Cem mil máscaras que não cumprem as regras de segurança apreendidas pela ASAE

Mário Cruz / Lusa

A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) apreendeu cerca de 100 mil máscaras devido a problemas de segurança e violações das regras comunitárias, segundo uma fonte oficial do órgão de polícia criminal.

Ao Expresso, a mesma fonte indicou que 78 500 são semi-máscaras de proteção respiratória FFP2 (destinadas à utilização por profissionais que, podendo não ser da área da saúde, estão expostos ao contacto com um elevado número de indivíduos) e as restantes são de uso comunitário.

A ASAE já fiscalizou cerca de mil operadores económicos para verificar se, no âmbito da pandemia de covid-19, há vendas acima do valor legalmente estabelecido, bem como o “cumprimento da conformidade” dos equipamentos de proteção individual (EPI). Quando “detetadas desconformidades”, as máscaras são “apreendidas e retiradas do mercado”.

A autoridade já instaurou 20 processos por contraordenação “relacionados com a temática das máscaras”, destacando-se como principais infrações a “disponibilização no mercado e ou a colocação em serviço de EPI que não satisfazem os requisitos essenciais de saúde e de segurança, violação das regras e condições de aposição da marcação CE em EPI, incumprimento dos deveres de importador e falta de satisfação de requisitos ou características legais (máscaras sociais)”.

Foram também adotadas “mais de uma dezena de medidas restritivas”, como a proibição de colocação no mercado dos produtos irregulares, a divulgação destas situações junto da Comissão Europeia e demais Estados-membros e a emissão de notificações RAPEX (Rapid Alert System for all dangerous consumer Products) para esses equipamentos, cuja comercialização fica proibida em Portugal e noutros países da União Europeia.

Entre as infrações mais detetadas estão ainda “o acompanhamento de produtos por certificados inválidos ou falsos, que levam a que a marcação ‘CE’ aposta seja considerada falsa ou enganosa”.

ASAE verifica máscaras da Quilaban

Um dos casos que a ASAE está a analisar, continuou o Expresso, prende-se com os certificados de conformidade com as normas europeias das máscaras vendidas à Direção-geral da Saúde (DGS) pela Quilaban, detida pelo ex-presidente da Associação Nacional das Farmácias (ANF), João Cordeiro.

Em causa está a validade dos documentos de certificação dos três milhões de respiradores FFP2 comercializados pela empresa através de um ajuste direto com o Estado por 8,5 milhões de euros (o contrato de fornecimento envolveu mais um milhão de máscaras cirúrgicas tipo II, no valor de 540 mil euros).

A ASAE disse ao Expresso que se encontra “a analisar a informação que foi remetida pelos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS), na qual se incluem elementos fotográficos das máscaras e dos documentos de acompanhamento, aguardando-se o envio de mais elementos para conclusão do parecer sobre a conformidade dos produtos”.

Entretanto, o Ministério Público (MP) abriu um inquérito para investigar a venda de material por parte da Quilaban ao Ministério da Saúde.

Num comunicado enviado para as redações, a empresa afirmou que a “certificação apresentada era verdadeira e válida”, explicando que o certificado das máscaras compradas para a DGS tinha sido alvo de uma nova renumeração e de uma nova imagem por causa da deteção de documentos falsos ou inválidos.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Cidade japonesa acaba de proibir a utilização de telemóveis enquanto se caminha

A cidade japonesa de Yamato acaba de aprovar uma proposta de lei que proíbe as pessoas de utilizarem telemóveis enquanto caminham. A cidade, localizada num subúrbio de Tóquio, entende que os telemóveis são um risco …

MIT apagou base de dados popular que ensinou IA a ser racista e sexista

O Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), nos Estados Unidos, viu-se obrigado apagar uma base de dados de treinamento de Inteligência Artifical (IA) depois de esta ensinar vários algoritmos a usar insultos racistas e sexistas. …

Escola Básica e fábrica de Paços de Ferreira encerradas, com nove casos positivos

A Escola Básica n.º 2 e a Fábrica de Lacados Abrelac, em Paços de Ferreira, Porto, foram encerradas após diagnosticados nove casos de covid-19 para “prevenção” e para “interromper as cadeias de transmissão”, disseram hoje …

Mais nove mortes e 328 casos confirmados em Portugal

Portugal regista hoje mais nove óbitos por covid-19, em relação a sábado, e mais 328 casos de infeção confirmados, dos quais 254 na região de Lisboa e Vale do Tejo, segundo os dados da Direção-Geral …

Cientistas criam miniatura de ondas de choque de supernovas (e quase desvendam um mistério)

Esta versão em miniatura das ondas de choque das supernovas pode ter ajudado os cientistas a chegar muito perto da resolução de um antigo mistério cósmico. Uma equipa de investigadores do Departamento de Energia do Centro …

Na Indonésia, são os recém-licenciados quem mais vai sofrer com o impacto económico da covid-19

A covid-19 continua a desacelerar a economia na Indonésia e pode causar graves impactos nos recém-licenciados que entram no mercado de trabalho pela primeira vez. Na Indonésia, o crescimento económico diminuiu para 2,97% durante o primeiro …

Mudanças climáticas ameaçam 60% das espécies de peixes do mundo

Uma nova investigação levada a cabo por cientistas do Instituto Alfred Wegener, na Alemanha, sugere que as mudanças climáticas podem destruir mais espécies de peixes do que se pensavam anteriormente. Se as temperaturas globais subirem …

Engenheiros desenvolvem célula de combustível duas vezes mais eficiente do que a de hidrogénio

Uma equipa de engenheiros da Universidade de Washington, nos Estados Unidos, desenvolveu um novo processo para uma célula de combustível que funciona com o dobro da tensão das células a combustível tradicionais de hidrogénio. O novo …

Preços das bebidas concertados durante anos. Seis supermercados sob suspeita de cartel

Seis grupos de distribuição alimentar e dois fornecedores de sumos, vinhos e outras bebidas, foram acusados pela Autoridade da Concorrência de concertarem preços durante vários anos em prejuízo do consumidor. "Após investigação, a Autoridade da Concorrência, …

Sindicato denuncia mobilização forçada de médicos para tratar surto de Reguengos de Monsaraz

O Sindicado dos Médicos da Zona Sul (SMZS) denunciou hoje o que diz ser uma “mobilização forçada de médicos” pela Administração Regional de Saúde (ARS) do Alentejo para o combate ao surto de covid-19 de …