Centeno não queria ficar, mas Costa segurou o seu trunfo no Governo

Tiago Petinga / Lusa

António Costa e Mário Centeno

O ministro das Finanças, Mário Centeno, não queria ficar no próximo Governo, mas António Costa segurou com unhas e dentes o seu trunfo.

Mário Centeno não queria continuar no Conselho de Ministro se o Partido Socialista (PS) voltasse a formar Governo. Quer por motivos familiares, quer por motivos profissionais, o ministro das Finanças contava já os dias que faltavam para acabar a sua missão no Governo.

No entanto, António Costa não deixa Centeno pôr um ponto final na sua carreira enquanto ministro das Finanças. O primeiro-ministro não prescinde do seu serviço e até já lhe disse que conta com ele para continuar depois de 2019, confirmou o semanário Expresso junto de três fontes diferentes.

Para António Costa, o atual ministro das Finanças é um às no seu baralho, mas para o convencer a ficar teve de usar alguns argumentos. Entre eles, Costa afirmou que a sua condução atual das Finanças do país é um elemento fulcral de credibilização do partido perante um eleitorado de centro e direita, e marca uma linha de distinção perante a esquerda.

Restam poucas dúvidas de que Mário Centeno é um dos ministros mais populares deste Governo, mas o segundo argumento do primeiro-ministro prende-se com a presidência do Eurogrupo. Centeno foi eleito pelos ministros das Finanças do euro no início de 2018, e tem mandato por cumprir até meio de 2020 – algo que não se tornaria possível caso Portugal trocasse de ministro das Finanças.

Centeno e o Programa de Estabilidade

Na próxima semana, Mário Centeno terá de entregar em Bruxelas e no Parlamento um novo Programa de Estabilidade, algo que será mais difícil do que o habitual. Todas as organizações internacionais estão a rever em baixa as estimativas sobre a economia portuguesa – o FMI prevê um PIB de 1,7% este ano – e uma legislatura a decrescer até aos 1,2%.

O ministro previa, no documento entregue há um ano, um mínimo de 2% de crescimento económico. Entretanto, já admitiu rever em baixa os números deste ano (de 2,2% para 1,9%) e também dos anos que se seguem. Contudo, segundo fontes do núcleo duro ouvidas pelo Expresso, tudo indica que manterá “a trajetória” prevista para o défice – para sinalizar o mesmo comprometimento com a redução da dívida

Mas, desta vez, o documento segue num cenário de “políticas invariáveis”, ou seja, sem anunciar medidas para os anos que se seguem. O motivo é que estamos em campanha eleitoral para as europeias e para as legislativas, pelo que a versão oficial é que “é o próximo Governo quem tem de decidir o rumo”.

Desta forma, o PS guarda para depois das europeias as suas ideias sobre o futuro. Até lá, o o foco é nas europeias, ainda quem pairem nuvens cinzentas sobre o PS – quer por causa do abrandamento da economia, quer pelo familygate.

ZAP //

PARTILHAR

10 COMENTÁRIOS

  1. Costa parece entalar o Centeno.
    É sabido que Centeno tem outras ambições na UE, e que numa próxima legislatura com a economia mundial em queda, não vai poder fazer nada de brilhante.

    Costa também sabe que basta enganar o zé povo, e fazê-lo crer até às legislativas, que Centeno vai entrar numa próxima geringonça. Passadas as eleições… a música pode ser outra.

    • Ora aí está alguém que usa a cabeça para pensar ao contrário de muitos outros que comentam por aqui. É que é precisamente isso. E o Centeno, que não é burro, já viu as nuvens negras que pairam sobre a economia mundial e sabe bem o que por aqui fez, nomeadamente agravar a despesa pública em mais de 5 mil milhões. Tudo isso será incomportável num cenário de crise como o que se avizinha.

    • Tal e qual sr. Carlos. Mas o adjectivo “brilhante” é que me parece contestável, porque, no fundo, Centeno teve uma governação populista/exibicionista, que mais não é (foi) que o empobrecimento real do país. Aí é que reside o verdadeiro défice de Portugal, que alguém, após Centeno , terá que resolver, rapidamente.

  2. Este Ministro é político sorrateiro. Muita gente já o topou. Centrou a sua atenção apenas no défice, para tentar mostrar classe. Mas, no fundo, engana pouca gente. Porque mesmo com essa ambição tão restrita, deixa facilmente a descoberto o porquê de atingir tal desiderato. Para tal, restringiu de forma abissal, o investimento e cativou milhões e milhões em todos os sectores da governação. Deixa um país depauperado à custa daquilo onde se fixou para mostrar competência. O défice real está à vista: um país de pantanas, sugado até ao tutano que, alguém (seu sucessor), terá que recuperar a todo o custo, com as consequências que, infelizmente, já conhecemos.

  3. ….tal e qual como nas PPPs, dêem a volta por onde quiserem e como quiserem, no fim serão os pacovios a pagar a conta…..

  4. E para mim muito difícil entender estes tipos de comentários por aqui.
    Eu resido num dos países mais ricos da Europa e no qual para o cidadão comum o salário mínimo é 3 vezes o de Portugal.
    No entanto desloco me regularmente a Portugal e em comparação ao resto da Europa e o que reparo é que em comparação aos salários portugueses respectivamente aos salários do resto da Europa, Portugal é dos países da Europa com a maior taxa de veículos de luxo, casas de luxo, pessoas a frequentar restaurantes e cafés pelo menos uma vez ao dia, e o país da Europa onde mais existem centros comerciais.
    Ou seja alguém me consegue explicar esses argumentos de queixa???
    É para que fique aqui bem claro, não sou a favor ou contra nenhuma cor política, pois nunca sequer me dei ao trabalho ou perdi o meu tempo para ir votar, e nunca irá acontecer.

RESPONDER

Mais de dois mil coalas mortos devido aos incêndios na Austrália

O presidente da Aliança das Florestas do Nordeste da Austrália disse que os incêndios florestais que deflagram no leste do país, desde o início de novembro, provocaram a morte a mais de dois mil coalas. O …

Regionalização sem referendo é “golpe de estado palaciano”

Luís Marques Mendes falou este domingo, no habitual espaço de comentário político na SIC, sobre a regionalização, os "tempos difíceis para a direita", Greta Thunberg e Joe Berardo. Houve ainda tempo para falar sobre o …

China diz que detidos em Xinjiang estão "formados" e "vivem felizes"

Um alto quadro do regime chinês afirmou, esta segunda-feira, que os membros de minorias étnicas chinesas de origem muçulmana mantidos em "centros de treino vocacional" no extremo oeste do país já se "formaram" e levam …

Greve geral volta a parar França. Filas de trânsito chegam aos 620 quilómetros

Os acessos a Paris estão, esta manhã, muito complicados devido ao quinto dia de greve contra a reforma das pensões e que afeta sobretudo a rede de transportes na capital francesa. De acordo com as autoridades, …

"Mário Centeno está a perder influência no Governo". Os (maus) sinais para o Orçamento de Estado 2020

A proposta de Orçamento do Estado para 2020 [OE 2020] vai ser apresentada daqui a uma semana e alguns economistas antecipam os riscos do documento, falando de uma "situação potencialmente perigosa para as contas públicas" …

Utilizadores russos do Reddit terão divulgado documentos comprometedores sobre o Brexit

A rede social Reddit anunciou ter concluído que utilizadores russos estiveram na origem da divulgação de documentos confidenciais do governo britânico sobre as negociações comerciais do Brexit. O Reddit anunciou, num comunicado citado pela Associated Press, …

Concorrência quer novas regras para fidelizações nas telecomunicações

A Autoridade da Concorrência (AdC) quer mudanças nas regras impostas pelas operadoras de telecomunicações nos contratos de fidelização. Segundo um relatório da AdC, ao qual o Jornal de Negócios teve acesso e que será esta segunda-feira …

Se Trump fosse julgado perante um júri, seria condenado "em três minutos"

Caso o processo de impeachment avance, e Trump seja apresentado perante um júri, Jerry Nadler acredita que o presidente norte-americano seria considerado culpado "em três minutos". O presidente da comissão de Justiça da Câmara dos Representantes, …

Sangue, lágrimas e crianças escoltadas na primeira despromoção da história do Cruzeiro

O Cruzeiro desceu de divisão pela primeira vez na sua história. O último jogo do campeonato, que selou a despromoção, ficou marcado por episódios violentos entre adeptos e polícia. O cenário vivido no 'Mineirão', este domingo, …

Movimento "Convergência" prepara moção para convenção do Bloco (mas rejeita cisão)

Largas dezenas de elementos do Bloco de Esquerda (BE) estiveram reunidos para preparar uma moção para apresentar na próxima convenção do partido, mas rejeitam estar a criar uma nova tendência ou a preparar uma cisão. João …