“Coletes amarelos” não arredam pé e Macron é já menos popular que Trump

Etienne Laurent / EPA

O presidente da França, Emmanuel Macron

O movimento “coletes amarelos” não desmobilizou perante o anúncio, terça-feira, do governo francês de suspensão de taxas e marcou nova manifestação para sábado. Já o Presidente Macron está em queda de popularidade, registando valores mais baixos do que o seu homólogo norte-americano, Donald Trump.

Por toda a França, os apelos para mobilizar um quarto sábado consecutivo de manifestações dos “coletes amarelos” foram mantidos.

O Presidente, Emmanuel Macron, alvo de todas as críticas pela sua política económica, viu o seu índice de popularidade cair 6 pontos, para 23%, segundo uma sondagem terça-feira divulgada. O Presidente norte-americano, que também tem sentido uma queda na sua taxa de popularidade, regista uma aprovação de 40% dos eleitores norte-americanos, de acordo com uma sondagem da ABC News/Washington Post, realizada pelo Instituto Langer Research Associate e divulgada no passado mês de novembro.

É uma diferença de 17 pontos percentuais que divide o Presidente Francês do seu seu homólogo norte-americano. Tal como relata a imprensa internacional, o protestos dos “coletes amarelos” teve um forte impacto na popularidade de Macron.

O chefe de Estado recebeu terça-feira durante uns minutos um “colete amarelo” no Palácio do Eliseu, mas ninguém revelou o teor da conversa. Dois jogos de futebol da Ligue 1, PSG – Montpellier e Toulouse-Lyon, marcados para sábado, já foram adiados.

Eric Drouet, um dos membros mais conhecidos dos “coletes amarelos”, já convocou o movimento para “voltar a Paris” no sábado, “perto de locais de poder, dos Campos Elísios, do Arco do Triunfo, do Concorde”. “As pessoas estão cada vez mais motivadas, estão a organizar-se, seremos ainda mais numerosos”, disse Drouet à agência France Presse.

Já Benjamin Cauchy, outra das figuras do movimento, reconheceu um “primeiro passo” nas medidas do governo. Mas “os franceses não querem migalhas, querem a varinha na íntegra”, afirmou.

Envolto na crise provocada pelo movimento dos “coletes amarelos”, o governo francês anunciou nesta terça-feira a suspensão de um aumento nas taxas de combustível para “trazer de volta o apaziguamento” ao país.

Mas as palavras do primeiro-ministro Édouard Philipp, não parecem ter tido grande efeito nos manifestantes, que prometem novas manifestações no próximo sábado. “Nenhum imposto merece pôr em perigo a unidade da nação”, disse o primeiro-ministro francês, num discurso na televisão, acrescentando que “seria necessário ser surdo” para “não ouvir a raiva” dos franceses nas ruas.

Segundo os analistas, este anúncio representa um revés para Emmanuel Macron, que, desde o início do seu mandato, fez questão de não ceder às ruas.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Isto tudo é pretexto p/ deitar abaixo o governo MAcron mais NADA… a politica é MT SUJA. A França só vai acordar p/ a realidade quando um dia a UE lhe tirar o tapete… depois podem fazer o q quiserem, como fizeram os gregos e de NADA lhes valeu. Os politicos anteriores deram tudo agora …

  2. Nos próximos anos muita coisa vai acontecer nesta Europa. A extrema direita está a avançar em todos os lados. Esta quadrilha de incompetentes tem que ser corrida antes que seja tarde.

RESPONDER

Já pode "adotar" um pedaço de Notre-Dame para ajudar na sua reconstrução

Uma organização está a dar a oportunidade de o público ajudar na reconstrução de artefactos específicos da catedral de Notre-Dame, em França, que foi parcialmente destruída por um incêndio em 2019. De acordo com a cadeia …

Proporção divina identificada na gerbera

Descobrir como se formam os padrões distintos e omnipresentes das cabeças das flores tem intrigado os cientistas há séculos. Quando se pede a alguém que desenhe um girassol, quase todas as pessoas desenham um grande círculo …

Audi apresenta o novo Q4 e-tron que traz uma autonomia até 520 km

Ainda antes do verão, a Audi vai colocar no mercado o seu primeiro SUV elétrico concebido de raiz e não adaptado a partir de uma plataforma concebida para motores a combustão. O Q4 e-tron destaca-se pela …

Vanuatu em alerta depois de um corpo com covid-19 ter dado à costa

Vanuatu proibiu viagens de e para a sua principal ilha três dias depois de ter dado à costa um corpo de um pescador filipino, que testou positivo à covid-19. De acordo com a Radio New Zealand, …

Cientistas russos querem criar a primeira vacina comestível contra a covid-19

O Instituto de Medicina Experimental de São Petersburgo, na Rússia, anunciou o seu plano de concluir dentro de um ano os testes pré-clínicos da primeira vacina comestível do mundo contra o novo coronavírus. Em entrevista à …

Em plena crise política, o país mais pobre das Américas ainda não recebeu nenhuma vacina

Numa altura em que a maior parte dos países já têm o processo de vacinação a decorrer, o governo do Haiti ainda não garantiu uma única dose da vacina contra o coronavírus. O país mais pobre …

Afinal, Leonardo da Vinci não esculpiu o busto de Flora

Está terminada a controvérsia que durou mais de cem anos após a aquisição do Busto de Flora em 1909, por Wilhelm von Bode. A datação por radiocarbono revelou, recentemente, que a obra não foi …

Crise climática "implacável" intensificou-se em 2020, diz relatório da ONU

Houve uma intensificação "implacável" da crise climática em 2020, com a queda temporária nas emissões de carbono devido ao confinamento a ter um impacto pouco significativo nas concentrações de gases de efeito de estufa, revelou …

Já se sabe o que causou a misteriosa "tempestade de asma", que vitimou dez pessoas em 2016

Em 2016, na cidade de Melbourne, aconteceu o evento de "tempestade de asma" mais grave do mundo. Os cientistas descobriram agora o culpado. No dia 21 de novembro de 2016, as urgências de um hospital em …

Carlos César reivindica papel do PS na construção da democracia e no combate à corrupção

O presidente do PS defendeu, esta segunda-feira, que se deveu ao seu partido o aprofundamento da democracia e os avanços no combate à corrupção, embora admitindo desvios", "erros" e "omissões num ou outro momento da …