China perdeu seis dias até alertar o público sobre provável pandemia

Luong Thai Linh / EPA

O presidente da China, Xi Jinping

Nos seis dias após o Governo chinês ter detetado o surto do novo coronavírus, a cidade epicentro da doença organizou um banquete para dezenas de milhares de pessoas e milhões viajaram por ocasião do Ano Novo Lunar.

Segundo uma investigação da agência noticiosa Associated Press (AP), com base em documentos internos do Governo chinês, o país somou mais de 3.000 pessoas infetadas durante uma semana de silencio público, que culminou com um alerta pelo Presidente chinês, Xi Jinping, em 20 de janeiro.

O atraso, entre 14 e 20 de janeiro, não foi exclusivo das autoridades chinesas, já que governos em todo o mundo deixaram o surto propagar-se durante semanas ou meses até tomarem medidas.

Mas o atraso da China em combater o surto logo no início, na tentativa de estabelecer um equilíbrio entre o alerta público e o pânico, facilitou a propagação da pandemia.

“É uma diferença tremenda”, apontou Zuo-Feng Zhang, epidemiologista na Universidade da Califórnia, em Los Angeles, citado pela AP. “Se eles tivessem agido seis dias antes, haveria muitos menos pacientes e as instalações médicas seriam suficientes”, explicou.

Benjamin Cowley, epidemiologista da Universidade de Hong Kong, observou, porém, que se trata de uma decisão difícil, já que caso o alarme fosse dado “prematuramente” as autoridades poderiam perder credibilidade e capacidade de mobilizar a população.

Em 13 de janeiro, no mesmo dia em que a Organização Mundial da Saúde (OMS) assegurou que o surto de uma nova doença respiratória que tinha infetado 40 pessoas em Wuhan não se tinha alastrado para além da cidade, corroborando as informações das autoridades locais, a Tailândia reportava o seu primeiro caso.

Os documentos citados pela AP revelam que o chefe da Comissão Nacional de Saúde da China, Ma Xiaowei, fez uma avaliação pessimista da situação, durante uma videoconferência, em 14 de janeiro, com as autoridades provinciais de saúde.

Um memorando revelou que a videoconferência serviu para transmitir informações sobre o novo coronavírus a Xi Jinping, ao primeiro-ministro, Li Keqiang, e à vice-primeira-ministra, Sun Chunlan. “A situação epidémica é grave e complexa, o desafio mais grave desde a SARS [Síndrome Respiratória Aguda Grave], em 2003, e provavelmente transformar-se-á num grande evento de saúde pública”, afirmou Ma, de acordo com o memorando.

Os documentos citados foram divulgados por uma fonte anónima da área da saúde, que não quis ser identificada por medo de represálias. A AP disse que confirmou o conteúdo com duas outras fontes de saúde pública que tiveram acesso ao memorando.

“Todas as localidades devem preparar-se para responder a uma pandemia”, recomendou então o documento enviado à liderança do país.

A Comissão Nacional de Saúde distribuiu então um conjunto de instruções de 63 páginas às autoridades provinciais de saúde. As instruções, marcadas como confidenciais, ordenaram que as autoridades de saúde de todo o país identificassem casos suspeitos e que os hospitais preparassem instalações para doentes com febre e que os médicos e enfermeiros usassem equipamento de proteção.

Ameaça minimizada

Em público, no entanto, a ameaça foi minimizada. “O risco de transmissão sustentada de humano para humano é baixo”, disse Li Qun, chefe do centro de emergência do Centro Nacional de Controlo de Doenças da China à televisão estatal chinesa, em 15 de janeiro.

Foi só em 16 de janeiro que as autoridades de Wuhan e de outros locais receberam testes de deteção da doença e aprovação para começarem a confirmar novos casos.

Alguns especialistas em saúde disseram que Pequim tomou medidas decisivas face às informações disponíveis. “Eles podem não ter dado a informação certa, mas tomaram as medidas certas”, apontou Ray Yip, chefe fundador aposentado do escritório dos Centros de Controle de Doenças dos Estados Unidos na China.

“No dia 20, soaram o alarme para todo o país, o que não é um atraso significativo“, apontou. Outros defenderam que um aviso prévio teria salvo vidas. Permitir ao público praticar distanciamento social, usar máscaras e reduzir as viagens poderia ter reduzido em até dois terços o número de casos, apontam.

“Quanto mais cedo se agir, mas fácil é controlar a doença”, garantiu Zhang.

// Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Diário de oficial nazi revela localização de tesouro escondido na Polónia durante a 2.ª Guerra Mundial

Um diário que esteve na posse de uma sociedade secreta durante décadas contém um mapa que descreve a localização de mais de 30 toneladas de ouro escondidas pelos nazis durante a Segunda Guerra Mundial. Escrito há …

"Pés de café" ajudam robôs a andar mais rápido (e sem tropeçar)

Uma das principais aplicações para robôs com pernas é a exploração de locais de desastre. No entanto, para atravessar os escombros, estas máquinas precisam de ter "pés" firmes. Uma equipa de investigadores da Universidade da Califórnia, …

Famalicão 2-1 FC Porto | Dragões falham reentrada

O FC Porto ficou hoje com a liderança da I Liga portuguesa de futebol em risco, ao perder em casa do Famalicão, por 2-1, na 25.ª jornada, que marca o regresso após a paragem devido …

Empresas chinesas compram soja dos EUA apesar de suspensão imposta pelo Governo

Empresas estatais chinesas terão comprado pelo menos três carregamentos de soja aos Estados Unidos (EUA), mesmo após o Governo ter levantado uma suspensão. Esta surgiu depois de Washington afirmar que terminaria com o acordo comercial …

Musk quer bombardear Marte. Pode ser só um "pretexto" para enviar armas nucleares para o Espaço

O plano de Elon Musk de bombardear Marte é apenas um pretexto para o lançamento de armas nucleares para o Espaço, disse o diretor da agência espacial russa Roscosmos, Dmitry Rogozin. Bombardear Marte para tornar o …

Quase 20 mil toneladas de combustível derramadas em rio na Rússia

https://cache-igi.cdnvideo.ru/igi/video/2020/6/2/%D0%BD%D0%BE%D1%80%D0%B8%D0%BB%D1%8C%D1%81%D0%BA.mp4 Quase 20 mil toneladas de combustível foram acidentalmente derramadas num rio no extremo norte da Rússia, levando as autoridades a declarar uma situação de "emergência" e levantando preocupações entre ambientalistas e residentes. Em comunicado, a associação …

Mais verde e mais barato. Suécia segue a Alemanha e instala a primeira turbina eólica de madeira

A Suécia instalou uma nova e interessante turbina eólica: uma torre construída em madeira. A Alemanha também já tem esta nova tecnologia. Construída a partir de materiais de fontes sustentáveis e que oferecem desempenho comparável às …

Já não mostra só as filas do supermercado. App "Posso ir?" também diz se pode ir à praia

A aplicação móvel que permite aos utilizadores consultar as filas e as afluências aos supermercados também mostra como está a praia. Agora, a aplicação "Posso ir?" vai também dizer-lhe se é ou não prudente ir dar …

Discurso xenófobo. Na Áustria, "a islamofobia tornou-se uma forma dominante de racismo"

A Áustria regista um aumento preocupante do discurso xenofóbico, em particular em relação aos muçulmanos e refugiados, alerta um relatório do Conselho da Europa. A Comissão do Conselho da Europa contra o Racismo e a Intolerância …

Um em cada quatro russos acredita que a pandemia é uma invenção

Um em cada quatro russos acredita que a pandemia de coronavírus é uma invenção, de acordo com uma pesquisa realizada pela Escola Superior de Economia de Moscou (HSE). Segundo avançou o site de notícias RBC, citado …