CGD. Parlamento divulgou sem querer auditoria com dados escondidos (e confirma-se a gestão ruinosa)

António Cotrim / Lusa

Paulo Macedo, presidente da Caixa Geral de Depósitos

O presidente da Caixa Geral de Depósitos (CGD), Paulo Macedo, entregou no Parlamento o relatório final da auditoria realizada ao banco público, com dados rasurados em nome do sigilo bancário. Mas o Parlamento divulgou no seu site a versão integral, com a informação escondida.

Esta primeira versão digital do relatório final da auditoria à CGD, que se debruça sobre 15 anos de gestão do banco público, foi publicada no site do Parlamento depois de o presidente da CGD ter entregue o documento à presidente da Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa (COFMA) na Assembleia da República.

Nesta versão que foi entretanto retirada do site do Parlamento, mas que é divulgada pelo Observador, é possível obter a informação que surge nos campos rasurados – bastando para o efeito seleccionar os quadros em branco e clicar no botão direito do rato para que a informação apareça no campo “Pesquisar no Google por”.

A CGD tinha anunciado que divulgaria a auditoria aos deputados depois de retirar do documento informações passíveis de violarem o sigilo bancário, o que significa que entregaria o documento sem o nome dos devedores.

Este relatório com a informação escondida visível esteve online apenas durante cerca de uma hora, tendo sido retirado devido a um alegado “problema técnico”, segundo a versão oficial, como aponta o Observador.

Posteriormente, o Parlamento divulgou a versão digitalizada do documento entregue por Paulo Macedo na COFMA e onde se omitem os nomes dos grandes devedores, bem como valores de créditos concedidos e até o ano em que certos empréstimos foram autorizados.

Todavia, o documento final vai ao encontro da versão preliminar da auditoria que foi divulgada por Joana Amaral Dias, ex-deputada do Bloco de Esquerda e comentadora da CMTV, confirmando as elevadas perdas e eventuais crimes de gestão danosa.

186 créditos resultaram em perdas de 1.647 milhões

A versão final da auditoria aponta que o banco somou perdas de 1.647 milhões de euros em 186 operações de crédito analisadas, como refere O Jornal Económico.

Nestas operações, a auditoria notou “uma maior concentração no período 2000-2007 e 2008-2011“, altura em que se verificaram também “maiores percentagens de perdas“, releva o documento. “Entre 2000 e 2007 foram realizadas 127 operações, com perdas acumuladas de 1.120 milhões; 47 operações entre 2008 e 2010 (477 milhões de perdas); oito entre 2011 e 2013 (40 milhões de perdas); e, quatro entre 2014 e 2015 (10 milhões)”, cita o diário económico.

As áreas onde se verificam as maiores perdas, nestes créditos concedidos pela CGD, são a construção civil e o imobiliário, com 260 milhões de euros, e a indústria, com 230 milhões de euros.

Quatro autoestradas estão entre as 25 operações com maiores perdas para a CGD, atingindo imparidades de 176 milhões de euros no final de 2015. De acordo com o documento, três operações tiveram parecer de risco favorável elaborado pela Direcção Global de Risco (DGR) e uma operação teve parecer desfavorável.

De notar ainda a perda de 520 milhões de euros com créditos concedidos para a compra de acções.

A análise da consultora concluiu que a maioria dos casos analisados, ou seja, 80 operações, que representam perdas, no Top 25, de 769 milhões de euros (43,7% do total) receberam um parecer de risco “condicionado ao acolhimento de um conjunto de requisitos prévios à concessão do crédito, e em que o Órgão de Decisão [que tomou a decisão de conceder o crédito], para além de não fazer depender a sua aprovação da concretização das respectivas condicionantes, não deixou evidência escrita que justifique esta decisão”.

Houve ainda casos em que “não foi obtido o respectivo parecer individual de análise de risco”, que totalizam 15 operações, sendo que as perdas destas operações no Top 25 totalizaram 86 milhões de euros, “o que corresponde a 4,9% das perdas totais da amostra”, lê-se no relatório.

Por outro lado, em 43 operações analisadas, num total de 122 milhões de euros em perdas (6,9%), no Top 25, o parecer de risco foi condicionado, mas “as respectivas condicionantes ou foram acolhidas por parte do órgão competente ou existe uma justificação para a sua não acomodação por parte do mesmo”.

O documento dá ainda conta de “operações que foram autorizadas pelo Órgão de Decisão competente (em linha com normativo existente) com parecer de risco que acompanhava a proposta comercial desfavorável, não tendo sido apresentada evidência do racional que esteve subjacente à decisão”, num total de 13, “verificando-se que do Top 25 as perdas destas operações totalizaram 48 milhões de euros, o que corresponde a 2,8% das perdas totais da amostra”.

A EY analisou também a prestação de garantias adequadas para estes empréstimos, concluindo que de 186 operações, em 72 as garantias reais cobriam menos de 120% do crédito, com perdas de 716 milhões de euros nos 25 casos mais problemáticos (40,7%).

A auditora também recolheu dados sobre a reestruturação de créditos e chegou à conclusão que, de 246 operações, apenas 9 receberam parecer de risco favorável dos órgãos competentes do banco.

Paulo Macedo admite que houve “más práticas”

Perante os resultados da auditoria, o presidente executivo da CGD admite a existência de “más práticas” e de “erros” no passado, mas sublinha que a Caixa tem hoje “melhor ‘governance‘” e melhor gestão de risco.

“Os portugueses podem ter a certeza que hoje há uma melhor ‘governance‘ [gestão] e um melhor critério de risco que no passado”, destaca Paulo Macedo, acrescentando que o objectivo da Caixa é “devolver, paulatinamente, o dinheiro que foi aplicado pelos contribuintes” no banco.

“A Caixa vai ser ressarcida, se o puder ser”, pelo menos em parte, pelas perdas do passado, diz ainda Macedo.

O presidente não executivo da CGD, Rui Vilar, anuncia também que o banco público está a analisar actos de gestão do passado para eventualmente colocar acções de responsabilidade civil sobre ex-gestores.

Estas declarações de Vilar foram prestadas na conferência de imprensa de apresentação dos resultados da CGD referentes ao ano de 2018, onde o banco público anunciou ter conseguido lucros consolidados de 496 milhões de euros. Um valor que se situa muito acima dos 51,9 milhões de euros registados em 2017.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

9 COMENTÁRIOS

  1. Relatório com dados escondidos e logo o peixe graúdo! Venha o Rui Pinto para descobrir a careca aos ladrões já que outros os tentam proteger.

  2. CGD – Abram os olhos Portugueses. Este país está entregue a LADRÕES. E o mais grave de tudo é que continuamos a votar nos mesmos corruptos. Apagaram partes do Relatório da CGD porquê?? Para quê?? Só encontro uma explicação – agora encubro-te eu, amanhã encobres-me tu. E roubamos todos. Quem põe fim a este banquete e saque de Portugal??? Precisamos de um Líder urgentemente que mobilize os Portugueses do BEM. Partilhem.

    • Quem deveria pôr fim a este banquete e saque de Portugal são os senhores militares… eles é que arranjaram este caldo fazendo a revolução (e muito bem) e permitindo que toda a vilanagem tomasse o poder de assalto… assim uma nova revolução impõe-se, jjáááááá´!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  3. O Senhor Presidente da Caixa Geral de Depósitos, Paulo Macedo cuja imagem enquanto ministro de saude respeito, ficava-lhe muito bem que ao tomar posse do cargo desse a conhecer aos portugueses a situação da CGD.
    Vir com o discurso sinceramente infeliz e dirigido a quem não merece.. por favor será melhor ficar calado.
    Estamos cansados de desculpas e mentiras.
    Que seja reposto todos os montantes desviados / roubados e a listagem dos seus autores.

    È o minimo Senhor Presidente da Caixa Geral de Depósitos…. urgentemente.

  4. Mas esta cambada ainda nao percebeu que os Portugueses o que querem é os nomes dos gatunos que emprestaram o nosso dinheiro e querem também os nomes dos devedores, queremos também saber quanto estes gatunos embolsaram de luvas e comissoes. Queremos saber o que a justiça vai fazer para castigar estes ladroes, e se a justiça nao fizer justiça, espero que alguem a faça por maos proprias, porque nao pode haver roubo perfeito e os seus autores têm que ser castigados de uma maneira ou outra. É preciso ir atrás dos devedores e obriga-los a pagar o que devem, seja sobre o seu patrimonio, imoveis, obras de arte, etc. Tem que apanhar o que se poder para diminuir o roubo provocado.

    • Tragam já o João Lourenço. Mas que venha mais 100 generais porque pelos vistos os de cá não servem. É venha já o super juiz Carlos.

  5. Tragam já o João Lourenço. Mas que venha mais 100 generais porque pelos vistos os de cá não servem. É venha já o super juiz Carlos.

RESPONDER

Prémios e dados pessoais. Worten alerta clientes para falso SMS em circulação

A Worten alerta os clientes para não partilharem dados pessoais em resposta a mensagens publicitárias falsas que estão a circular por SMS em nome da retalhista, a anunciar um prémio. "Alertamos que não devem ser facultados …

GNR já passou 2200 coimas por falta de limpeza de terrenos. Mais de cem câmaras multadas

Mais de uma centena de câmaras municipais foram multadas por falta de limpeza de terrenos, sendo a ausência de tratamento nas margens das estradas e junto às linhas de distribuição elétrica a principal infração registada …

Presidente do Governo da Catalunha pede a Filipe VI que abdique

O presidente do governo regional da Catalunha, Quim Torra, pediu na terça-feira ao rei Filipe VI que abdique e solicitou ao presidente do parlamento que convoque uma sessão plenária extraordinária para estabelecer uma "posição comum" …

Virologista chinesa diz que novo coronavírus foi "criado em laboratório militar"

A virologista chinesa que fugiu para os Estados Unidos deu mais uma entrevista onde assegura que o novo coronavírus foi "criado num laboratório militar". Numa nova entrevista, citada pelo jornal online Observador, Li Meng-Yan, a virologista …

Ministério da Saúde abre 435 vagas para médicos de família

É o maior número de vagas dos últimos anos colocadas a concurso para a contratação de médicos especialistas em medicina geral e familiar para o SNS. De acordo com o jornal Público, o Ministério da Saúde …

MP brasileiro processa pastor por anunciar cura com feijões para a covid-19

O Ministério Público brasileiro pediu a abertura de um processo contra o pastor evangélico Valdemiro Santiago e a Igreja Mundial do Poder de Deus, que anunciaram a cura da covid-19 a partir do cultivo de …

Dívida do Estado à ADSE ascende a 200 milhões de euros

A dívida do Estado à ADSE, em 2019, ascendia a 198,2 milhões de euros, segundo o parecer do Conselho Geral e de Supervisão (CGS) ao relatório e contas do ano passado, publicado no site do …

Governo dos Açores violou Constituição ao impor quarentena obrigatória

O confinamento obrigatório de 14 dias que o governo regional dos Açores tem imposto a quem chega à região autónoma é inconstitucional, dizem os juízes do Tribunal Constitucional. As autoridades açorianas violaram a Constituição ao impor …

China caminha a passos largos para a normalidade. Gaming, cerveja e Ikea dão empurrão

A China não regista, desde 17 de maio, vítimas mortais causadas pelo novo coronavírus. No entanto, há dois surtos ativos que parecem não impedir a população de caminhar em direção à normalidade. À semelhança do resto …

No regresso ao Superior, o Ministério recomenda aulas presenciais, com máscara e ao sábado

No regresso do Ensino Superior, o Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior recomenda que voltem as aulas em regime presencial com uso obrigatório de máscara e algumas das quais lecionadas ao sábado. Num comunicado …