Costa revela plano para reabrir escolas, comércio, futebol, praias, lazer e transportes

Clara Azevedo / Portugal.gov.pt

O primeiro-ministro António Costa

O primeiro-ministro revelou ao jornal Expresso a intenção de “anunciar o calendário e o programa de desconfinamento progressivo” no Conselho de Ministros de 30 de abril, manifestou-se contra “diferenciações regionais” e admitiu que ainda possam ser tomadas medidas em abril.

Em entrevista ao semanário Expresso, hoje divulgada na íntegra, António Costa afirma, por outro lado, que o plano de recuperação da economia depois da pandemia de covid-19 “tem de assentar num fortíssimo plano de investimento”, apontando áreas como a ferrovia e os hospitais, e “um programa de emprego que permita absorver muita da mão de obra que ficou disponível”, quer na área do emprego público, quer social.

“Tínhamos enormes queixas na construção de falta de mão de obra, creio que é um problema (por más razões) que já não haverá. Temos o programa de reestruturação da floresta, que implica mão de obra intensiva, porque temos os incêndios a seguir. Temos também a necessidade de reforçar muito as condições de apoio pessoal, porque ficou manifesta a fragilidade de recursos humanos de muitas instituições de solidariedade social”, exemplificou.

O primeiro-ministro reiterou que “o país não precisa de austeridade“, e sim relançar a economia, mas recusa dar uma resposta definitiva sobre esse caminho: “Já ando nisto há muitos anos para não dar hoje uma resposta que amanhã não possa garantir”

Sobre a reabertura da sociedade no final do próximo período de emergência, que vigorará até 02 de maio – data escolhida para evitar que o fim de semana prolongado do 1.º de maio não seja “mais um momento de risco” -, o primeiro-ministro recorda que a 28 de abril haverá nova reunião entre representantes políticos e a equipa de cientistas que trabalha para a Direção Geral de Saúde (DGS).

“O que gostaríamos era de, no Conselho de Ministros de 30 de abril, poder anunciar o calendário e o programa de desconfinamento progressivo de um conjunto de atividades que têm a ver com o sistema de ensino, com as atividades comerciais e de restauração e com as atividades culturais”, afirma.

Questionado se ainda poderá haver algum tipo de reabertura em abril, Costa não o exclui: “Assim que seja possível, tomaremos as primeiras medidas. Não vamos estar a atrasar medidas”.

Quanto à frequência de praias neste verão, o primeiro-ministro admite que possam existir restrições, pelo menos naquelas em que já costuma existir uma grande aglomeração de pessoas.

A aglomeração não vai poder existir. As autarquias e as capitanias vão ter de tomar as medidas necessárias para que possamos ir à praia sem que se verifique uma aglomeração”, afirmou.

Ao Expresso, Costa retoma o ‘roteiro’ de reabertura que tinha traçado na Assembleia da República e que, na economia, começará pelo pequeno comércio e, no sistema educativo, pelas creches – explicando que é um universo que não se sobrepõe com um eventual recomeço das aulas presencias do 11.º e 12.º anos -, e avisa que nas escolas e transportes públicos “vai ser obrigatório o uso de máscara comunitária”.

O primeiro-ministro aponta para junho o regresso ao trabalho – e mesmo assim de forma desencontrada em termos de horários e semanas – e, na cultura, não se compromete com uma data para a realização de grandes festivais, reiterando que será mais fácil reabrir os equipamentos com “lugar marcado”.

Num cinema, a lotação é restrita, os lugares passam a ser todos marcados, só podem vender bilhetes de duas em duas filas, de três em três cadeiras”, exemplificou.

Sobre o regresso dos campeonatos de futebol, Costa admite que seja possível concluí-los “à porta fechada ou só com os lugares cativos distribuídos pelo estádio”

Questionado se a região Norte, onde se registam mais casos de covid-19, poderia ter um desconfinamento mais tardio, responde: “Não gostaríamos de fazer diferenciações regionais”.

O primeiro-ministro rejeita igualmente que possa haver uma vigilância das pessoas por meios eletrónicos, admitindo apenas que os cidadãos possam descarregar, voluntariamente, aplicações que servem para partilhar “avisos entre os próprios e sem intervenção de autoridades”.

António Costa frisa que as medidas serão tomadas de forma gradual e medido o seu impacto na evolução da covid-19 para “não correr o risco de ter de reverter os passos”, embora sem excluir esse cenário: “A primeira prioridade foi conter a pandemia sem matar a economia. A nova prioridade que temos agora é a de reanimar a economia sem deixar descontrolar a pandemia”.

A nível político, Costa destaca o “enorme consenso político e social” que tem existido no país, recusa qualquer dessintonia com o Presidente da República quanto ao último decreto sobre o estado de emergência e deixa uma palavra de “reconhecimento pela postura” do líder do PSD, Rui Rio.

Sobre o Conselho Europeu que se realiza em 23 de abril, António Costa espera que sejam dadas respostas claras ao problema global da pandemia

“Vamos ou não ter um fundo de recuperação? Como vai ser esse fundo? Vai ser integrado no próximo quadro plurianual? Vai ser financiado por reforço das transferências, por emissão de dívida da UE, por um reforço dos recursos com a criação de novas taxas?”, elenca.

// Lusa

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Futebol??!!!… Realmente, eu desde criança que me meteu um certo asco a fixação dos colegas de recereio com a merd@ da bola. Loga naquela tenra idade me dava pena ver o quanto em função da trampa da bola, este povo vive. Então agora com tantos problemas pra resolver com esta Pandemia, vai-se dar prioridade e uma porcaria que mete não sei quantos mil gajos em sardinha em lata dentro de um estádio, acotovelando-se aos berros e a cuspir uns pra cima dos outros.

    Bom… Pensando melhor, é melhor que sim. Deste modo faz-me uma limpeza tide nessa espécie dos amantes de bola. Infectam-se uns aos outros e pronto… Moita carrasco.

    • A bola não é problema, a crença que se incute desde a infância que é suposto “morrer por essa pátria” que é um clube, dentro do qual Só o fute interessa e o resto é para esquisitoides, é que é de uma tristeza de assisitir.
      Muda-se para um país como o Canadá ou a Suiça, muda-se a mania, mas existe sempre mania. Só que talvez menos histérica.

RESPONDER

Tribunal de Loures. António Joaquim vai manter-se em liberdade

O Tribunal de Loures decidiu esta sexta-feira manter a medida de coação de termo de identidade e residência a António Joaquim, condenado pelo Tribunal da Relação pelo homicídio do triatleta Luís Grilo, após um pedido …

Mesmo com o aumento de infetados, diminuir a quarentena para 10 dias é uma hipótese

A DGS deverá decidir em breve se o período de quarentena pode ser reduzido de 14 dias para apenas 10 dias, mas não para todos os casos. Para ficar menos tempo isolado é necessário cumprir …

Porfírio Silva vê “papel positivo” na candidatura de Ana Gomes, mas critica farpas a Costa

O dirigente socialista Porfírio Silva considera que a candidatura presidencial de Ana Gomes pode ser positiva se não cair na "armadilha" de se centrar no ataque a António Costa e se não "atropelar" o Estado …

Operação Lex. Três juízes acusados de corrupção. Luís Filipe Vieira vai ser julgado por um crime

Os juízes Rui Rangel, Fátima Galante e Vaz das Neves e o presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, estão entre os 17 acusados da Operação Lex. Em causa estão crimes de corrupção, abuso de poder, …

Em tempos difíceis, Von der Leyen diz que “sempre vi em Portugal um forte aliado"

Numa entrevista, Ursula von der Leyen disse que Portugal terá “a tarefa de liderar” com a recuperação da pandemia quando chegar à presidência do Conselho da UE em 2021. E promete uma proposta “mais humana …

Caso Eurofin. Salgado recebe coima de 4 milhões de euros do Banco de Portugal

Ricardo Salgado, ex-presidente do BES, foi condenado pelo Banco de Portugal a pagar mais uma coima, no valor de quatro milhões de euros, no processo sobre o veículo suíço Eurofin e por operações que lesaram …

"Último recurso". Governo britânico admite novo confinamento no Reino Unido

O ministro da Saúde britânico, Matt Hancock, admitiu esta sexta-feira que o Governo conservador não descarta decretar um segundo confinamento nacional para conter a pandemia de covid-19, embora considere esta opção um "último recurso" “Faremos …

Pais deixaram aluno com covid-19 na escola. Denúncia já chegou à PSP

Um aluno de uma escola de Leiria que está infectado com o coronavírus foi à apresentação do ano lectivo, nesta quarta-feira, quando já havia suspeitas de que teria covid-19, uma vez que o pai também …

A segunda vaga já chegou a Portugal (e há "uma diferença muito importante")

Os especialistas não duvidam que a segunda vaga de covid-19 já chegou a Portugal, mas apontam que há diferenças significativas relativamente ao início da pandemia, em Março. "Há uma diferença muito importante nesta segunda vaga que …

Governo tinha 90 milhões para apoiar criação de emprego (mas pedidos superaram os 487 milhões)

O programa do Governo para apoiar a criação de emprego, lançado em julho, tinha uma verba de 90 milhões de euros. Dois meses depois, a procura excedeu os 487,5 milhões. O jornal Público adiantou esta quinta-feira …