Costa revela plano para reabrir escolas, comércio, futebol, praias, lazer e transportes

Clara Azevedo / Portugal.gov.pt

O primeiro-ministro António Costa

O primeiro-ministro revelou ao jornal Expresso a intenção de “anunciar o calendário e o programa de desconfinamento progressivo” no Conselho de Ministros de 30 de abril, manifestou-se contra “diferenciações regionais” e admitiu que ainda possam ser tomadas medidas em abril.

Em entrevista ao semanário Expresso, hoje divulgada na íntegra, António Costa afirma, por outro lado, que o plano de recuperação da economia depois da pandemia de covid-19 “tem de assentar num fortíssimo plano de investimento”, apontando áreas como a ferrovia e os hospitais, e “um programa de emprego que permita absorver muita da mão de obra que ficou disponível”, quer na área do emprego público, quer social.

“Tínhamos enormes queixas na construção de falta de mão de obra, creio que é um problema (por más razões) que já não haverá. Temos o programa de reestruturação da floresta, que implica mão de obra intensiva, porque temos os incêndios a seguir. Temos também a necessidade de reforçar muito as condições de apoio pessoal, porque ficou manifesta a fragilidade de recursos humanos de muitas instituições de solidariedade social”, exemplificou.

O primeiro-ministro reiterou que “o país não precisa de austeridade“, e sim relançar a economia, mas recusa dar uma resposta definitiva sobre esse caminho: “Já ando nisto há muitos anos para não dar hoje uma resposta que amanhã não possa garantir”

Sobre a reabertura da sociedade no final do próximo período de emergência, que vigorará até 02 de maio – data escolhida para evitar que o fim de semana prolongado do 1.º de maio não seja “mais um momento de risco” -, o primeiro-ministro recorda que a 28 de abril haverá nova reunião entre representantes políticos e a equipa de cientistas que trabalha para a Direção Geral de Saúde (DGS).

“O que gostaríamos era de, no Conselho de Ministros de 30 de abril, poder anunciar o calendário e o programa de desconfinamento progressivo de um conjunto de atividades que têm a ver com o sistema de ensino, com as atividades comerciais e de restauração e com as atividades culturais”, afirma.

Questionado se ainda poderá haver algum tipo de reabertura em abril, Costa não o exclui: “Assim que seja possível, tomaremos as primeiras medidas. Não vamos estar a atrasar medidas”.

Quanto à frequência de praias neste verão, o primeiro-ministro admite que possam existir restrições, pelo menos naquelas em que já costuma existir uma grande aglomeração de pessoas.

A aglomeração não vai poder existir. As autarquias e as capitanias vão ter de tomar as medidas necessárias para que possamos ir à praia sem que se verifique uma aglomeração”, afirmou.

Ao Expresso, Costa retoma o ‘roteiro’ de reabertura que tinha traçado na Assembleia da República e que, na economia, começará pelo pequeno comércio e, no sistema educativo, pelas creches – explicando que é um universo que não se sobrepõe com um eventual recomeço das aulas presencias do 11.º e 12.º anos -, e avisa que nas escolas e transportes públicos “vai ser obrigatório o uso de máscara comunitária”.

O primeiro-ministro aponta para junho o regresso ao trabalho – e mesmo assim de forma desencontrada em termos de horários e semanas – e, na cultura, não se compromete com uma data para a realização de grandes festivais, reiterando que será mais fácil reabrir os equipamentos com “lugar marcado”.

Num cinema, a lotação é restrita, os lugares passam a ser todos marcados, só podem vender bilhetes de duas em duas filas, de três em três cadeiras”, exemplificou.

Sobre o regresso dos campeonatos de futebol, Costa admite que seja possível concluí-los “à porta fechada ou só com os lugares cativos distribuídos pelo estádio”

Questionado se a região Norte, onde se registam mais casos de covid-19, poderia ter um desconfinamento mais tardio, responde: “Não gostaríamos de fazer diferenciações regionais”.

O primeiro-ministro rejeita igualmente que possa haver uma vigilância das pessoas por meios eletrónicos, admitindo apenas que os cidadãos possam descarregar, voluntariamente, aplicações que servem para partilhar “avisos entre os próprios e sem intervenção de autoridades”.

António Costa frisa que as medidas serão tomadas de forma gradual e medido o seu impacto na evolução da covid-19 para “não correr o risco de ter de reverter os passos”, embora sem excluir esse cenário: “A primeira prioridade foi conter a pandemia sem matar a economia. A nova prioridade que temos agora é a de reanimar a economia sem deixar descontrolar a pandemia”.

A nível político, Costa destaca o “enorme consenso político e social” que tem existido no país, recusa qualquer dessintonia com o Presidente da República quanto ao último decreto sobre o estado de emergência e deixa uma palavra de “reconhecimento pela postura” do líder do PSD, Rui Rio.

Sobre o Conselho Europeu que se realiza em 23 de abril, António Costa espera que sejam dadas respostas claras ao problema global da pandemia

“Vamos ou não ter um fundo de recuperação? Como vai ser esse fundo? Vai ser integrado no próximo quadro plurianual? Vai ser financiado por reforço das transferências, por emissão de dívida da UE, por um reforço dos recursos com a criação de novas taxas?”, elenca.

// Lusa

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Futebol??!!!… Realmente, eu desde criança que me meteu um certo asco a fixação dos colegas de recereio com a merd@ da bola. Loga naquela tenra idade me dava pena ver o quanto em função da trampa da bola, este povo vive. Então agora com tantos problemas pra resolver com esta Pandemia, vai-se dar prioridade e uma porcaria que mete não sei quantos mil gajos em sardinha em lata dentro de um estádio, acotovelando-se aos berros e a cuspir uns pra cima dos outros.

    Bom… Pensando melhor, é melhor que sim. Deste modo faz-me uma limpeza tide nessa espécie dos amantes de bola. Infectam-se uns aos outros e pronto… Moita carrasco.

    • A bola não é problema, a crença que se incute desde a infância que é suposto “morrer por essa pátria” que é um clube, dentro do qual Só o fute interessa e o resto é para esquisitoides, é que é de uma tristeza de assisitir.
      Muda-se para um país como o Canadá ou a Suiça, muda-se a mania, mas existe sempre mania. Só que talvez menos histérica.

RESPONDER

Caso Maddie. Suspeito alemão alvo de nova investigação por crime semelhante na Alemanha

Christian B., de 43 anos, poderá estar associado ao desaparecimento de uma menina de cinco anos, em 2015, na Alemanha. De acordo com a agência DPA, o Ministério Público alemão abriu uma nova investigação sobre o …

À espera de propostas concretas, Jerónimo quer salário pago a 100%

Jerónimo de Sousa admite que só tomará uma posição quanto ao Orçamento Suplementar quando souber as "propostas concretas". Esta sexta-feira, o secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, disse que só tomará uma posição quanto ao Orçamento …

Do ruído à reciclagem. No Dia Mundial do Ambiente, associação Zero divulga dados preocupantes

As principais preocupações da associação ambientalista Zero em Portugal são ao nível do desperdício de água, do ruído e da reciclagem. Do excesso de lixo produzido por cada habitante ao ruído em excesso provocado pelo …

Esferográfica pessoal e máscara obrigatórios nas eleições do FC Porto

As eleições do FC Porto estão agendadas para este fim de semana e os sócios que quiserem exercer o seu direito de voto terão de levar uma máscara de proteção individual e uma esferográfica. No comunicado …

Açores sem infetados por covid-19. Último paciente internado recuperou

Os Açores estão oficialmente livres de covid-19. Dois meses e meio depois do primeiro caso na região, os Açores não têm qualquer registo de infetados por covid-19. Vasco Cordeiro, presidente do Governo Regional, anunciou no Facebook …

Miguel Albuquerque ainda pondera candidatura a Belém

O Presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque, ainda está a ponderar uma eventual candidatura à Presidência da República. O presidente do Governo Regional da Madeira e da estrutura regional do PSD, Miguel Albuquerque, disse …

Governo reforça oferta de creches e lares com mais espaços e funcionários

O primeiro-ministro, António Costa, considera que "é necessário reforçar em equipamentos como creches, lares ou no apoio domiciliário". Os programas sociais de apoio a idosos vão criar três mil postos de trabalho, anunciou o primeiro-ministro esta …

Marcelo e Rio almoçaram a sós em frente ao Tejo

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, felicitou o líder do PSD, Rui Rio, pela apresentação do programa de recuperação económica. Marcelo Rebelo de Sousa e Rui Rio almoçaram, esta sexta-feira, num restaurante em frente …

75% dos hotéis em Portugal reabre em junho, mas com menos quartos

A maioria dos hotéis em território nacional vai abrir portas a partir de junho, sendo a expectativa dos feriados da próxima semana muito importante para esta reabertura. Segundo um inquérito da Associação da Hotelaria de Portugal …

Banco de Fomento precisa da luz verde de Bruxelas e do Banco de Portugal

O primeiro-ministro anunciou a criação do Banco de Fomento e já tem um acordo prévio com a Comissão Europeia. No entanto, para que funcione como um banco, também precisa de luz verde do Banco de …