China pode substituir chefe de governo de Hong Kong face aos recentes protestos

Jerome Favre / EPA

A China estará a equacionar substituir Carrie Lam, chefe do governo de Hong Kong, por um líder interino, na sequência dos protestos violentos que decorrem na cidade há cinco meses.

De acordo com o Financial Times, o novo chefe de governo interino deverá subir ao poder em março e manter-se até ao fim do mandato de Carrie Lam, em 2022. Entre os candidatos, estarão Norman Chan, atual chefe da autoridade monetária de Hong Kong, e Henry Tang, atual número dois do governo de Hong Kong.

Entre os potenciais candidatos ao lugar estão também Paul Chan e Bernard Chan, que fazem parte do conselho executivo de Lam. O primeiro é o responsável pelas finanças do governo regional e o segundo lidera um conselho executivo de aconselhamento ao governo regional.

“Queremos olhar para pessoas que serviram no governo regional, mas também para quem saiba como funcionam os negócios aqui”, declarou um membro da elite de Hong Kong próximo do Governo central chinês. “E claro que têm de se apoiar em Pequim”.

O governo chinês deverá esperar pelo final dos protestos antes de anunciar a decisão.

A chefe de governo propôs demitir-se do cargo em junho, algo que o governo chinês rejeitou quando confrontado inicialmente com essa possibilidade.

Os protestos em Hong Kong já duram há cinco meses, com os manifestantes a fazerem cinco exigências (revogação da lei da extradição, inquérito à violência policial, libertação de ativistas detidos, mais liberdades democráticas e a demissão de Lam).

Em finais de agosto, Carrie Lam terá proposto a Pequim ceder a algumas das exigências feitas pelos manifestantes, algo que não terá agradado aos representantes do Partido Comunista Chinês.

Esta não seria a primeira substituição ao governo de Hong Kong. Quando o primeiro líder do executivo regional apontado por Pequim, Tung Chee-hwa, se demitiu em 2005, o seu substituto serviu o resto do mandato e foi depois nomeado para servir mais um mandato de cinco anos.

Suspeito de homicídio que acendeu protestos libertado

As autoridades de Hong Kong libertaram esta quarta-feira Chan Tong-kai, o jovem acusado de matar a namorada grávida em Taiwan, no ano passado, de acordo com a BBC. Este caso esteve na base do polémico projeto de lei de extradição, que acendeu o rastilho para os protestos.

Hong Kong e Taiwan não têm um acordo de extradição e, ao propor uma alteração à lei, o Executivo de Hong Kong citou este caso.

Após 19 meses na prisão por lavagem de dinheiro e por levantamento de dinheiro do cartão de crédito da namorada, Chan, de 20 anos, pediu desculpas à família da vítima e afirmou-se disposto a entregar-se em Taiwan.

Ainda não é claro como acontecerá a transferência para que o jovem responda em Taiwan pela acusação de homicídio. Hong Kong diz que Chan está livre para se entregar. Por outro lado, Taiwan cita razões de segurança e quer enviar agentes para o escoltarem, uma proposta que Hong Kong já rejeitou.

Os protestos em Hong Kong, região administrativa especial chinesa, começaram em junho por causa da polémica lei da extradição, que permitiria extraditar suspeitos de crimes para território e países sem acordos prévios, como a China.

Entretanto, as emendas à legislação foram retiradas formalmente pelo Governo, mas os protestantes têm ainda outras quatro reivindicações: a libertação dos manifestantes detidos; que as ações dos protestos não sejam identificadas como motins; um inquérito independente à violência policial e a demissão da chefe de Governo, Carrie Lam, e consequente eleição por sufrágio universal para este cargo e para o Conselho Legislativo.

Num endurecimento da posição do Governo, Lam invocou uma lei de emergência da era colonial para criminalizar o uso de máscaras em manifestações, mas a decisão parece só ter aumentado ainda mais a violência dos protestos. Na semana passada, polícias dispararam pela primeira vez balas reais sobre manifestantes, ferindo dois adolescentes.

A transferência da soberania de Hong Kong para a República Popular da China, em 1997, decorreu sob o princípio “um país, dois sistemas”. Tal como acontece com Macau, foi acordado um período de 50 anos com elevado grau de autonomia, a nível executivo, legislativo e judicial, com o Governo central chinês a ser responsável pelas relações externas e defesa.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Entre o "contributo singular" de João Ferreira e a "onda liberal" de Mayan, Marisa Matias assume derrota

Marisa Matias foi uma das grandes derrotadas da noite de eleições presidenciais, ficando-se pelo quinto lugar, atrás de João Ferreira, o candidato do PCP. Já Tiago Mayan Gonçalves ficou no sexto lugar, à frente de …

Ana Gomes aponta o dedo a Costa e à esquerda e diz que travou Ventura sozinha

Ana Gomes considera que a sua candidatura conseguiu travar "a progressão da extrema direita" quando os partidos de esquerda se preocuparam apenas com as suas "agendas políticas". No rescaldo da reeleição de Marcelo Rebelo de …

De diferentes cidades, mas com o mesmo nome. Quatro estranhos chamados Paul O'Sullivan formaram uma banda

A banda Paul O'Sullivan apresenta Paul O'Sullivan no baixo, guitarra, bateria e voz. Porém, não é uma banda de um homem só. Cada membro é um músico diferente com o mesmo nome: Paul O'Sullivan. "Uma noite, …

Ventura celebrou "noite histórica", demitiu-se do Chega e avisou o PSD

André Ventura começou por assinalar a "noite histórica" face aos resultados que obteve nas eleições presidenciais 2021. Mas como ficou em 3º lugar, atrás de Ana Gomes, anunciou a demissão do Chega. "Fiquei aquém dos 15% …

Região italiana da Lombardia esteve confinada durante uma semana por engano

A Lombardia, coração económico do norte de Itália, foi confinada e classificada como zona vermelha por engano durante uma semana, devido a estatísticas erradas sobre covid-19, e só ontem um decreto governamental retificou a situação. Devido …

Rio destaca "esmagamento da esquerda" e pede a Marcelo para ser "um bocadinho mais exigente"

"A marca mais forte" destas eleições presidenciais é "a derrota do PS". A análise é de Rui Rio, presidente do PSD, que fala do "esmagamento da esquerda" e da "vitória do candidato do centro", apelando …

Há uma nova explicação para o facto de bebés amamentados terem sistemas imunitários mais saudáveis

Um novo estudo realizado por investigadores da Universidade de Birmingham, no Reino Unido, descobriu que o leite materno promove o crescimento de importantes células imunitárias que ajudam a controlar eventuais inflamações. De acordo com o site …

PS diz que Marcelo deve vitória aos socialistas (e cobra-lhe apoio em tempos difíceis)

"A democracia venceu na primeira volta e o extremismo de direita foi derrotado". É desta forma que o presidente do PS, Carlos César, comenta os resultados das eleições presidenciais ganhas por Marcelo Rebelo de Sousa, …

"Liberdade para a Dinamarca". Novos incidentes em manifestação contra restrições

Uma manifestação contra as restrições impostas para conter a pandemia, organizada por um grupo radical, em Copenhaga, originou novos incidentes na noite de sábado e resultou em cinco detenções, relataram a polícia e os meios …

Pela primeira vez, um restaurante vegan ganha uma estrela Michelin em França

Um restaurante de comida totalmente vegan em França foi o primeiro do país a receber a desejada estrela Michelin. Localiza-se perto de Bordéus. A concessão da estrela ao ONA (Origine Non-Animale) é mais uma evidência de …