Civil, Joaquim Leitão, demitiu-se esta quarta-feira, informou hoje à Lusa fonte do Governo. A mesma fonte adiantou que Joaquim Leitão entregou na quarta-feira uma carta de demissão dirigida …

A vidente que afinal não é filha de Dalí vai ter que pagar os custos da exumação

Pilar Abel, a espanhola que a 20 de julho obrigou a que o corpo do pintor surrealista Salvador Dalí fosse exumado, após alegações de que seria sua filha, foi condenada a pagar os custos judiciais …

Milhares de comunistas indonésios foram massacrados em 1966 com apoio dos EUA

Documentos desclassificados revelam novos detalhes sobre o massacre indonésio contra comunistas. De acordo com os documentos, Washington estava a par e apoiava a tomada do poder pelos militares e a perseguição dos opositores comunistas. Segundo a …

Pedro Siza Vieira admite que entra num "Governo fragilizado"

O novo Ministro Adjunto e amigo próximo do primeiro-ministro admite que o "Estado falhou" e que o Governo "está fragilizado" mas assegura estar motivado para o novo desafio. Em declarações ao jornal ECO, Pedro Siza Vieira, sócio …

May promete facilitar permanência de cidadãos europeus no Reino Unido

A primeira-ministra britânica prometeu, esta quinta-feira, "facilitar" a estadia dos cidadãos europeus no Reino Unido depois do Brexit, ao mesmo tempo que garantiu que o consenso com a União Europeia nesta matéria está "muito perto". Theresa …

Bruxelas deve considerar despesas dos incêndios como “excecionais”

O comissário europeu dos Assuntos Económicos, Pierre Moscovici, defendeu esta quinta-feira que as despesas públicas resultantes dos devastadores incêndios em Portugal sejam consideradas como "circunstâncias excecionais", sem consequências na avaliação orçamental a fazer por Bruxelas. "Parece-me …

Creme anticelulite tem ingrediente proibido

A Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor (DECO) pediu ao Infarmed a retirada do mercado do creme 'Depuralina Celulite', por conter um ingrediente proibido em cosméticos, na União Europeia, desde 2015. De acordo com um …

Benfica recebe o V. Setúbal, FC Porto o Portimonense e Sporting o Famalicão

O sorteio realizado, esta quinta-feira, na Cidade do Futebol, em Oeiras, ditou que os três grandes vão jogar em casa. Benfica e FC Porto jogam com outras duas equipas da I Liga, enquanto que o …

Líder neonazi britânico declara-se homossexual, revela ser judeu e abandona movimento

Um proeminente líder neonazi da Frente Nacional (NF) britânica deixou o movimento depois de se declarar homossexual e revelar a sua herança judaica. O líder fez as revelações sobre o seu passado violento enquanto renunciava …