/

Covid-19. O estado de saúde de Trump foi “mais grave” do que foi tornado público

1

O antigo Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, esteve muito mais doente do que foi divulgado publicamente quando esteve infetado com covid-19.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Em outubro passado, Donald Trump, que deixou a Casa Branca em janeiro, revelou que tinha contraído o novo coronavírus, que provoca a doença covid-19, após vários conselheiros próximos também terem testado positivo.

O antigo Presidente, de 74 anos, foi admitido no Centro Médico Militar Nacional Walter Reed em 2 de outubro, um dia após ter testado positivo, e ficou sob supervisão médica durante vários dias antes de receber alta, tirando a sua máscara na varanda da Casa Branca e declarando-se totalmente recuperado.

No entanto, de acordo com o jornal norte-americano The New York Times, os níveis de oxigénio de Trump eram tão baixos que os médicos temiam que precisasse de ser colocado num ventilador. Em público, contudo, o médico de Trump, Sean Conley, disse que o Chefe de Estado estava a “ir muito bem”.

Exames recentemente revelados dos pulmões de Trump alegadamente mostram infiltrados pulmonares, que acontecem quando o órgão fica inflamado e cheio de substâncias como fluido ou bactérias e ocorre apenas em pacientes com um caso grave do vírus.

Trump terá recebido um cocktail de anticorpos desenvolvido pela empresa de biotecnologia Regeneron Pharmaceuticals para ajudar a combater a infecção. No hospital, o Presidente terá começado um regime com um esteróide chamado dexametasona, que geralmente é recomendado apenas a pacientes com covid-19 que apresentam formas graves ou críticas da doença ou precisam de ventilação.

O relatório também revela que os níveis de oxigénio de Trump caíram para os 80%, segundo fontes familiarizadas com o diagnóstico médico do Presidente. Os médicos recomendaram que qualquer pessoa fosse ao hospital se os níveis de oxigénio caíssem abaixo de 90%.

O público foi informado de que Trump estava com febre e baixos níveis de oxigénio quando foi internado. Porém, os detalhes completos da sua condição não foram disponibilizadores e o médico da Casa Branca foi acusado de minimizar os sintomas do Presidente.

Na altura, questionado sobre se os raios-X dos pulmões de Trump mostravam sinais de danos ou pneumonia, Conley disse apenas que havia “resultados esperados, mas nada de grande preocupação clínica”.

Conley disse ainda que os níveis de oxigénio de Trump caíram para 93%, alegando que nunca caíram para “abaixo de 80%”.

Em 4 de outubro, Conley reconheceu que inicialmente estava a dar um relatório mais otimista sobre a saúde do presidente do que o que realmente estava a acontecer. “Estava a tentar refletir a atitude otimista que a equipa, o presidente, o seu curso de doença teve. Não queria dar nenhuma informação que pudesse direcionar o curso da doença noutra direção”.

  Maria Campos, ZAP //

 

1 Comment

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.