Cem mil máscaras que não cumprem as regras de segurança apreendidas pela ASAE

Mário Cruz / Lusa

A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) apreendeu cerca de 100 mil máscaras devido a problemas de segurança e violações das regras comunitárias, segundo uma fonte oficial do órgão de polícia criminal.

Ao Expresso, a mesma fonte indicou que 78 500 são semi-máscaras de proteção respiratória FFP2 (destinadas à utilização por profissionais que, podendo não ser da área da saúde, estão expostos ao contacto com um elevado número de indivíduos) e as restantes são de uso comunitário.

A ASAE já fiscalizou cerca de mil operadores económicos para verificar se, no âmbito da pandemia de covid-19, há vendas acima do valor legalmente estabelecido, bem como o “cumprimento da conformidade” dos equipamentos de proteção individual (EPI). Quando “detetadas desconformidades”, as máscaras são “apreendidas e retiradas do mercado”.

A autoridade já instaurou 20 processos por contraordenação “relacionados com a temática das máscaras”, destacando-se como principais infrações a “disponibilização no mercado e ou a colocação em serviço de EPI que não satisfazem os requisitos essenciais de saúde e de segurança, violação das regras e condições de aposição da marcação CE em EPI, incumprimento dos deveres de importador e falta de satisfação de requisitos ou características legais (máscaras sociais)”.

Foram também adotadas “mais de uma dezena de medidas restritivas”, como a proibição de colocação no mercado dos produtos irregulares, a divulgação destas situações junto da Comissão Europeia e demais Estados-membros e a emissão de notificações RAPEX (Rapid Alert System for all dangerous consumer Products) para esses equipamentos, cuja comercialização fica proibida em Portugal e noutros países da União Europeia.

Entre as infrações mais detetadas estão ainda “o acompanhamento de produtos por certificados inválidos ou falsos, que levam a que a marcação ‘CE’ aposta seja considerada falsa ou enganosa”.

ASAE verifica máscaras da Quilaban

Um dos casos que a ASAE está a analisar, continuou o Expresso, prende-se com os certificados de conformidade com as normas europeias das máscaras vendidas à Direção-geral da Saúde (DGS) pela Quilaban, detida pelo ex-presidente da Associação Nacional das Farmácias (ANF), João Cordeiro.

Em causa está a validade dos documentos de certificação dos três milhões de respiradores FFP2 comercializados pela empresa através de um ajuste direto com o Estado por 8,5 milhões de euros (o contrato de fornecimento envolveu mais um milhão de máscaras cirúrgicas tipo II, no valor de 540 mil euros).

A ASAE disse ao Expresso que se encontra “a analisar a informação que foi remetida pelos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS), na qual se incluem elementos fotográficos das máscaras e dos documentos de acompanhamento, aguardando-se o envio de mais elementos para conclusão do parecer sobre a conformidade dos produtos”.

Entretanto, o Ministério Público (MP) abriu um inquérito para investigar a venda de material por parte da Quilaban ao Ministério da Saúde.

Num comunicado enviado para as redações, a empresa afirmou que a “certificação apresentada era verdadeira e válida”, explicando que o certificado das máscaras compradas para a DGS tinha sido alvo de uma nova renumeração e de uma nova imagem por causa da deteção de documentos falsos ou inválidos.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Hungria 1-1 França | Magiares travam campeões do Mundo

A Hungria empatou hoje 1-1 com a França, em encontro da segunda jornada do grupo F do Euro2020 de futebol em que travou a campeã mundial, algo desinspirada no ataque, graças a uma atuação organizada …

Portugal vs Alemanha em direto: Fernando Santos não faz alterações no onze

A seleção portuguesa de futebol pode garantir hoje o apuramento para os oitavos de final do Euro2020, mas terá de vencer a poderosa Alemanha, ainda à procura dos primeiros pontos no Grupo F. O jogo …

Governo diz que limites à circulação na AML está protegida por Lei de Bases

O secretário de Estado Adjunto e da Saúde afirmou hoje que a medida que impõe limites à circulação na Área Metropolitana de Lisboa (AML) está “bem protegida e consolidada” naquilo que é a Lei de …

Cidade australiana está coberta de teias de aranha. Fenómeno tem explicação

Uma região australiana está a ser inundada por teias de aranha, após se deparar com severas inundações que obrigaram os habitantes - e os aracnídeos - a procurar terras mais secas para se estabelecerem. A região …

Governo decide que mortes sob custódia policial passam a ter autópsia obrigatória

Decreto-lei de 16 de junho frisa a necessidade de haver sempre autópsia quando há mortes sob custódia ou em sequência de intervenções policiais e militares. O decreto formaliza "uma prática própria de um Estado democrático", diz …

Mais 1183 novos casos e uma morte nas últimas 24 horas

O último boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde regista uma ligeira redução no número de infeções confirmadas pelo coronavírus SARS-CoV-2, com 1.183 casos, e uma morte associada à covid-19. O mesmo boletim indica que estão mais …

Austrália queixa-se da China à Organização Mundial do Comércio por tarifas sobre o vinho

A Austrália queixou-se formalmente à Organização Mundial do Comércio (OMC) sobre as tarifas que Pequim impôs aos vinhos australianos, disse hoje o Governo. A queixa surge na sequência de consultas intensivas com os produtores de vinho …

Quase metade das camas para estudantes do superior ainda não têm data para ficarem prontas

Mais de 40% das camas incluídas no Plano Nacional de Alojamento Estudantil ainda não têm uma data prevista para poderem começar a ser usadas. O programa do Governo tem como objetivo responder à falta de residências …

Ex-presidente de Infarmed diz que é preciso não descartar a capacidade das farmácias na vacinação

O ex-presidente de Infarmed considera que o mais importante para travar a pandemia é garantir a rápida vacinação do maior número de pessoas no menor espaço de tempo e que é preciso não descartar a …

Clérigo ultraconservador Ebrahim Raisi vence eleições presidenciais do Irão

O clérigo ultraconservador Ebrahim Raisi venceu as eleições presidenciais do Irão com mais de 62,2% dos votos, segundo resultados oficiais parciais hoje divulgados. Em 28,6 milhões de votos contados, Raïssi obteve "mais de 17.800.000" votos, declarou …