Chega propõe extinção do cargo de primeiro-ministro

O partido Chega propõe a extinção do cargo de primeiro-ministro, com o Presidente da República a chefiar o Governo, e o fim dos serviços públicos de saúde e de educação, no programa eleitoral hoje divulgado.

No documento que apresenta às eleições de 6 de outubro, o Chega sustenta que não compete ao Estado “a produção ou distribuição de bens e serviços, sejam esses serviços de Educação ou de Saúde, ou sejam os bens vias de comunicação ou meios de transporte”.

Quanto ao sistema político, o Chegam, presidido por André Ventura, defende que “a atual Constituição foi produto de uma imposição militar” e propõe referendar a lei fundamental, sugerindo a “presidencialização do regime, pela acumulação, na figura do Presidente da República, das competências hoje atribuídas ao primeiro-ministro”.

O Chega preconiza a “redução do número de deputados para 100, incidindo essa redução essencialmente nos grandes círculos eleitorais costeiros com o consequente aumento relativo dos deputados nos círculos eleitorais do interior”.

O fim da garantia de manutenção do emprego para a vida na Função Pública para os novos contratos a celebrar é outra ideia defendida.

Ao nível da política fiscal, quer “acabar com a extorsão fiscal hoje praticada” e como “pedra angular dessa política” indica a “necessidade da quantificação de um limite máximo para a carga fiscal suportada pelos contribuintes, tendo em consideração todas as contribuições diretas e indiretas a que estes se encontram sujeitos”.

Se for Governo, o Chega quer retirar o aborto e as cirurgias de mudança de sexo do conceito de saúde pública, o que “implicará o fim imediato dos apoios do Estado e da subsidiação quer do aborto, quer da mudança de sexo através do Serviço Nacional de Saúde, ou seja, pagos pelo contribuinte”.

O Chega também quer “a proibição dos ventres de aluguer e de toda a atividade que coisifique e utilize como produto de compra e venda a qualquer ser humano”, além da “reforma da Lei da Adoção”.

Na área das relações externas, o Chega defende a reavaliação da presença de Portugal na ONU e um “compromisso inequívoco com a defesa da existência do Estado de Israel, face ao recrudescimento do anti-semitismo e das ameaças terroristas de que o povo judeu é alvo, pugnando pela transferência da Embaixada Portuguesa para Jerusalém”.

A revogação do acordo ortográfico e a introdução de legislação, no Código Penal, sobre a castração química como forma de punição de agressores sexuais, a qualquer culpado de crimes de natureza sexual cometidos sobre menores de 16 anos são outras ideias do Chega.

Para os crimes mais graves, nomeadamente crimes de terrorismo ou homicídios com características especificas”, o partido defende a introdução da pena de prisão perpétua.

E prossegue: “Urge a extinção da figura de “excesso de legítima defesa” em caso de reação violenta das vítimas contra um assalto a estabelecimentos comerciais ocorridos no seu interior, ou em caso de intrusão de estranhos no domicílio em flagrante delito”.

Outra ideia passa pela “oposição frontal à tipificação do chamado “crime de ódio” na lei penal portuguesa”.

Em matéria de migrações, o Chega quer o fortalecimento das fronteiras, “dando à polícia e às forças armadas todos os recursos materiais e humanos para que possam cuidar dessas fronteiras com total eficácia junto com o indispensável amparo legal”.

// Lusa

PARTILHAR

9 COMENTÁRIOS

  1. Este também já tentou de tudo.
    Vou deixar-lhe aqui algumas sugestões:
    – Acabar com a assembleia da república – As leis seriam aprovadas em sistema rotativo ao nível das tascas
    – Acabar com o próprio governo – A gestão do país realizar-se-ia como aquelas gestões de condomínio em sistema rotativo pelos condóminos
    – Acabar com os tribunais – A justiça seria feita nas ruas pelas mãos do povo (acaba-se igualmente com a polícia)

  2. num regime democrático à maneira dele o primeiro a ser extinto era ele, quanto à prisão perpetua se a justiça funcionasse a cem porcento ele já estava a gozar desse direito há muito tempo. pede-se mais qualidade de vida e Deus manda-nos esta coisa e como se não bastasse é um apoiante confesso dos “nazistas” do oriente.

  3. Era o que faltava, acabar com serviços fundamentais do Estado e a carga fiscal manter-se inalterada!
    Por reavaliar a presença de Portugal na ONU, deve-se entender sair da ONU? Separar-nos do mundo? Deixarmos de ter voz no maior fórum internacional? Outra vez “orgulhosamente sós”? Haja pachorra!

RESPONDER

Tiroteio na Alemanha faz pelo menos seis mortos e vários feridos

Pelo menos seis pessoas morreram e várias ficaram feridas num tiroteio, esta sexta-feira, na cidade alemã de Rot am See. De acordo com vários media alemães, pelo menos seis pessoas morreram num tiroteio em Rot am …

IKEA aumenta salário de entrada dos trabalhadores para 700 euros

A IKEA aumentou o salário de entrada para trabalhadores a tempo inteiro de 650 euros para 700 euros brutos mensais, acima do salário mínimo nacional (635 euros), anunciou hoje a cadeia de venda de mobiliário. Em …

Mortes nos Comandos. Recruta diz que colocaram um cateter em Hugo Abreu já depois de estar morto

Rodrigo Silvano, o último recruta no curso 127 de Comandos a sair da tenda de enfermaria onde morreu Hugo Abreu no primeiro dia da Prova Zero, relatou ao tribunal que viu o enfermeiro do INEM …

Rafa inegociável. Benfica só vende por 80 milhões de euros

Rafa é inegociável. O Benfica só deixar sair o extremo de 26 anos pelo valor da sua cláusula de rescisão, que está fixada nos 80 milhões de euros. A notícia é avançada esta sexta-feira pelo Correio …

França é esta sexta-feira novamente palco de greve geral contra reforma das pensões

Os sindicatos franceses voltam à rua no 51.º dia de greve contra a reforma das pensões que é apresentada esta sexta-feira no Conselho de Ministros. Durante esta sexta-feira, não se espera o nível de paralisação …

Marcelo nada diz sobre eventual candidatura de Ana Gomes à Presidência da República

O Presidente da República recusou esta quinta-feira comentar, em Israel, uma possível candidatura presidencial da ex-eurodeputada do PS Ana Gomes. "Eu não faço comentários sobre a vida política portuguesa", justificou Marcelo Rebelo de Sousa, quando questionado …

Defeito nos travões força Metro do Porto a andar devagar. Falha foi detetada há um ano

O descarrilamento de um metro na estação de Campanhã foi provocado por um defeito nos patins eletromagnéticos. A avaria afeta vários veículos da frota do Metro do Porto. No passado dia 2 de janeiro, uma falha …

Soares da Costa acusada de ajudar hotel-fantasma a "sacar" 1,2 milhões de euros ao Estado

A Soares da Costa e dois ex-responsáveis de um dos maiores grupos de construção civil portugueses estão acusados de fraude e de branqueamento de capitais num processo judicial que envolve um hotel-fantasma, que nunca foi …

Chega vai organizar angariação de fundos para a pediatria do S. João (mas hospital não sabe de nada)

O partido Chega, liderado por André Ventura, vai realizar um jantar no Mercado Ferreira Borges, no Porto, esta sexta-feira, e anunciou que parte da receita reverte para o serviço de Oncologia Pediátrica do S. João. …

Isabel dos Santos também sai da Efacec. Era "o negócio mais vulnerável" da empresária em Portugal

A Efacec anunciou, nesta sexta-feira, que Isabel dos Santos decidiu "sair da estrutura accionista" da empresa, "com efeitos definitivos". Uma decisão que surge no âmbito do "Luanda Leaks" que implica a empresária no desvio de …