“Coletes amarelos” não arredam pé e Macron é já menos popular que Trump

Etienne Laurent / EPA

O presidente da França, Emmanuel Macron

O movimento “coletes amarelos” não desmobilizou perante o anúncio, terça-feira, do governo francês de suspensão de taxas e marcou nova manifestação para sábado. Já o Presidente Macron está em queda de popularidade, registando valores mais baixos do que o seu homólogo norte-americano, Donald Trump.

Por toda a França, os apelos para mobilizar um quarto sábado consecutivo de manifestações dos “coletes amarelos” foram mantidos.

O Presidente, Emmanuel Macron, alvo de todas as críticas pela sua política económica, viu o seu índice de popularidade cair 6 pontos, para 23%, segundo uma sondagem terça-feira divulgada. O Presidente norte-americano, que também tem sentido uma queda na sua taxa de popularidade, regista uma aprovação de 40% dos eleitores norte-americanos, de acordo com uma sondagem da ABC News/Washington Post, realizada pelo Instituto Langer Research Associate e divulgada no passado mês de novembro.

É uma diferença de 17 pontos percentuais que divide o Presidente Francês do seu seu homólogo norte-americano. Tal como relata a imprensa internacional, o protestos dos “coletes amarelos” teve um forte impacto na popularidade de Macron.

O chefe de Estado recebeu terça-feira durante uns minutos um “colete amarelo” no Palácio do Eliseu, mas ninguém revelou o teor da conversa. Dois jogos de futebol da Ligue 1, PSG – Montpellier e Toulouse-Lyon, marcados para sábado, já foram adiados.

Eric Drouet, um dos membros mais conhecidos dos “coletes amarelos”, já convocou o movimento para “voltar a Paris” no sábado, “perto de locais de poder, dos Campos Elísios, do Arco do Triunfo, do Concorde”. “As pessoas estão cada vez mais motivadas, estão a organizar-se, seremos ainda mais numerosos”, disse Drouet à agência France Presse.

Já Benjamin Cauchy, outra das figuras do movimento, reconheceu um “primeiro passo” nas medidas do governo. Mas “os franceses não querem migalhas, querem a varinha na íntegra”, afirmou.

Envolto na crise provocada pelo movimento dos “coletes amarelos”, o governo francês anunciou nesta terça-feira a suspensão de um aumento nas taxas de combustível para “trazer de volta o apaziguamento” ao país.

Mas as palavras do primeiro-ministro Édouard Philipp, não parecem ter tido grande efeito nos manifestantes, que prometem novas manifestações no próximo sábado. “Nenhum imposto merece pôr em perigo a unidade da nação”, disse o primeiro-ministro francês, num discurso na televisão, acrescentando que “seria necessário ser surdo” para “não ouvir a raiva” dos franceses nas ruas.

Segundo os analistas, este anúncio representa um revés para Emmanuel Macron, que, desde o início do seu mandato, fez questão de não ceder às ruas.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Isto tudo é pretexto p/ deitar abaixo o governo MAcron mais NADA… a politica é MT SUJA. A França só vai acordar p/ a realidade quando um dia a UE lhe tirar o tapete… depois podem fazer o q quiserem, como fizeram os gregos e de NADA lhes valeu. Os politicos anteriores deram tudo agora …

  2. Nos próximos anos muita coisa vai acontecer nesta Europa. A extrema direita está a avançar em todos os lados. Esta quadrilha de incompetentes tem que ser corrida antes que seja tarde.

RESPONDER

A linguagem de Benoit está a morrer. O senegalês quer salvá-la através da música

O senegalês Benoit Fader Keita está a usar o poder da música para salvar a sua linguagem, ménik, que tem apenas 3 mil falantes e está em risco de extinção. Benoit Fader Keita nasceu no Senegal …

Doença cerebral misteriosa intriga médicos no Canadá

 A doença misteriosa foi identificada, pela primeira vez, em 2015, num doente considerado um "caso isolado e atípico". Há quase dois anos, Roger Ellis desmaiou depois de ter tido uma convulsão durante o 40.º aniversário de …

Estudo sugere que há quatro tipos de Alzheimer

Uma equipa de investigadores sugere que há quatro tipos da doença de Alzheimer, que atacam diferentes zonas do cérebro e têm sintomas distintos. Um novo estudo sugere que o Alzheimer é uma doença bem mais complexa …

Jovens tentam salvar vidas na Índia através do Youtube. Plataforma elimina vídeos por serem "perigosos"

A Índia continua a debater-se com a grave crise sanitária desencadeada pela covid-19. Jovens indianos publicaram no Youtube vídeos a produzir oxigénio em casa, usando processos químicos ensinados nas escolas. A plataforma eliminou-os. De acordo com …

Shuvuuia era um dinossauro do tamanho de uma galinha, que caçava às escuras

Os investigadores descobriram que Shuvuuia, um pequeno dinossauro do tamanho de uma galinha, tinha uma excelente audição e visão noturna, que lhe permitiam caçar de noite. São poucas as aves que têm aquilo que é preciso …

Na China, é ilegal pedir comida em excesso nos restaurantes

A China aprovou uma lei anti-desperdício de alimentos que proíbe clientes de restaurantes de pedirem mais do que precisam, uma legislação abrangente pode prejudicar a experiência de comer fora de casa. A lei, que entrou em …

Sindicato de pilotos denuncia pedidos da TAP para voos em folga

O Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC) denunciou pedidos da Transportadora Aérea Portuguesa (TAP) para que alguns trabalhadores efetuem voos em dias de folga, ao mesmo tempo que afirma ter pilotos em excesso. Num email …

Bayern Munique 'festeja' nono título consecutivo com goleada

O Bayern Munique coroou este sábado o seu nono título consecutivo na Liga alemã de futebol com uma goleada no triunfo diante do Borussia Moenchengladbach (6-0), num jogo com um hat-trick de Lewandowski. Antes de pisar …

A piscina infinita mais alta do mundo fica no Dubai

Haverá poucas coisas tão libertadoras como dar um mergulho numa piscina infinita com vista para o oceano. Agora, quem visitar o Dubai poderá fazê-lo numa piscina a quase 300 metros acima do nível do mar. Segundo …

"Polskie Babcie", as avós que lutam pela democracia na Polónia

Um grupo de idosas polacas organiza protestos, todas as semanas, para lutar pela democracia no país, governado pelo partido de direita nacional-conservador e democrata-cristão Lei e Justiça (PiS). É hora de ponta em Varsóvia, capital da …