Centeno não queria ficar, mas Costa segurou o seu trunfo no Governo

Tiago Petinga / Lusa

António Costa e Mário Centeno

O ministro das Finanças, Mário Centeno, não queria ficar no próximo Governo, mas António Costa segurou com unhas e dentes o seu trunfo.

Mário Centeno não queria continuar no Conselho de Ministro se o Partido Socialista (PS) voltasse a formar Governo. Quer por motivos familiares, quer por motivos profissionais, o ministro das Finanças contava já os dias que faltavam para acabar a sua missão no Governo.

No entanto, António Costa não deixa Centeno pôr um ponto final na sua carreira enquanto ministro das Finanças. O primeiro-ministro não prescinde do seu serviço e até já lhe disse que conta com ele para continuar depois de 2019, confirmou o semanário Expresso junto de três fontes diferentes.

Para António Costa, o atual ministro das Finanças é um às no seu baralho, mas para o convencer a ficar teve de usar alguns argumentos. Entre eles, Costa afirmou que a sua condução atual das Finanças do país é um elemento fulcral de credibilização do partido perante um eleitorado de centro e direita, e marca uma linha de distinção perante a esquerda.

Restam poucas dúvidas de que Mário Centeno é um dos ministros mais populares deste Governo, mas o segundo argumento do primeiro-ministro prende-se com a presidência do Eurogrupo. Centeno foi eleito pelos ministros das Finanças do euro no início de 2018, e tem mandato por cumprir até meio de 2020 – algo que não se tornaria possível caso Portugal trocasse de ministro das Finanças.

Centeno e o Programa de Estabilidade

Na próxima semana, Mário Centeno terá de entregar em Bruxelas e no Parlamento um novo Programa de Estabilidade, algo que será mais difícil do que o habitual. Todas as organizações internacionais estão a rever em baixa as estimativas sobre a economia portuguesa – o FMI prevê um PIB de 1,7% este ano – e uma legislatura a decrescer até aos 1,2%.

O ministro previa, no documento entregue há um ano, um mínimo de 2% de crescimento económico. Entretanto, já admitiu rever em baixa os números deste ano (de 2,2% para 1,9%) e também dos anos que se seguem. Contudo, segundo fontes do núcleo duro ouvidas pelo Expresso, tudo indica que manterá “a trajetória” prevista para o défice – para sinalizar o mesmo comprometimento com a redução da dívida

Mas, desta vez, o documento segue num cenário de “políticas invariáveis”, ou seja, sem anunciar medidas para os anos que se seguem. O motivo é que estamos em campanha eleitoral para as europeias e para as legislativas, pelo que a versão oficial é que “é o próximo Governo quem tem de decidir o rumo”.

Desta forma, o PS guarda para depois das europeias as suas ideias sobre o futuro. Até lá, o o foco é nas europeias, ainda quem pairem nuvens cinzentas sobre o PS – quer por causa do abrandamento da economia, quer pelo familygate.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

10 COMENTÁRIOS

  1. Costa parece entalar o Centeno.
    É sabido que Centeno tem outras ambições na UE, e que numa próxima legislatura com a economia mundial em queda, não vai poder fazer nada de brilhante.

    Costa também sabe que basta enganar o zé povo, e fazê-lo crer até às legislativas, que Centeno vai entrar numa próxima geringonça. Passadas as eleições… a música pode ser outra.

    • Ora aí está alguém que usa a cabeça para pensar ao contrário de muitos outros que comentam por aqui. É que é precisamente isso. E o Centeno, que não é burro, já viu as nuvens negras que pairam sobre a economia mundial e sabe bem o que por aqui fez, nomeadamente agravar a despesa pública em mais de 5 mil milhões. Tudo isso será incomportável num cenário de crise como o que se avizinha.

    • Tal e qual sr. Carlos. Mas o adjectivo “brilhante” é que me parece contestável, porque, no fundo, Centeno teve uma governação populista/exibicionista, que mais não é (foi) que o empobrecimento real do país. Aí é que reside o verdadeiro défice de Portugal, que alguém, após Centeno , terá que resolver, rapidamente.

  2. Este Ministro é político sorrateiro. Muita gente já o topou. Centrou a sua atenção apenas no défice, para tentar mostrar classe. Mas, no fundo, engana pouca gente. Porque mesmo com essa ambição tão restrita, deixa facilmente a descoberto o porquê de atingir tal desiderato. Para tal, restringiu de forma abissal, o investimento e cativou milhões e milhões em todos os sectores da governação. Deixa um país depauperado à custa daquilo onde se fixou para mostrar competência. O défice real está à vista: um país de pantanas, sugado até ao tutano que, alguém (seu sucessor), terá que recuperar a todo o custo, com as consequências que, infelizmente, já conhecemos.

  3. ….tal e qual como nas PPPs, dêem a volta por onde quiserem e como quiserem, no fim serão os pacovios a pagar a conta…..

  4. E para mim muito difícil entender estes tipos de comentários por aqui.
    Eu resido num dos países mais ricos da Europa e no qual para o cidadão comum o salário mínimo é 3 vezes o de Portugal.
    No entanto desloco me regularmente a Portugal e em comparação ao resto da Europa e o que reparo é que em comparação aos salários portugueses respectivamente aos salários do resto da Europa, Portugal é dos países da Europa com a maior taxa de veículos de luxo, casas de luxo, pessoas a frequentar restaurantes e cafés pelo menos uma vez ao dia, e o país da Europa onde mais existem centros comerciais.
    Ou seja alguém me consegue explicar esses argumentos de queixa???
    É para que fique aqui bem claro, não sou a favor ou contra nenhuma cor política, pois nunca sequer me dei ao trabalho ou perdi o meu tempo para ir votar, e nunca irá acontecer.

RESPONDER

Da "obsessão por cargos" à "subserviência ao PS". Críticos internos do BE descarregam na direção

A convenção do Bloco de Esquerda está marcada para os dias 22 e 23 de maio. Os grupos críticos da direção do partido já têm preparada uma extensa lista de críticas. De acordo com o Observador, …

Pela primeira vez, a idade da reforma pode cair (e a culpa é da pandemia)

A idade da reforma é determinada pela esperança média de vida. No entanto, a pandemia e o consequente aumento da mortalidade podem fazer cair esse indicador, levando a um recuo histórico na idade da reforma. Até …

Onde estão os antigos "donos disto tudo" no desporto?

Sporting parece estar em ano de regresso ao topo do futebol. Mas outros clubes dominadores, ou desapareceram, ou andam discretos. "Felizmente não subimos à I Divisão", admite o presidente do HC Sintra. "Donos disto tudo" pode …

Após chumbo ao aeroporto do Montijo, Governo quer mudar a lei para tirar poder aos municípios

O chumbo ao aeroporto do Montijo, depois de os municípios da Moita e do Seixal terem reprovado o projecto, não demove o Governo da empreitada. Em cima da mesa estão três soluções e a intenção …

Vacina da Janssen deverá ser aprovada na Europa a 11 de março. Imunizante só requer uma toma

A Agência Europeia do Medicamento convocou uma reunião extraordinária para concluir a avaliação da vacina à covid-19 da multinacional Janssen, com vista a colocá-la rapidamente no mercado. Neste sentido, espera-se que haja mais uma vacina contra …

Medina leva nega. Bloco, PCP e PAN querem concorrer sozinhos em Lisboa

O anúncio de que Carlos Moedas vai encabeçar a candidatura PSD/CDS à Câmara Municipal de Lisboa uniu a direita, mas não mudou a estratégia da esquerda. O Bloco, o PCP e o PAN querem concorrer …

Coates alcançou feito sem paralelo na Europa

Coates não comete uma única falta há mais de um mês, embora tenha sido totalista de minutos nesse período. É o único jogador das principais ligas europeias a consegui-lo. Provavelmente já não se lembra da última …

"Nunca batem certo". Madeira contesta dados do boletim da DGS

As autoridades regionais madeirenses afirmam que "os números fidedignos são os dados reportados, diariamente, pela Direção Regional de Saúde". A Direção Regional da Saúde (DRS) da Madeira contestou, esta terça-feira, os dados reportados nos boletins da …

I Liga pondera reduzir número de equipas a partir de 2022/2023

O desportivo Record avança esta quarta-feira que a Liga de Clube pondera reduzir o número de equipas em competição na I Liga já a partir da época de 2022/2023. Em cima da mesa está a redução …

Sob risco de expulsão, Fidesz de Orbán deixa bancada do Partido Popular Europeu pelo próprio pé

O partido Fidesz, liderado pelo primeiro-ministro húngaro Viktor Orbán, vai deixar a bancada do Partido Popular Europeu no Parlamento Europeu. De acordo com a agência Reuters, o partido Fidesz, que governa a Hungria, anunciou esta quarta-feira …