/

Surto junto à fronteira com a Rússia e novos casos em Wuhan fazem China temer segunda vaga

1

Wu Hong / EPA

Um novo surto ainda não detetado numa cidade perto da fronteira com a Rússia e o aparecimento de novos casos em Wuhan estão a fazer a China temer uma nova onda de casos de covid-19.

Na edição desta segunda-feira, o britânico The Guardian destacou a preocupação do país que, no último domingo, registou o maior aumento de casos em duas semanas, uma semana depois de ter classificado todas as regiões como de baixo ou médio risco.

Este domingo, Shulan, uma cidade perto das fronteiras com a Rússia e a Coreia do Norte, foi classificada de alto risco, depois de vários casos relacionados com uma mulher que não tinha qualquer histórico conhecido de viagem ou exposição ao vírus.

Mas este não é, segundo o The Guardian, o único sinal alarmante. No domingo, a comissão nacional de saúde registou 17 novos casos. Apesar de o número ser muito pequeno, ainda assim é o segundo dia seguido em que o aumento é de dois dígitos. Além disso, é o valor mais alto em duas semanas.

Destes 17 casos, cinco foram transmitidos localmente em três províncias que fazem fronteira com a Rússia ou com a Coreia do Norte – três em Jilin, um em Heilongjiang e outro em Liaoning. No caso de Jilin, os três novos casos surgiram na cidade de Shulan.

As autoridades chinesas já impuseram quarentena aos cidadãos e o encerramento temporário dos locais públicos da cidade. Segundo o Observador, também os transportes públicos foram encerrados e os táxis não podem sair de Shulan. As autoridades chinesas acreditam que houve 290 pessoas que tiveram contacto próximo com infetados.

A preocupação em Shulan também está relacionada com a origem daquele que parece ser um novo surto, uma vez que a comissão de saúde da província diz que o primeiro caso registado foi uma mulher que não viajou para fora da província, nem apresenta qualquer historial de contacto com pessoas que vieram de províncias afetadas ou do exterior do país.

Ainda assim, na cidade de Wuhan também foram registados cinco novos casos este domingo. Novamente, apesar de não ser um número preocupante, é o maior número de novos casos em quase dois meses.

A China registou, até agora, um total de 82.918 casos positivos, dos quais 78.144 foram curados. Existem apenas 141 casos ativos no país.

  ZAP //

1 Comment

  1. Enquanto não perceberem que o vírus é também transportado pelos animais, insectos inclusive, andamos a chover no molhado.
    Fechar tudo e fugirmos todos para casa não resolve o problema, em vez disso cria outros ainda piores.
    Apenas precisamos de ter procedimentos de protecção dos mais vulneráveis, especialmente para evitar muitos adoecer em simultâneo, o que rebentaria com os serviços de saúde.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.