Central nuclear de Three Mile Island vai ser encerrada

A central nuclear de Three Mile Island, no estado norte-americano da Pensilvânia, vai ser encerrada, 40 anos depois de um dos piores acidentes da história.

Esta quinta-feira foi anunciado o encerramento do único reator nuclear que ainda se encontrava operacional na central. Razões económicas estiveram na origem da decisão — há anos que a empresa que gere a central, a Exelon Generation, tem vindo a perder dinheiro e o pedido de ajuda financeira que fez ao Estado norte-americano foi negado.

“Esperávamos que os legisladores apoiassem a energia nuclear, sem carvão, tal como defendem outras formas de energia, para evitar o fecho”, afirmou o vice-presidente da empresa em comunicado citado pelo New York Times.

“É um dia difícil para os nossos empregados”, disse ainda Bryan Hanson, segundo o qual os trabalhadores da central têm emprego assegurado noutros lugares onde a Exelon tem instalações, se assim o quiserem. A central, localizada na margem do rio Susquehanna, a cerca de 150 quilómetros das cidades de Filadélfia e Baltimore, irá encerrar a 30 de setembro.

O reator onde se deu o acidente de há 40 anos não é propriedade da Exelon e encontrava-se desativado quando a empresa adquiriu a central. No entanto, para os habitantes que moram nas suas redondezas nunca deixou de suscitar reações de “pânico e medo” desde que ali aconteceu o acidente nuclear, no dia 28 de março de 1979.

Na manhã desse dia, e devido a uma falha mecânica, o reator sobreaqueceu, a temperatura continuou a subir depois de uma válvula ter levado erradamente os operadores a parar a emergência através da refrigeração da água. Houve um colapso parcial e a central ficou em crise durante alguns dias, tendo sido depois libertada radiação propositadamente para aliviar a pressão dentro do sistema.

A informação sobre o que havia acontecido chegou à população a conta-gotas e esta circunstância acabou por gerar algum pânico. Não houve mortes, mas mais de 140 mil pessoas tiveram de ser retiradas da zona. Vários estudos realizados nos anos seguintes mostraram que os efeitos do acidente na saúde foram negligenciados, embora haja quem conteste esta perspetiva.

A criação de nova regulamentação de segurança a que ficaram obrigadas a cumprir as restantes centrais nucleares do país (atualmente há 60 em atividade e 98 reatores em funcionamento) foi positiva.

Uma das principais questões agora, conforme expressada pelo presidente do grupo de monitorização que foi criado depois do acidente nuclear, é a de saber que destino dar aos materiais e resíduos perigosos da central.

Segundo Eric Epstein, os esforços de limpeza devem ser a prioridade, podendo até isso possibilitar aos trabalhadores da central não perder o emprego. “Este não é um momento de celebração. É hora de olhar para a realidade. Há uma central nuclear que precisa de ser limpa e isso implica entrar numa longa e desafiante fase.”

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

"Crocodilo do terror" tinha dentes do tamanho de bananas e comia dinossauros

Um novo estudo descobriu um grupo de crocodilos antigos que tinham cerca de 10 metros de comprimento e dentes "do tamanho de bananas", que lhes permitiam derrubar até os maiores dinossauros do seu ecossistema. De acordo com …

Intervalos mais curtos, alunos a limpar salas e cantinas com take away. Como vai ser o novo ano letivo

Intervalos de cinco minutos, aulas a começar mais cedo e a terminar mais tarde, alunos a ajudar na desinfestação das salas e cantinas com serviço de take away são algumas das mudanças previstas por diferentes …

Rui Pinto recebeu ameaças de morte do estrangeiro

O pirata informático português Rui Pinto recebeu ameaças de morte de Portugal e do estrangeiro. O hacker é considerado person of interest por outros países. Rui Pinto recebeu ameaças de morte vindas não só de Portugal, …

Mistério médico. Cérebros de veteranos desvendam segredos sobre a síndrome da Guerra do Golfo

Trinta anos depois, a síndrome da Guerra do Golfo continua a ser um mistério médico. Porém, um novo estudo do Centro Médico da Universidade de Georgetown lança luz sobre esta misteriosa doença.  Quase um terço dos 700 …

PSD não vai fazer coligação com o Chega para as autárquicas (mas não exclui aliança pós-eleitoral)

O PSD não vai fazer coligação com o Chega, partido liderado por André Ventura, antes das autárquicas. Porém, não exclui diálogo e uma possível aliança depois disso. O semanário Expresso escreve este sábado que a direção …

Marcelo promulga diploma sobre sistema nacional de gás (mas alerta para os custos)

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, promulgou esta sexta-feira o diploma que estabelece o funcionamento do sistema nacional de gás, mas chamou à atenção para as observações do regulador, nomeadamente quanto aos custos …

UE avança com sanções contra Bielorrússia. Candidata da oposição apela a "massivas manifestações"

Os chefes de diplomacia da União Europeia (UE) acordaram esta sexta-feira impor sanções ao regime de Minsk na sequência das eleições presidenciais de domingo passado, visando os responsáveis pela alegada fraude nos resultados e pela …

Estratégia para abrandar envelhecimento pode estar escondida nos golfinhos

Uma equipa de investigadores está a estudar o envelhecimento em golfinhos da marinha norte-americana para tentar aprender estratégias para aplicar em humanos. Como os golfinhos envelhecem de maneira semelhante aos humanos, uma equipa de investigadores está …

Anãs negras, explosões na escuridão e um grito final. Astrónomo explica como o Universo vai acabar

Há muito tempo que os astrónomos estudam como será o fim do cosmos. Um novo estudo concluiu que o Universo dará um último grito antes de tudo escurecer para sempre. As leis conhecidas da física sugerem …

A NASA tem estado a disparar lasers para a Lua. Finalmente, recebeu uma resposta de volta

A NASA esteve nos últimos anos a disparar raios laser em direção ao Lunar Reconnaissance Orbiter, nave que está desde 2009 em órbita da Lua. Agora, pela primeira vez, o satélite respondeu. O Lunar Reconnaissance Orbiter (LRO) …